i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

O teto e a fundação

  • PorGazeta do Povo
  • 13/08/2020 18:00
Com pronunciamento conjunto em defesa do teto de gastos, Bolsonaro breca movimento "fura-teto"
Com pronunciamento conjunto em defesa do teto de gastos, Bolsonaro breca movimento “fura-teto” no governo.| Foto: Carolina Antunes/Presidência da República

Para efeitos de ajuste fiscal, 2020 já estava dado como perdido desde que os efeitos econômicos das medidas de combate à Covid-19 se mostraram em toda a sua intensidade, levando governo e Congresso a concordar que era preciso gastar o quanto fosse necessário para atenuar a quebradeira de negócios e o aumento do desemprego e da pobreza. Foram criadas diversas despesas, seja na forma de repasse direto, como o auxílio emergencial, seja indiretamente, como a contrapartida do Tesouro para aqueles que tiveram seus salários reduzidos ou contratos de trabalho suspensos. Outras medidas, infelizmente, não tiveram a mesma eficácia, caso do crédito específico para bancar a folha de pagamento, represado nos bancos. Tudo isso terá um custo na casa das centenas de bilhões de reais, ampliando o já habitual déficit primário brasileiro.

Há quem queira ver a gastança sem limites fazendo parte do chamado “novo normal”, uma vez vencida a pandemia. E para isso o alvo mais óbvio é o teto de gastos, a primeira reforma econômica importante realizada no Brasil após o colapso que o lulopetismo legou ao país, e que impede o governo de aumentar suas despesas totais em ritmo superior ao da inflação de um ano para outro. E os “fura-teto” não se encontram apenas na esquerda; eles também estão dentro do próprio governo, eleito com uma pauta liberal de enxugamento do Estado, mas que abriga uma ala dita “desenvolvimentista”, que ainda prioriza o gasto estatal como motor da economia. Era a eles que o ministro da Economia, Paulo Guedes, se referiu na terça-feira, dia 11, quando disse que “os conselheiros do presidente que estão aconselhando a pular a cerca e furar teto vão levar o presidente para uma zona sombria, uma zona de impeachment, de irresponsabilidade fiscal”.

Ao conter a expansão desenfreada da despesa governamental, o teto de gastos também serve como uma fundação sobre a qual será possível erguer um edifício sólido de reformas do Estado brasileiro

O embate entre os reformistas liberais e os defensores do gasto público já rendeu diversos episódios, dos quais o mais ruidoso foi o lançamento do Pró-Brasil. E, se de um lado há Paulo Guedes, do outro também há ministros que se destacam por um bom trabalho, como Tarcísio de Freitas, da Infraestrutura. Como em tantos outros casos ocorridos neste governo envolvendo outros ministros importantes e talentosos, também aqui, no fim das contas, o que vai prevalecer é a vontade de Jair Bolsonaro. A saída de dois importantes secretários da equipe de Guedes foi um péssimo sinal, apontando para uma perda de fôlego e de prestígio do reformismo e da responsabilidade fiscal. Em seu texto de despedida, Salim Mattar, até então responsável pelas privatizações, deixou claro que a estrutura do Estado não quer ser reformada nem enxugada. Bolsonaro se elegeu prometendo reformar e enxugar e colocou na Economia uma equipe disposta a isso; mas também foi o presidente quem escolheu e mantém na Esplanada a ala militar e os “desenvolvimentistas”. Que lado ele irá escolher?

Com as suspeitas crescentes no mercado financeiro sobre o futuro da pauta liberal, Bolsonaro se apressou em tentar acalmar investidores. Publicou mensagem nas mídias sociais após a saída dos secretários Mattar e Paulo Uebel, e no fim da tarde de quarta-feira, dia 12, fez pronunciamento ao lado de vários ministros e dos presidentes da Câmara e do Senado. “Nós respeitamos o teto dos gastos, queremos a responsabilidade fiscal, e o Brasil tem como realmente ser um daqueles países que melhor reagirá à questão da crise”, afirmou. Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Davi Alcolumbre (DEM-AP) foram no mesmo tom, repetindo o que já haviam dito em outras ocasiões.

