i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
editorial

Mentira ou incompetência

Será possível que uma economista de profissão, com fama de gestora eficiente, foi surpreendida pela crise mesmo com todos os indícios de que ela viria com força?

  • PorGazeta do Povo
  • 27/08/2015 00:01

Antes tivesse sido mais uma daquelas declarações folclóricas sobre a mandioca, a mulher sapiens, as metas ou o cachorro oculto atrás de cada criança. Mas não, Dilma Rousseff foi bem clara na entrevista que deu a três jornais brasileiros: ela não imaginava que a situação da economia brasileira estava tão complicada.

“Vocês sempre me perguntam: no que você errou? (...) Em ter demorado tanto para perceber que a situação poderia ser mais grave do que imaginávamos. E, portanto, tivéssemos de ter começado a fazer uma inflexão antes. Não dava para saber ainda em agosto [de 2014]. Porque não tinha indício de uma coisa dessa envergadura. A gente vê pelos dados. Setembro, outubro, novembro. Nós levamos muitos sustos. Nós não imaginávamos. Primeiro, que teria uma queda da arrecadação tão profunda. Ninguém imaginava isso. (...) Gasto público. Talvez o meu erro foi não ter percebido prematuramente que a situação seria tão ruim como se descreveu. A crise começa em agosto, mas só vai ficar grave mesmo entre novembro e dezembro. É quando todos os estados percebem que a arrecadação caiu” – essas são as palavras de Dilma, nas quais só alguém muito ingênuo teria como acreditar.

A necessidade de contar com maquiagens e recursos atípicos para fechar as contas já era indício mais que suficiente de que algo estava errado

Em primeiro lugar, porque a crise só existe graças às próprias ações do governo Dilma, que durante quatro anos abandonou completamente o tripé macroeconômico da era Fernando Henrique para adotar a “nova matriz econômica” baseada na gastança. Impossível que o governo não soubesse que, ao bagunçar o setor elétrico com redução de tarifas na base da canetada e, com propósitos eleitoreiros, segurar artificialmente o preço da gasolina e dos transportes públicos (em combinação com prefeitos aliados), estava preparando uma bomba inflacionária que explodiria muito em breve.

Bem antes de 2014 o governo federal já estava recorrendo à “criatividade contábil” para fechar as contas. As metas de superávit primário só eram alcançadas graças a rendas extraordinárias como o Refis e leilões nas áreas de petróleo e telecomunicações. A necessidade de contar com maquiagens e recursos atípicos já era indício mais que suficiente de que algo estava errado. Em agosto de 2014, o governo também já sabia que a produção industrial estava em queda: de março daquele ano em diante, a produção nunca foi maior que a do mesmo mês do ano anterior.

E, como se não bastasse, avisos externos não faltaram. Os adversários de Dilma Rousseff na campanha da reeleição cansaram de bater na tecla da crise iminente. Agosto de 2014 nem tinha chegado ainda e Lula já tinha publicamente pedido (e recebido) a cabeça dos responsáveis por um relatório do banco Santander que apontava para a deterioração de indicadores em caso de vitória de Dilma; em julho de 2014 a coligação da presidente processou a consultoria Empiricus, que fez alertas semelhantes (O TSE reverteu a tentativa de censura). Tudo isso foi desprezado por Dilma como “terrorismo eleitoral”.

Será mesmo possível que uma economista de profissão, com fama de gestora eficiente no governo Lula, diante de todos os indícios estatísticos e avisos de que a tempestade já estava formada e chegaria logo, pudesse ser surpreendida pela realidade dessa forma? O mea culpa de Dilma, uma presidente desesperada para recuperar a popularidade, se não for simplesmente uma tentativa de iludir a população, é um enorme atestado de incompetência.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.