i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

O coronavírus não cabe em um meme

  • PorGazeta do Povo
  • 19/04/2020 18:00
Estudo revela que 279 das 436 regiões de saúde do Brasil não têm 10 leitos de UTI por 100 mil usuários.
Estudo revela que 279 das 436 regiões de saúde do Brasil não têm 10 leitos de UTI por 100 mil usuários.| Foto: Piro Cruciatti/AFP

Levou menos de um mês desde a confirmação do primeiro caso para que o coronavírus colocasse a rede hospitalar do Amazonas em colapso. Em 13 de março, uma mulher que havia viajado para Londres foi diagnosticada com a Covid-19. Em 24 de março, ocorreu a primeira morte no estado. Em 6 de abril, o secretário de Saúde afirmou que o Amazonas tinha 95% de seus leitos de UTI ocupados. Quatro dias depois, o Hospital Delphina Aziz, destinado exclusivamente ao atendimento de pacientes com coronavírus, chegou ao limite, e instituições particulares também já informavam a incapacidade de receber novas pessoas com a doença. O caso do Amazonas é um exemplo contundente daquela que é a grande ameaça do coronavírus, mas que continua a ser ignorada por muitos: o colapso das redes hospitalares.

No início da pandemia, o indicador favorito daqueles dispostos a minimizar o risco trazido pelo vírus era sua letalidade, que em termos proporcionais era mais baixa que a de outras doenças. Por mais que as mídias sociais continuem inundadas de comparações de mortes provocadas pela Covid-19 e por outras causas, este é um argumento que em pouco tempo não poderá mais ser usado: dados da Organização Mundial de Saúde mostram que a Covid-19, em quatro meses, já causou quase dez vezes mais óbitos que a gripe H1N1 nos 20 meses de duração da pandemia de gripe, que durou de janeiro de 2009 a agosto de 2010.

Se queremos que as medidas restritivas mais severas sejam levantadas, precisamos que a velocidade com que reforçamos nossos hospitais seja maior que a velocidade com que o coronavírus se espalha

Chamar a atenção para as mortes ou os índices de letalidade desvia a atenção de outro dado: a velocidade com que o coronavírus se espalha e a porcentagem de pessoas que precisariam de internação, estimada inicialmente entre 10% e 20% dos casos, embora outras estimativas falem de 5%. Qualquer desses índices só parece pequeno se for aplicado a um grupo pouco numeroso, mas se torna bastante representativo se aplicado a uma grande população. Sem medidas de isolamento social, ou em um cenário no qual essas medidas são ignoradas pela população – o que parece ter sido o caso de Manaus, a julgar por declarações do prefeito Arthur Virgílio Neto (PSDB) –, muitas pessoas se contaminariam ao mesmo tempo, e bastariam esses 5%, 10% ou 20% para lotar a rede hospitalar, deixando de fora não apenas outros pacientes de Covid-19, mas também qualquer outra pessoa que necessitasse de uma UTI ou respirador por qualquer outro motivo.

Foi com base neste indicador que surgiu a demanda por “achatar a curva”: em outras palavras, o isolamento social reduziria a velocidade de propagação do coronavírus e “espalharia” as contaminações ao longo de um período de tempo maior. Como resultado, o chamado “pico” – o momento com mais pessoas simultaneamente doentes a ponto de demandar internação – seria mais “baixo” que na ausência de medidas restritivas; o ideal seria que ele se tornasse baixo o suficiente para ser completamente absorvido pela rede hospitalar.

Além disso, quando se consegue “achatar a curva”, o pico de contaminação não é apenas diminuído, mas também adiado; daí as constantes revisões das autoridades sanitárias quanto ao momento em que se verificará o auge do surto. Essas revisões também não passam incólumes nas mídias sociais, velozes em ironizar o que parece incompetência governamental em determinar uma data, mas que na verdade é demonstração de que as medidas de isolamento estão surtindo seu efeito e adiando o momento crítico. Afinal, o esforço de “achatar a curva” também é uma tentativa de ganhar tempo e reforçar a rede hospitalar, providenciando mais leitos e equipamentos – tempo que o Amazonas não teve, com seu 1,24 leito de UTI para cada 10 mil habitantes, quando a demanda nos países mais atingidos pela pandemia era de 2,4 leitos por 10 mil habitantes, segundo reportagem da Folha de S.Paulo.

Se queremos que as medidas restritivas mais severas sejam levantadas – e todos sabemos do altíssimo preço que elas estão cobrando dos empresários e dos trabalhadores, especialmente os mais pobres –, precisamos que a velocidade com que reforçamos nossos hospitais seja maior que a velocidade com que o coronavírus se espalha. Vencer esta corrida, no entanto, exige uma combinação de políticas públicas sérias (e o governo federal tem feito sua parte na busca por novos leitos, equipamentos e testes) e adesão da população aos comportamentos que freiam a curva de contaminação, adesão esta que é dificultada por diversionismos e negacionismos que não ajudam a compreender como o coronavírus ataca as estruturas de saúde.

7 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 7 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • D

    Dr. Martinelli

    ± 5 horas

    É Manaus pode não ter hospitais, mas tem um super estadio de futebollll Paga povo, a escolha de governantes escroques! Vide ARENA DA AMAZONIA!!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    Dr. Martinelli

    ± 5 horas

    É Manaus pode não ter hospitais, mas tem um super estadio de futebollll Paga povo, a escolha de governantes escroques! https://www.acritica.com/channels/esportes/news/arena-da-amazonia-completa-quatro-anos-entre-o-sonhos-de-casa-cheia-e-a-dura-realidade-do-futebol-local

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • I

    Irineu Berestinas

    ± 8 horas

    Sugiro aos editorialistas da Gazeta que leiam o texto de João Cesar de Melo, do Instituto Liberal, publicado no Blog do Rodrigo Constantino, como parte do próprio Jornal. Alguém está sobrando e viajando alto nessas análises. É muito descompasso de opiniões, as quais precisam ser esclarecidas pelos autores. Do contrário, produz-se um torre de Babel dentro do Jornal.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • W

    Will

    ± 9 horas

    Excelente artigo, equilibrado e sóbrio, adjetivos que nos tempos atuais estão escassos entre ignorantes e estudiosos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • G

    Guilherme Milone Silva

    ± 13 horas

    Porque é que, quase 60 dias após o início do isolamento, O estado do AM ainda não disponibilizou novos leitos de UTI? Qual o motivo de, no estado onde a cloroquina é mais conhecida, os médicos não receitam este remédio em fases iniciais do COVID? Confiar em burocrata cevado é dose pra leão...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    José Edom Freire de Azambuja

    ± 2 dias

    Mas vocês continuam a generalização do caso . Parecem que não lêem nenhum artigo e não ouvem especialistas sérios. Fazem parte da mesma mídia do terror. Inacreditável. Vão dizer que concordam também com o estudo que praticamente assassinou 11 pessoas no Amazonas com altíssimas doses de Cloroquina. Esperem e verão. A mortalidade no rescaldo vai ser menos do que se espera. Acalmem a população. Leiam mais

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • F

      Freitas

      ± 2 dias

      Cite os nomes dos "especialistas sérios" que você nos recomenda.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.