Mas, como acabamos de afirmar neste espaço, apenas palavras não bastarão em um momento crucial para o futuro econômico do país. O que Bolsonaro diz agora tem de ser respaldado por ações concretas. O governo enviará em breve sua proposta orçamentária para 2021, e será preciso observar não apenas a peça inicial, mas como o Planalto conduzirá as discussões no Congresso e se fará concessões à gastança durante a tramitação. Infelizmente, outra ação que mostraria o compromisso de Bolsonaro com a agenda liberal, a reforma administrativa, deve mesmo ficar para o ano que vem, apesar de Maia ter afirmado que a colocaria para andar na Câmara caso recebesse o texto ainda neste ano. Outro item que só será retomado em 2021 é o programa de privatizações, que terá de recuperar muito tempo perdido.

Parece evidente que as pretensões de Bolsonaro em 2022 também serão levadas em conta nesta escolha entre a austeridade e a gastança. O aumento de popularidade que o presidente vem colhendo como resultado de algumas políticas de combate aos efeitos da pandemia baseadas na expansão da despesa soa tentador. Mas até mesmo o cálculo puramente eleitoral recomendaria o lado da responsabilidade fiscal. Sem ela, não haverá retomada em “V” como afirma Paulo Guedes – na verdade, talvez não haja retomada alguma, já que a falta de confiança na capacidade brasileira de realizar as reformas vai afastar completamente o investidor, disparando mais uma vez o ciclo de mazelas econômicas que o país viveu no segundo mandato de Dilma e que estava quase superado quando veio o coronavírus. Que dividendo eleitoral Bolsonaro espera ter se em 2022 o país estiver se arrastando graças à mesma irresponsabilidade que o petismo trouxe ao Brasil e que era repudiada por boa parte dos que elegeram o presidente em 2018?

Que Bolsonaro não se engane, nem se deixe enganar pelo canto de sereia de quem deseja abandonar o teto de gastos, seja mudando explicitamente a regra, seja burlando-a. Ao conter a expansão desenfreada da despesa governamental, o teto também serve como uma fundação sobre a qual será possível erguer um edifício sólido de reformas do Estado brasileiro, mais enxuto, mais eficiente, mais confiável, que sirva ao país e não a si mesmo.

9 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 9 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • R

    Ricardo Amaral

    ± 21 horas

    Sobre os "fura teto",o ex-ministro da Fazenda Nelson Barbosa escreveu um texto no mínimo risível e vergonhoso sobre isso na Folha esta semana. E o sujeito é professor da UnB e da FGV...brincadeira...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    Eduardo Fernandes Quadra

    ± 2 dias

    UMA REFORMA ADMINISTRATIVA QUE CORRIJA PRIVILÉGIOS CORPORATIVOS SERÁ MAL ACOLHIDA NO CONGRESSO EM ANO PRÉ ELEITORAL, DAÍ A NECESSIDADE DELA SER URGENTEMENTE DEBATIDA, NO ATUAL CONTEXTO POLÍTICO/ECONÔMICO ELA FICA BEM MAIS PALATÁVEL.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Mauricio Conde

    ± 3 dias

    Bom texto.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • B

    Bernardo Andrade

    ± 3 dias

    Ótimo editorial. Reforma administrativa radical incluindo elite do funcionalismo e universidades federais JÁ!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    Freitas

    ± 3 dias

    Já temos uma dívida quase impagável pelos gastos na pandemia e os gastos para a reeleição nos levarão direto para o buraco. Vamos ter os piores anos da nossa história econômica.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Lex Aleksandre

    ± 3 dias

    Bolsonaro trilhará o mesmo caminho dos governos petistas pra tentar se reeleger e acabará perdendo Paulo Guedes também. Esse governo de novo não tem nada.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    Jonas de Almeida Federighi Jr

    ± 3 dias

    Como assinante peço a liberação do editorial de interesse público, Parabéns.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Cético

    ± 3 dias

    A medida mais eficaz para permitir ao país crescer tanto econômica, quanto socialmente, depende exclusivamente do brasileiro. Não depende desse ou daquele político, e essa medida é o voto consciente no sentido de acabar de vez com a reeleição. É isso que impede o enxugamento do Estado.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • F

      Freitas

      ± 3 dias

      Voto consciente? Concordo plenamente, mas palavras não são suficientes. Como votar em um bom político se a Política é reduto de bandidos e corruptos? Tenho quase certeza de que uns 99% dos que estão no Congresso merecem ir para a cadeia.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.