i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

As prioridades para 2020

  • PorGazeta do Povo
  • 05/01/2020 18:00
O que Bolsonaro fez na política em 2019
Jair Bolsonaro cumprimenta o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, observado pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia.| Foto: Marcos Corrêa/Presidência da República

A transformação que o governo de Jair Bolsonaro se propôs a fazer no Brasil não ocorre de um instante para o outro. Não se trata apenas de consertar o enorme estrago causado pelo lulopetismo ao longo de 13 anos, mas de mudar concepções que foram construídas ao longo de décadas a respeito do Estado brasileiro, seu tamanho e seu papel. Entre os objetivos que o país precisa perseguir estão colocar a iniciativa privada no papel de protagonista do desenvolvimento econômico; confiar no empreendedor em vez de enxergá-lo como explorador e mal-intencionado até prova em contrário; regulamentar apenas o estritamente necessário; enxugar a inchada máquina pública; eliminar distorções e fontes de desigualdade; equilibrar o gasto público de forma duradoura e sustentável.

Bolsonaro aproveitou o embalo das dezenas de milhões de votos para, logo em seu primeiro ano de mandato, dar um enorme passo com uma reforma tão necessária quanto impopular, a da Previdência. A batalha durou um ano, a proposta foi desidratada no Congresso Nacional, mas boa parte daquilo que era essencial à reforma – como a instituição de idades mínimas e regras mais igualitárias para todos os brasileiros, seja do setor público ou privado – foi mantida. Alguns pontos seguem em discussão, como a inclusão dos funcionalismos estaduais e municipais; outros foram descartados completamente, como o regime de capitalização, mas terão de voltar à pauta mais cedo ou mais tarde. Além disso, o governo deu passos importantes na frente da desregulamentação, especialmente com a Lei de Liberdade Econômica, e avançou nas privatizações e concessões.

Vencida a enorme batalha da Previdência, é hora de continuar avançando, e em 2020 já não será preciso escolher uma única reforma na qual apostar todas as fichas. Há espaço para que cheguemos ao fim deste ano com outras grandes mudanças devidamente aprovadas: a reforma tributária, a reforma administrativa e as PECs do plano Mais Brasil – a do Pacto Federativo, a Emergencial e a dos Fundos Públicos.

Em 2020 já não será preciso escolher uma única reforma na qual apostar todas as fichas

Deste trio, a reforma tributária é a que parece mais encaminhada até o momento, até porque há um grande consenso nacional sobre a necessidade de alterar o enorme emaranhado tributário brasileiro, que consome tempo e esforços do empreendedor para compreender e, depois, cumprir as obrigações com o Fisco – tempo e esforços que seriam muito melhor empregados na atividade à qual a empresa se destina. Há duas propostas formalmente apresentadas no Congresso: as PECs 45/2019, na Câmara, e 110/2019, no Senado; a equipe econômica do governo preferiu não apresentar projeto próprio, mas também tem suas ideias e espera emplacá-las durante os trabalhos da comissão especial criada para redigir um texto único, que harmonize tudo o que tem sido proposto até agora.

Qualquer que seja o resultado final, ele ficará aquém de uma reforma tributária realmente digna do nome, pois não deve aliviar a carga que o governo retira de indivíduos e empresas, e nem inverterá nosso sistema, que tributa mais a produção e o consumo que a renda e o patrimônio. Esta configuração atual prejudica os mais pobres, que pagam em impostos uma proporção maior de seus ganhos na comparação com os mais ricos, e nada indica que caminharemos rumo a uma verdadeira justiça tributária. Mesmo assim, a simplificação proposta já é um enorme avanço, bem como a intenção de redistribuir melhor os recursos arrecadados entre União, estados e municípios, combatendo a hipercentralização atual que concentra recursos em Brasília, longe dos cidadãos que necessitam dos serviços públicos.

Também as três PECs do Mais Brasil já estão no Congresso – todas elas foram remetidas à Comissão de Constituição e Justiça do Senado em novembro de 2019, e há senadores que esperam ver os três textos aprovados ainda no primeiro semestre deste ano. Os textos, em conjunto, prometem uma reformulação geral na maneira como o poder público gasta os recursos tirados de cidadãos e empresas – hoje, essa despesa é em boa parte autocentrada: o Estado arrecada simplesmente para manter a própria estrutura administrativa, sobrando pouco para a oferta real de serviços aos brasileiros. Além disso, o orçamento dos entes federativos é afetado por uma série de vinculações, indexações, fundos e renúncias fiscais que engessam os gastos, muitas vezes incrementados de forma obrigatória mesmo na ausência de arrecadação que os sustente, enquanto outros recursos ficam parados. As PECs se propõem a reverter este quadro, acabar com a visão do Estado como um fim em si mesmo e impor de vez a responsabilidade fiscal como norma para todos os gestores.

Por fim, há a reforma administrativa, que Bolsonaro deixou para enviar ao Congresso este ano e que reformula a estrutura do Estado e o serviço público – um tema sensível, já que muitos parlamentares que têm no funcionalismo sua base eleitoral podem não querer se indispor com eleitores caso disputem prefeituras em outubro ou desejem apoiar outros candidatos. Mas a reforma é necessária: já não há mais como manter o serviço público como fonte de desigualdade – fato atestado pelo Ipea – ao pagar salários muito superiores à média do setor privado para as mesmas funções, ter regras de reajuste desvinculadas da realidade fiscal e apresentar inúmeras dificuldades para se avaliar o desempenho de servidores.

Se governo e Congresso conseguirem aprovar este tripé de reformas em 2020, ou pelo menos deixarem encaminhado para 2021 um ou outro ponto que o cenário eleitoral torne mais complicado, o país dará um passo tão importante quando o que deu no ano passado com a reforma da Previdência. Neste meio tempo, que o programa de privatizações e concessões continue avançando, e que venham novas medidas microeconômicas de desregulamentação e desburocratização, para que o ambiente de negócios possa se beneficiar dos bons indicadores atuais, acelerando a geração de empregos.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 4 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • J

    José Adeildo Nicolau da Costa

    ± 55 minutos

    Excelente

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • I

    Indignado

    ± 2 horas

    A FOTO já demonstra o “DOIS CONTRA UM”. Isso merece uma REFLEXÃO: Sugiro aos mais de 57 milhões de eleitores que pediram por mudanças, guardem os nomes daqueles que "SÃO CONTRA AS AÇÕES DO GOVERNO". Dê a demonstração que eles merecem nas urnas, tanto nas "ELEIÇÕES DE 2020", com os candidatos a Prefeitos e Vereadores, que eles vierem a apoiar, bem como nas "ELEIÇÕES DE 2022", quando tentarão a reeleição. É nesse momento "DO VOTO" que estaremos no comando dos destinos do País. VAMOS DAR UM BASTA NISSO. Acorda Brasil !

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • W

    Wilbur Archibald III

    ± 5 horas

    É ferro na boneca!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • T

    tamotsu kashino

    ± 12 horas

    Existem porem, para que Bolsonaro consiga todos estes projetos de reformas, adiministrativos, aconomicas ou tributarios devem resolver assunto polemicos que é reformulação do STF, sem este , o ano de 2020 será apenas repeticão da toda bagunsa politica que passamos, dificilmente haverá avanços nas privatizações, e das muitas reformas, existe no Senado movimentos para CPI do lava toga e impechiment de alguns minitros petistas, Bolsonaro deve levar em avante estes processos contra STF no Senado com a maxima de prioridade.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.