i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

É preciso confiar nos adolescentes

  • PorGazeta do Povo
  • 24/01/2020 16:30
É preciso confiar nos adolescentes
| Foto: brunopp/Free Images

A gravidez na adolescência continua a ser uma mazela social que afeta especialmente as brasileiras – a média nacional, de 68,4 bebês nascidos para cada mil adolescentes de 15 a 19 anos, é maior que a média latino-americana (65,5) e mundial (46), segundo dados de 2018 da Organização Mundial da Saúde. Uma gestação nesta idade altera totalmente as perspectivas de vida das jovens, especialmente as mais pobres, sem falar dos riscos para a saúde das próprias gestantes e da possibilidade maior de as crianças crescerem em famílias desagregadas, com todas as consequências socioeconômicas que isso traz. Encontrar meios de evitar a gravidez na adolescência é política pública importante, mas, quando o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos anunciou que incluiria entre suas estratégias a promoção da abstinência sexual, tornou-se alvo imediato de uma série de ataques nada razoáveis, motivados, muitas vezes, por puro preconceito antirreligioso contra tudo o que venha da ministra Damares Alves, evangélica, ou por convicções ideológicas a respeito das escolhas dos adolescentes.

Por que tanta celeuma quando se fala da incentivar os adolescentes a adiar o início da vida sexual? Do ponto de vista puramente lógico, a eficácia da abstinência é incontestável. Não é preciso ser nenhum gênio da biologia para entender que, sem relação sexual, não pode haver gravidez. Nem mesmo os maiores opositores da política defendida por Damares tentam argumentar contra essa verdade óbvia, preferindo apenas ignorá-la e direcionar o debate para outros pontos. Os críticos apontam para outras questões: faz sentido promover a abstinência na sociedade atual? Para uns, trata-se de estratégia que, mesmo desejável, simplesmente não funciona. Outros vão além e afirmam ser absurdo falar de abstinência, pois os adolescentes teriam todo o direito de fazer o que bem desejarem com sua sexualidade e incentivá-los a adiar a vida sexual seria uma forma de “repressão”, argumento que pode vir acompanhado do questionamento sobre o fato de o Estado estar fazendo uma “opção moral” ao decidir incentivar determinado comportamento.

É uma falácia considerar que a simples redução de danos é moralmente neutra, enquanto outras propostas são “ideológicas”; ambas são igualmente fruto de concepções morais

Que existe atualmente uma hipererotização dos adolescentes parece estar fora de dúvida, e para vários dos críticos da proposta de Damares isso nem mesmo chega a ser um problema. Nisso, não fazem mais que seguir os mentores intelectuais do Maio de 1968, que chegaram a pedir, em 1977, a legalização de todas as relações sexuais entre adultos e adolescentes abaixo de 15 anos na França. Filósofos como Michel Foucault, Jean-Paul Sartre, Simone de Beauvoir, Jacques Derrida, Gilles Deleuze e Roland Barthes argumentavam que mesmo pré-adolescentes deveriam ter o direito de fazer sexo com quem quisessem. O debate tinha como objetivo legalizar a pedofilia no país, mas para isso o caminho adotado pelos filósofos (a maioria deles de esquerda) foi tornar as crianças e adolescentes “sujeitos sexuais” em nada diferentes dos adultos, com direito a buscar a felicidade e a realização por meio da liberação sexual.

O ambiente cultural atual, que vai de sutis produtos de entretenimento direcionados aos adolescentes até o sexo explícito das letras dos bailes funk (gênero que vários políticos querem transformar em patrimônio cultural), pode não ter o refinamento intelectual dos filósofos franceses, mas parte do mesmo ponto. A mensagem é basicamente idêntica: ser sexualmente ativo é uma escolha livre de qualquer adolescente, algo trivial, benéfico e libertador. Na verdade, o estranho, o incomum, o bizarro, seria não fazer essa escolha.

Ora, quando os críticos do incentivo à abstinência acusam o Estado de estar usando posições morais como embasamento para políticas públicas, ignoram (ou pretendem ignorar) que todo o exposto acima também manifesta uma avaliação moral a respeito da atividade sexual. Se um governo prioriza a oferta indiscriminada de preservativos, pílulas e DIUs a adolescentes, baseando nisso suas políticas de enfrentamento à gravidez precoce e às doenças sexualmente transmissíveis, também envia uma mensagem de cunho moral: a de que não há nada de problemático na atividade sexual durante a adolescência, desde que daí não resulte uma gravidez ou uma doença. E, se esta avaliação moral pretende ser vista como legítima, também o deve ser a posição que defende o adiamento do início da vida sexual, baseada em uma série de considerações filosóficas, antropológicas, médicas e psicológicas. É uma falácia considerar que a simples redução de danos é moralmente neutra, enquanto outras propostas são “ideológicas”; ambas são igualmente fruto de concepções morais, e por isso não se pode rechaçar de antemão a promoção da abstinência com base em uma suposta “neutralidade moral” do Estado. Além disso, as duas políticas são meramente propositivas, não impositivas: trata-se de sugerir comportamentos, não de impô-los. A liberdade dos jovens continua preservada para que façam o que julguem ser melhor para si mesmos.

