i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

O aborto eugênico é derrotado, mas o Brasil não pode baixar a guarda

  • PorGazeta do Povo
  • 04/05/2020 19:15
Cármen Lúcia alegou questões processuais para derrubar as ações que pediam a liberação do aborto para gestantes com o vírus zika.
Cármen Lúcia alegou questões processuais para derrubar as ações que pediam a liberação do aborto para gestantes com o vírus zika.| Foto: Nelson Jr./Arquivo STF

Não será desta vez que o aborto eugênico será ampliado no Brasil. Em julgamento virtual encerrado no fim da semana passada, o Supremo Tribunal Federal derrubou por unanimidade a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5.581, ajuizada pela Associação Nacional dos Defensores Públicos (Anadep) juntamente com uma arguição de descumprimento de preceito fundamental (ADPF) sobre o mesmo tema. As ações pleiteavam uma série de medidas para gestantes infectadas com o zika vírus, incluindo a possibilidade de fazer um aborto – ainda que não houvesse diagnóstico de microcefalia na criança, o que tornava o pedido ainda mais perverso, por se tratar de um “na dúvida, mate-se”. Apesar de a vida ter felizmente saído vencedora neste caso, não há nenhum motivo para aliviar a mobilização quando o assunto é o ativismo judicial abortista do STF.

As ações foram derrotadas apenas por questões meramente processuais. Nem foi necessário entrar no mérito dos pedidos feitos pela Anadep porque havia impedimentos prévios ao julgamento da ação. Quanto à ADPF, que alegava omissão do poder público ao não permitir que se realizasse o aborto nestes casos, a relatora Cármen Lúcia a descartou por um motivo muito simples: a associação não teria legitimidade para propor a ação naquele caso, pois a ministra não enxergou interesse jurídico da entidade nas normas que a ação questionava. E, quanto à ADI, Cármen Lúcia a julgou “prejudicada” pelo que se chama de “perda do objeto”. Isso porque a ação da Anadep questionava trechos da Lei 13.301/2016, especificamente a concessão do Benefício da Prestação Continuada por três meses para crianças com microcefalia decorrente do zika. No entanto, a Lei 13.985/20, resultado da aprovação pelo Congresso da Medida Provisória 894, assinada por Jair Bolsonaro em setembro de 2019, passou a prever uma pensão vitalícia de um salário mínimo às crianças nascidas com quaisquer sequelas decorrentes da infecção da mãe pelo zika, e não apenas a microcefalia.

O 11 a zero na ADI 5.581 nem de longe significa que os ministros caíram em si e se tornaram defensores da vida

O único ministro a seguir a relatora, mas com ressalvas, foi Luís Roberto Barroso, que há muito milita pelo aborto e defende abertamente o ativismo judicial neste caso. O ministro afirmou que considerava a Anadep como parte legítima para propor a ADPF, mas dedicou boa parte do seu voto à defesa da legalização do aborto, dizendo que, ao extinguir as ações, o Supremo estava “adiando a discussão” do tema, como se o Judiciário devesse ser o lócus deste debate, em vez do Poder Legislativo. O palavreado de Barroso ajuda a desmentir uma fábula midiática que era colocada em circulação todas as vezes que a ADI 5.581 vinha à tona: a de que a ação não se resumia ao aborto, que este era apenas um entre vários pedidos, que se tratava de criar todo um arcabouço para garantir o bem-estar da mãe e das crianças (as que tivessem a sorte de escapar do aborto, presume-se). A indignação de Barroso demonstra que o aborto era, sim, a “joia da coroa” no pedido feito pela Anadep.

E é por isso que a comemoração no caso da ADI 5.581 não pode nos fazer perder de vista o fato de que o nascituro, o mais indefeso e inocente dos seres humanos, continua seriamente ameaçado no Supremo. Este 11 a zero nem de longe significa que os ministros caíram em si e se tornaram defensores da vida; como acabamos de explicar, apenas questões processuais impediram que a ação prosperasse – triste ironia, quando se considera (corretamente) que o rito processual deve ser respeitado, mas o direito à vida dos não nascidos, esse pode ser relativizado à vontade. Dois oito ministros que, em 2012, aprovaram o aborto para fetos anencéfalos, seis continuam na corte: Celso de Mello, Marco Aurélio, Luiz Fux, Rosa Weber, Gilmar Mendes e Cármen Lúcia – e Dias Toffoli só não votou porque havia participado do processo quando estava na Advocacia-Geral da União, declarando-se favorável ao aborto neste caso. Acrescentem-se à lista Barroso e Edson Fachin, participantes de um vergonhoso episódio ocorrido em novembro de 2016, quando Barroso sequestrou o julgamento de um habeas corpus na Primeira Turma para declarar inconstitucional o trecho do Código Penal que criminaliza o aborto, sendo seguido por Fachin e Rosa Weber.

Rosa Weber, por sua vez, é relatora da ADPF 442, a mais ambiciosa tentativa de legalizar o aborto no Brasil pela via judicial. Na escalação das audiências públicas, ela mostrou de que lado está ao propor um debate desigual, com ampla maioria de defensores do aborto, enquanto os pró-vida eram majoritariamente representados por entidades religiosas, na tentativa de desqualificar o argumento em defesa da criança como sendo de cunho meramente religioso, e não biológico ou ético – falácia, aliás, também reproduzida por Barroso em seu voto na ADI 5.581. É na ADPF 442, que ainda não está na pauta do plenário, que o abortismo aposta todas as suas fichas.

