i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

A tarifa do ônibus na Justiça

A prefeitura não escolheu o melhor caminho ao fazer o curitibano pagar R$ 4,25 sem saber qual será a nova tarifa técnica

  • PorGazeta do Povo
  • 17/02/2017 23:01
 | Daniel Castellano/Gazeta do Povo
| Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo

A tarifa de R$ 4,25 do transporte coletivo de Curitiba, valor definido antes mesmo de se bater o martelo sobre a tarifa técnica, agora se sustenta em uma decisão liminar do desembargador Leonel Cunha, do Tribunal de Justiça do Estado do Paraná. Na última segunda-feira, dia 13, o conselheiro Ivan Bonilha, do Tribunal de Contas do Estado (TCE), havia determinado que a passagem voltasse aos R$ 3,70, em medida cautelar – a decisão foi confirmada pelo plenário do TCE na quinta-feira, dia 16, mas no mesmo dia veio a liminar do TJ-PR, que passa a prevalecer.

A própria competência do TCE para suspender atos administrativos do poder público é controversa. Sem previsão nem vedação expressa para tal na Constituição, deveria vigorar o princípio do Direito Administrativo segundo o qual só se permite ao agente público o que está expressamente permitido em lei. Mas, diante da omissão de vários Legislativos em dar sequência às recomendações dos TCs, as cortes de contas vinham agindo por conta própria já havia muitos anos sem que essa atuação fosse contestada. No entanto, a cautelar de Bonilha continha pelo menos um equívoco: foi emitida sem que a prefeitura tivesse sido ouvida. Com isso, ocorreu uma “decisão surpresa” proibida pelo Código de Processo Civil – o que não escapou ao desembargador Cunha. De qualquer modo, ao julgar o Recurso Extraordinário 848826, em agosto do ano passado, o pleno do STF decidiu que o órgão competente para julgar contas de prefeitos é a Câmara Municipal, e não o Tribunal de Contas, dando margem a um entendimento pelo qual o TCE não poderia suspender o reajuste da passagem.

A Urbs não tinha nem sequer a avaliação sobre a necessidade de detalhar os custos do transporte para o curitibano

Questões processuais à parte, o que está no centro da briga pelo preço da tarifa é o fato de ela ter sido reajustada antes da definição sobre o valor da tarifa técnica, o que ocorrerá ainda neste mês, e a falta de transparência e diálogo com a sociedade a respeito do novo valor da passagem. Ainda que, ao acionar o TJ, a prefeitura tenha alegado que o aumento foi precedido de um processo administrativo público, fica evidente que a discussão poderia ter sido conduzida de outras formas. Preocupam os termos com os quais o presidente da Urbs, José Antônio Andreguetto, descartou a necessidade de audiências públicas, em entrevista à Gazeta do Povo: “Estamos aqui para gerenciar, não para ficar brincando e fazendo demagogia”. Ora, ir a público argumentar pela eventual necessidade de reajuste e explicar, em termos que o cidadão possa entender, “para onde vai cada centavo da sua tarifa” (nas palavras do presidente da Urbs) não é brincadeira, nem demagogia; pode não ser uma exigência legal, condição sine qua non para o aumento, mas é o que se espera de um bom gestor, especialmente em um caso como esse, que afeta praticamente toda a coletividade. Mas a Urbs não tinha nem sequer a avaliação sobre a necessidade de detalhar os custos do transporte para o curitibano, tendo feito isso pelas mídias sociais apenas dez dias depois do aumento.

A prefeitura não escolheu o melhor caminho ao fazer o curitibano pagar R$ 4,25 sem saber qual será a nova tarifa técnica – que ainda sofrerá o impacto das negociações salariais entre empresas e funcionários e, dependendo desse resultado, pode até superar esse valor – e ao desprezar mecanismos de informação à sociedade em assunto tão sensível como é o transporte público. A essa indecisão, soma-se o fato de o assunto ter sido judicializado. Como já afirmamos, alguém há de pagar a conta do transporte – os passageiros ou todos os curitibanos, caso seja necessário subsidiar o sistema. Mas quem for arcar com os gastos precisa saber com clareza o que está pagando.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.