Por fim, resta o argumento da ineficácia do incentivo ao adiamento da vida sexual. Se o ambiente atual praticamente empurra o adolescente para a atividade sexual precoce, isso quando não o ameaça com o ostracismo social caso não siga a tendência da turma, não há como resistir a essa onda erotizante, afirma-se. Os jovens invevitavelmente se tornarão sexualmente ativos e a sociedade não tem nada mais a fazer a não ser encher suas mãos de contraceptivos para que não engravidem ou não adoeçam. Esse raciocínio esconde dois equívocos graves, o primeiro deles a respeito da própria natureza do jovem.

Os adolescentes e os jovens, com seu característico idealismo, anseiam por grandes ideais e os abraçam quando são expostos a eles

Quem critica a defesa da abstinência afirmando que ela “não funciona” trata o jovem como um ser incapaz de ter vontade própria, cegamente obediente aos instintos, não muito mais que um animal reprodutor. Em tempos nos quais “empoderamento” virou uma palavra mágica, nega-se a possibilidade de o adolescente empoderar-se dizendo “não” ao impulso erotizante. Mas isso está muito longe da verdade. Os adolescentes e os jovens, com seu característico idealismo, anseiam por grandes ideais e os abraçam quando são expostos a eles. O respeito pelo parceiro e a compreensão de que o sexo, como expressão fundamental do amor humano entre homem e mulher, exige maturidade não são um idioma incompreensível ao jovem de hoje. Uma vivência sadia da sexualidade, no momento certo, é uma proposta que os adolescentes têm o direito de ouvir, ao contrário do que argumentam aqueles para os quais os jovens não passam de máquinas sexuais sem capacidade de pensar por conta própria.

Além disso, o sucesso de movimentos que usam o slogan “escolhi esperar” e os indicadores de países que adotaram a promoção da abstinência – normalmente, como estratégia contra a epidemia de Aids – mostram justamente o contrário do que dizem os críticos. Isso é tão evidente que só mesmo a cegueira ideológica explica a insistência daqueles que se recusam a enxergar os resultados. O médico Raphael Câmara expôs, em artigo recente nesta Gazeta do Povo, alguns dos estudos sobre o tema, mostrando que os benefícios do incentivo à abstinência já são verificados pela literatura científica. Da mesma forma, a longa experiência do pesquisador Edward Green, da Universidade de Harvard, narrada pelo colunista da Gazeta Flávio Gordon, mostra como iniciativas africanas tiveram enorme sucesso e só começaram a falhar quando a promoção da abstinência voltou a ser negligenciada.

Tanto o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos quanto o Ministério da Saúde já adiantaram que a promoção da abstinência virá como estratégia complementar. Os adolescentes continuarão tendo à disposição os métodos contraceptivos atualmente oferecidos pela rede pública, caso optem por ter relações sexuais. A diferença é que, em vez de serem meros objetos de políticas de redução de danos, agora eles serão tratados também como sujeitos pensantes: ouvirão que há uma alternativa à mera rendição ao ambiente hipersexualizado, e que são capazes de escolher resistir a ele – uma opção que não pode ser negada aos jovens brasileiros.

22 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 22 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • M

    Manoel penha

    ± 3 dias

    Texto muito bem.escrito. Esclareceu bem um tema que recebe da mídia sempre uma parcialidade.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    ESTELAMARIS ARRIELLO SANTANA

    ± 3 dias

    Adorei a matéria. A Gazeta do Povo de uma forma clara e objetiva, teve a coragem de esclarecer, sem demagogia ou ideologia , um tema delicado. Parabéns .

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    marcelo

    ± 4 dias

    Campanha do PT: FOME zero Campanha do Bozo: **** zero

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Marcia

    ± 5 dias

    Quando era adolescente fazia tratamento para síndrome de ovário polcístico. O ginecologista que me tratava ficava puto e xingava essas políticas de distribuição de preservativos pra adolescentes. Ele dizia que incentivavam o sexo precoce e depois ele é que tinha que consertar as "merdas" de gravidez precoce e doenças.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • M

      Marcia

      ± 5 dias

      Ele dizia que sexo tem que ser feito com responsabilidade e relatava as consequências desastrosas para saúde do sexo inconsequente. Nunca esqueci. E acabei iniciando a vida sexual mais tarde. Nunca me arrependi.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    MARCOS VELOSO PEREIRA

    ± 6 dias

    Excelente. Concordo e vou divulgar.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • I

    Ivo

    ± 6 dias

    A ixkerda pra variar quer mesmo é comer crianças.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • W

    Willy Rossi Dierkes

    ± 6 dias

    Editorial impecável, nada a acrescentar.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Alexander

