i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

O futuro do projeto europeu

  • PorGazeta do Povo
  • 02/06/2019 00:01
Líder do Partido Brexit, Nigel Farage, em frente a um local de votação das eleições para o Parlamento Europeu, no Reino Unido
O líder do Partido Brexit, Nigel Farage, em frente a um local de votação das eleições para o Parlamento Europeu, no Reino Unido| Foto: Ben Stansall/AFP

As eleições para o Parlamento Europeu, realizadas no dia 26 de maio, não resultaram em um triunfo dos eurocéticos populistas, como se previa – e, dependendo do analista, como se temia –, mas as forças políticas que pedem uma Europa mais descentralizada, com mais autonomia para os países-membros, ganharam espaço suficiente para serem uma força que precisará ser ouvida nos próximos anos. O apoio que esses partidos têm recebido em diversas nações europeias, inclusive nas mais fortes dentro do bloco, pede uma reflexão despida de estereótipos a respeito de eleitores e eleitos.

Os eurocéticos foram os campeões de votos em três potências europeias. Na França, a Reunião Nacional, de Marine Le Pen, conquistou 23 das 79 cadeiras destinadas ao país – o mesmo número dos centristas, mas a RN foi ligeiramente mais votada. Na Itália, a Liga, do vice-primeiro-ministro Matteo Salvini, obteve 29 das 76 cadeiras, e o Movimento Cinco Estrelas, outras 14. No Reino Unido, cujo desligamento da UE se tornou uma novela infindável, o recém-criado Partido do Brexit, liderado por Nigel Farage, conseguiu 29 dos 73 postos em disputa. Partidos nacionalistas, mas que no Parlamento Europeu não se alinham automaticamente a outros eurocéticos, como o polonês PiS e o húngaro Fidesz, levaram a maioria absoluta das cadeiras destinadas a seus respectivos países. Outro resultado relevante ocorreu na Alemanha, onde o partido Alternativa para a Alemanha (AfD) subiu de 4 para 11 deputados.

Em vez da subsidiariedade desejada pelos pais do projeto europeu, tem ocorrido um movimento de hipercentralização

Somadas, as três grandes alianças de partidos nacionalistas e eurocéticos elegeram 128 eurodeputados em um total de 751, tornando-se a terceira força dentro do Parlamento Europeu – ou a segunda, se também forem considerados políticos do mesmo perfil espalhados por outros grupos. Essas alianças não deverão integrar a coalizão majoritária, já que bastaria aos dois maiores blocos pró-europeus se unirem aos Verdes para manter a maioria dentro da casa legislativa, mas ganharam força para que seus pleitos sejam ao menos considerados.

O fenômeno do populismo e do euroceticismo, ao contrário do que um retrato precipitado mostra, não é movido por um ódio puro e simples aos imigrantes que, mais recentemente, têm buscado refúgio na Europa, escapando de infernos como a Líbia, a Síria e o Iêmen. O racismo e a xenofobia são reais, mas o que está por trás de boa parte da resistência ao projeto europeu é uma sensação mais ampla, de que o ideal que guiou personalidades como Robert Schuman, Alcide de Gasperi e Konrad Adenauer se perdeu. A ideia original deles e de outros líderes era a de uma cooperação europeia alargada, para superar as divisões que haviam levado o continente a duas grandes guerras em menos de 50 anos; uma cooperação baseada principalmente na subsidiariedade – presente, por exemplo, no Tratado de Maastricht, de 1992, que estabeleceu a UE em substituição à Comunidade Econômica Europeia – e no respeito às autonomias nacionais.

Leia também: Qual União Europeia? (artigo de Rodolfo Canônico, publicado em 2 de julho de 2016)

Leia também: A política de blocos e seus dilemas (artigo de Jorge Fontoura, publicado em 31 de maio de 2019)

Leia também: Um vácuo global de líderes (editorial de 14 de janeiro de 2019)

O que tem ocorrido, no entanto, é um movimento de hipercentralização, em que poderes antes delegados aos países-membros são paulatinamente deslocados para a administração central da UE em Bruxelas. Ali, uma burocracia nem sempre eleita pelos cidadãos europeus tem incrementado regulações que, muitas vezes, ignoram realidades locais e sufocam especialmente pequenos empresários e produtores agrícolas. Além disso, essa mesma burocracia, em nome de convicções multiculturalistas, também tem procurado impor valores estranhos ao ethos de vários dos países-membros. A questão migratória, por esse prisma, é apenas a gota d’água que despertou uma reação daqueles para quem Bruxelas estava indo longe demais, especialmente quando se trata de grupos que recusam a assimilação em sua nova casa.

Como os partidos nacionalistas e eurocéticos usarão o prestígio conquistado recentemente ainda é uma incógnita. Se preferirem a retórica explosiva e as estratégias de terra arrasada, eles podem implodir o projeto europeu por dentro, com consequências imprevisíveis, a exemplo do que já vem ocorrendo com o Brexit. Ou podem trabalhar para aperfeiçoar este mesmo projeto, devolvendo-o às suas origens, de colaboração entre os membros com respeito às autonomias e culturas de cada nação, restringindo ímpetos hiper-regulatórios e multiculturalistas, um cenário em que o continente só tem a ganhar.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.