i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

Investir e exportar para crescer

  • PorGazeta do Povo
  • 28/09/2020 23:37
Movimentação no Porto de Paranaguá.
Movimentação no Porto de Paranaguá.| Foto: ANPr

Já indo para o fim de 2020, o Brasil se vê diante de um desafio histórico, essencial para definir o futuro de seus 212 milhões de habitantes, e começar o primeiro ano da terceira década do século com disposição política para aproveitar cada um dos próximos dez anos e fechar a terceira década com renda por habitante pelo menos 40% maior que o valor atual. Embora com variações conforme a metodologia de cálculo e a taxa de câmbio adotada, estima-se que a renda por habitante ao fim deste ano, medida pela paridade de poder de compra do dólar, está em US$ 16,3 mil conforme levantamento da revista Conjuntura Econômica de janeiro de 2020. Em termos comparativos, a renda per capita brasileira equivale a um quinto da norte-americana, o que dá uma noção da distância de padrão médio de bem-estar social entre os dois países.

A realidade brasileira, com seus níveis de miséria e pobreza, justifica a tese de que é prioritário buscar crescimento sustentável ano a ano em porcentuais acima da taxa do aumento populacional. Se tivermos êxito, é possível sonhar com aumento real da renda por pessoa em torno de 40% até o fim da década, em 2030, e acreditar na superação total da miséria e redução substancial dos índices de pobreza. Em resumo, a meta primeira é: o PIB tem de crescer, inclusive para superar o alto desemprego que foi agravado pela pandemia do coronavírus e fez de 2020 um dos piores anos de toda a história econômica brasileira.

Nos últimos anos, o Brasil vem investindo em torno de 15% do PIB, o que é muito pouco, tanto em termos porcentuais quanto em valores absolutos

Assim, o desafio em termos de gestão da economia nacional é saber como obter crescimento econômico nesta terceira década, inclusive para reduzir o grave desemprego, pois somente o crescimento cria empregos. Embora existam várias medidas capazes de contribuir com a expansão do Produto Interno Bruto (PIB), o crescimento econômico brasileiro passa por duas vias: investir e exportar. Quanto ao efeito expansionista, sobretudo na expansão e modernização da infraestrutura física, não há muita dúvida sobre a eficácia dos investimentos. Nos últimos anos, o Brasil vem investindo em torno de 15% do PIB, o que é muito pouco, tanto em termos porcentuais quanto em valores absolutos. O país necessita apressar os investimentos por eles serem essenciais para criar a base sobre a qual seja possível aumentar o PIB, e o esforço deve ser o de elevar para pelo menos 20% do PIB a taxa de investimento nos próximos dez anos, o que viabilizaria o crescimento do PIB de 4% ou 5% ao ano.

A outra via para crescer é aumentar expressivamente as exportações. No contexto do comércio exterior, o Brasil é inexpressivo. Tendo o oitavo PIB mundial e a sexta população, as exportações brasileiras significam apenas 1,2% do total mundial, equivalente à posição 24 no ranking global de exportação. Obter elevado crescimento do PIB e expressivo aumento das exportações são duas variáveis correlacionadas e uma alimenta a outra. Nesse aspecto, é importante a adoção de políticas que levem ao aumento do processamento interno de matérias-primas para que o país passe a exportar produtos acabados com maior valor agregado. Em outras palavras, em vez de exportar produtos primários, deve ser feito esforço de transformá-los na indústria nacional e exportar os produtos prontos para consumo, com maior valor agregado derivado da atividade industrial de transformação, o que implica a desejada geração de emprego e renda dentro do país.

Em economia, há uma expressão chamada “termos de trocas”, que é a relação física e monetária entre os produtos exportados e os produtos importados. Quando o Brasil começou a abrir sua economia para o exterior nos anos 1990, o preço de um computador pessoal portátil chegava a US$ 3,4 mil, enquanto a exportação de uma tonelada de soja era feita ao preço de US$ 200, ou seja, a relação de troca nessa operação era de 17 toneladas por um notebook. Quem examinasse a economia pelo lado material podia facilmente ser iludido pelo tamanho do volume físico da soja, da área de terras e da logística envolvidos na produção de 17 toneladas de soja. Esse conjunto de fatores e sua grandeza física pareciam imensamente maiores e mais relevantes do que um notebook, uma peça de 2 quilogramas e do tamanho de uma pizza.

Dizendo de outra forma, o termo de troca de soja por notebook era desfavorável ao Brasil, e isso explicava parte do atraso do sistema produtivo brasileiro. A causa era que a inteligência e a tecnologia envolvidas em um notebook eram maiores que a inteligência e a tecnologia envolvidas na lavoura de soja, e os trabalhadores da lavoura brasileira tinham salários menores que os trabalhadores na cadeia industrial do computador pessoal. Mesmo soando mais importante produzir alimentos do que computador, pois sem computador o mundo vive (e já viveu), mas sem alimentos a vida não se sustenta, o fato é que, em termos de valor agregado e de possibilidade de padrão de vida, os centros produtores de computadores e equipamentos com alta tecnologia são muito mais ricos que as economias agrícolas.

Além disso, a produção de um item não elimina a necessidade de produzir o outro. Adicionalmente, é importante entender que não se trata de abandonar a produção de matérias-primas agrícolas, mas sim de transformá-las e vendê-las para o mundo, em vez de exportá-las in natura. Um exemplo atual que ilustra bem a questão é o fato de a Alemanha ter se tornado exportador de café sem produzir um pé de café. Portanto, se o Brasil deseja sair de seu estado de atraso, é necessário que as lideranças políticas, os empresários e as entidades empresariais trabalhem para o crescimento do binômio investir e exportar, sem esquecer, é claro, de outras políticas necessárias para o desenvolvimento capaz de levar o país a um futuro melhor para sua população.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 4 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • M

    MIRIAM CRISTINA

    ± 24 dias

    Sem um ambiente propício, fácil, desburocratizado e não cartorial, segurança jurídica quanto a separação pessoa jurídica e pessoa física, aperfeiçoar ainda mais a legislação trabalhista e sobrepujar o acordo individual em detrimento de qualquer outro, dinheiro barato para investimentos inovadores e ou disruptivos ou que criem valor aos nossos produtos, não dá pra competir com americanos, chineses e hoje em dia até paraguaio.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • P

    Plinio

    ± 25 dias

    Sim os governantes estavam preocupados em desviar dinheiro dos pobres brasileiros com auxílio dos magnatas da República ,os mais corruptos e milionários da lista Forbes.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    LSB

    ± 25 dias

    40% na renda per capita em 10 anos? Impossível. Considerando o fim do bônus demográfico e aumento da população total, precisaria-se aumentar a produtividade do trabalhador na ordem de grandeza de 5% ao ano. Não há nada assim na literatura econômica (china talvez). No mais, qdo havia inversões de 20% do PIB, o crescimento ficava no max. em 3% ao ano. P/ crescer 4ou 5%, os investimentos devem ir para 23-25% (acima do citado no artigo). Investimos e poupamos por volta de 15-16% do PIB. Aumentar p/ 23-24%: não temos poupança. Aumentar o uso de poupança externa nessa magnitude (+ 8 a 10% do Pib a mais) afunda o dólar. No mais, regulamentação excessiva impede aumento de invest. nesse velocidade.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Maquiavel

    ± 25 dias

    Quando eu era criança ouvi falar muito do comparativo: Uma saca de café x um vidro de Nescafé. Por aí já se via o quanto éramos atrasados já naquela época

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.