    ± 6 dias

    Confunde-se liberdade com libertinagem. Costumo dizer que a verdadeira liberdade não é dizer sim pra tudo e fazer o que quer, mas sim ter o poder de dizer não e fazer o que é certo. Isso exige raciocínio e responsabilidade, algo que infelizmente está em falta nos nossos dias.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    2 Respostas
    • V

      Vitor Chvidchenko

      ± 5 dias

      Marcos, distinguimos o certo do errado pelas consequências dos nossos atos. Quem tem um mínimo de inteligência sabe aprender com seus erros e evita repetir atos que trouxeram consequências prejudiciais para si ou para os outros. Mas para você, é claro, nada disso importa. Sua cartilha é a do "eu faço o que quero e f**-se o mundo", "dane-se se estou prejudicando a mim ou a outro". Quando você sair da adolescência (ou infância) e entrar na idade adulta, aí quem sabe você começa a entender alguma coisa sobre ética e moral (palavras que parecem inexistir no seu vocabulário).

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • M

      Marcos Chatinho

      ± 6 dias

      certo... errado.... huuummm resta saber quem dita o certo ou o errado. A partir do momento que a pessoa decide o que é o certo ou o errado, passa a ser o errado, porque confita. O povo do Brasil descobriu nos últimos anos que o irmão, o pai, o filho, o vizinho do andar de cima ou da casa ao lado, pensa diferente. Aí se surpreende e se incomoda com isto. Ter liberdade e ser diferente incomoda. É por isto que o Brasil virou esta barulheira infernal. E vai continuar assim porque as massas estão insistindo que os outros tem que andar na cartilha tal.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • G

    Guilherme Gonçalves

    ± 6 dias

    A opção pela orientação também pela abstinência é válida, desde que a adoção dessa política pública, complementar as demais, não seja fundamentada num ultrapassado e misógino discuto religioso moralista, sob pena de violação da garantia constitucional do Estado laico. A questão, aqui, não é o que aparece, mas o que se esconde; por trás desse discurso que atribui à esquerda todos os males do mundo, há o evidente ranço ideológico ultraconservador da direção da Gazeta, cujo sonho é criar Madrágoras católicas fundamentalistas, e colocar um cilício em cada jovem, para evitar que se imiscuam nessa “sujeira do sexo”....

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    Diogo

    ± 6 dias

    Só são contra abstinência sexual na infância e adolescência os depravados morais e os pais que não tem filhos crianças e adolescentes! Simples assim

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    Daniel Marcolino da Silva

    ± 6 dias

    Não costumo comentar, mas já comentando. Esse tipo de política seria uma forma do Estado estar se metendo em assunto da família e, portanto, uma atitude contra os princípios do liberalismo e conservadorismo? Pergunta sincera.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    2 Respostas
    • A

      Alexander

      ± 6 dias

      Acho que não Daniel. É só um complemento, dar aos jovens mais uma opção e fazê-los pensar. Cada um decide o que fazer. Abs.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • L

      LUIZ HENRIQUE SOARES RODRIGUES

      ± 6 dias

      É questao de saúde pública, se todo jovem sair fazendo filho quem paga os partos? E os pre-natais? Vagas nas creches? Vagas nas escolas? Vagas de emprego? Como o Estado vai garantir a quem está vindo um futuro decente se ele não consegue estrutura para acomodar as pessoas na atualidade? Recursos, empregos e etc crescem em uma curva aritmetica, já o crescimento populacional vem em uma curva exponencial.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • Z

    Zzz

    ± 6 dias

    Fui mãe adolescente, e já aplico essa " opção pela abstinência" a muito tempo com meus filhos. Eu sabia que podia engravidar, mas " comigo não acontecia". Abstinência na adolescencia por uma vida melhor, não por moralismo. Eu pergunto pra eles, se estão preparados para o caso de falha da camisinha ou pílula? Se estão, a decisão é deles. Se não estão, como fica pessoal da esquerda?? Eles viram vítimas sociais?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • M

      Marcos Chatinho

      ± 5 dias

      O Brasil chegou numa situação trágica, na qual tudo se atribuiu a esquerda. Seria verdade se a esquerda tivesse ampla maioria no Congresso Nacional. Não tinha! Tudo se resume em política, direita e esquerda, Bolsonaro e Lula. Somos um povo patético, que em 2018 elegeu um ze ninguem travestido de dourado, igual foi o Lula.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Carlinhos

    ± 6 dias

    "Não é preciso ser nenhum gênio da biologia para entender que, sem relação sexual, não pode haver gravidez" ????????????????????????????????????????????????????????????????????

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    Erica Ornellas

    ± 6 dias

    Excelente editorial

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • P

    Pedro Izauro Grein

    ± 6 dias

    Não seria melhor: Orientar? Pôr exemplo: - Sabe quanto custa uma pensão até a brincadeira sair da Universidade?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Marcelo Loeser

    ± 7 dias

    Muito bom. Espetacular

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.