O último motivo que o Supremo teria para usurpar funções de legislador no caso do aborto é a suposta omissão do Legislativo federal. O tema vem sendo discutido pelo Congresso de forma quase ininterrupta há décadas, dados os inúmeros projetos que tentam ou legalizar a prática ou fortalecer a defesa da vida desde a concepção, e que estão em diversas fases de tramitação ou já foram arquivados – o que não deixa de ser uma forma de os parlamentares também se pronunciarem sobre o tema. “Omissão”, assim, não passa de uma palavra-coringa para designar o fato de que o Congresso simplesmente não está decidindo da forma como alguns ministros do Supremo gostariam, e que por isso eles se julgam no direito de tomar o assunto nas próprias mãos. Isso torna ainda mais importantes as duas escolhas que Jair Bolsonaro fará para o STF durante este mandato: juristas avessos ao ativismo judicial e comprometidos com o respeito à vida do nascituro aliviarão a pressão do abortismo no Judiciário. Enquanto isso, os brasileiros não podem baixar a guarda por um minuto sequer.

14 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 14 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • L

    Lelena

    ± 0 minutos

    Claro que a Gazeta é hipócrita ao tratar esse assunto. A Gazeta oferece cheche para que suas funcionárias possam deixar suas crianças enquanto trabalham ? A Gazeta autoriza licença paternidade aos funcionarios que serão pais ? A Gazeta oferece plano de saúde gratuito aos filhos dos funcionários ? Pois é, assim é muito fácil condenar quem quer fazer um aborto. ZERO RESPONSABILIDADE X 10 HIPOCRISIA.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Rosa

    ± 19 horas

    A melhor frase sobre aborto pra mim é: os que julgam este tema tiveram direito de nascer.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    Elcio Alves

    ± 22 horas

    Gazeta só lembra do STF quando se trata das pautas que interessam a direção do jornal, mas quando se trata do STF se metendo nos outros poderes, nem uma palavra. É hipocrisia que fala, Gazeta?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    Erison

    ± 24 horas

    Há muita hipocrisia no trato desse assunto, e pouca objetividade. Qual o futuro de milhões de crianças nascidas de modo indesejado e rejeitadas, desamparadas?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    Jorge Dias

    ± 1 dias

    O pessoal do partido NOVO não gostou da matéria.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Risada Apertada

    ± 1 dias

    A discussão do aborto jaz no campo ético-religioso. Se fossemos observar quem são os "líderes" contra o aborto, são todos evangélicos. Crescei e multiplicai-vos (e pagai o dízimo!). A luta é pelo dízimo; a mulher e o feto não é preocupação verdadeira, o bem estar de ambos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • A

      Adriel Farias

      ± 1 dias

      Você é doente ? O que tem haver aborto com dízimo? E os ateus pro-vida ? São contra o aborto por causa do dízimo? Antes de ficar tecendo comentários vai tomar seu remédio.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Marcos Erbe

    ± 1 dias

    Como pode dar certo? Mais de 60% dos partos no RJ são de mães solteiras https://www.gazetadopovo.com.br/rodrigo-constantino/artigos/mais-de-60-dos-partos-no-rio-sao-de-maes-solteiras/

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Ricardo

    ± 1 dias

    Ótima matéria. Não sou religioso e sou totalmente contrário ao aborto. Vergonhosamente, um dia já fui a favor. Mas por pura desinformação. Ao me informar melhor sobre o tema e entender os problemas éticos do aborto, à condição indefesa do feto, passei a repudia-lo, e qualquer ser humano civilizado deveria fazer o mesmo. Aborto e civilização são incompatíveis.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Marcos Erbe

    ± 1 dias

    Quando a vida começa? Médicos debatem a descriminalização do aborto http://sites.uai.com.br/app/noticia/saudeplena/noticias/2013/04/17/noticia_saudeplena,143081/onde-a-vida-comeca-medicos-debatem-a-discriminalizacao-do-aborto.shtml

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Magela

    ± 1 dias

    Cristãos de todo o Brasil , vamos nos unir contra este infanticídio legal que querem implantar neste país. Este Barroso é misterioso, quando se pensa que é um dos poucos ministros que se salva alí, vem com esta.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • Á

    Álvaro

    ± 1 dias

    Não há como discutir aborto sem uma premissa básica estabelecida: o nascituro é uma vida humana. Portanto, admitir o aborto é aceitar o assassinato

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    2 Respostas
    • R

      Risada Apertada

      ± 1 dias

      Aí com 15 anos o filho do crente engravida a filha da vizinha: nossa, como aconteceu, era crente? Passado o choque dizem os futuros avós, com orgulho: Deus quis! Não bodem abortar, porque é ilegal e a consciência não deixa. Aí os vovós cuidam do netinho e os filhos voltam pra gandaia, fazer o mesmo, repetindo o ciclo de pobreza. Vê se alguém fala em controle de natalidade! Nem nisto! hahaha. não tem controle de nada, exceto do dízimo.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • R

      Risada Apertada

      ± 1 dias

      O maior entrave à legalização do aborto é a igreja evangélica, que tem interesses pecuniários. Basta olhar quantos filhos um evangélico tem. Se a moda pega, perdem o dízimo. A luta é bem simples: quanto mais gente, mais dinheiro. A "defesa" do feto é para depois este sustentar a igreja com o dízimo. O que tem de crente que se pudesse faria o aborto. Filho de crente fica largado na rua, descalço.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.