i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

O tamanho do rombo

Déficit primário recorde no primeiro semestre é motivo de preocupação, mas mudanças na meta indicariam que o governo não está trabalhando com afinco

  • PorGazeta do Povo
  • 31/07/2017 17:00
 | Wilson Dias/Agência Brasil
| Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

Já faz algum tempo que o sinal amarelo está aceso para o governo quando o assunto é o cumprimento da meta fiscal de 2017, e os dados recentes não são nada alentadores. Na semana passada, saiu o resultado do primeiro semestre para o governo central: o pior déficit primário da história para o período, com rombo de R$ 56,092 bilhões (nos primeiros seis meses de 2016, o déficit foi de R$ 36,5 bilhões). Como se não bastasse, junho de 2017 também teve o pior resultado para o mês desde o início da série histórica, com saldo negativo de R$ 19,8 bilhões.

Ainda que o governo considere que o pagamento antecipado de precatórios – que normalmente ocorre na segunda metade do ano, mas em 2017 foi antecipado para maio e junho – tenha tido grande impacto no resultado, não se pode ignorar os maus sinais. No acumulado de 12 meses, o saldo negativo é de R$ 182 bilhões, e a Instituição Fiscal Independente, órgão que assessora o Senado Federal, já tinha estimado, na edição de julho do Relatório de Acompanhamento Fiscal, um déficit primário de R$ 144,1 bilhões em 2017 – ou seja, o risco de estourar a meta, que atualmente é um déficit de R$ 139 bilhões, é grande.

Todo dinheiro a mais que o governo retira da sociedade deixa de girar, retardando a retomada do crescimento

Diante disso, o que fazer? O país já assistiu a cenas deprimentes quando, no fim de 2014, o governo Dilma conseguiu a aprovação, no Congresso, do PLN 36/2014, uma revisão da meta que contou até com a chantagem explícita do Planalto, por meio de um decreto que liberava verba para emendas parlamentares sob a condição de que o projeto fosse aprovado. Àquela altura, já havia muitos alertas sobre o destino a que política econômica esbanjadora e voluntarista de Dilma estava levando o país – apesar do estelionato eleitoral cometido na campanha da reeleição, em que Dilma e seu marqueteiro, João Santana, conseguiram enganar boa parte da população afirmando que as contas estavam sob controle. O espetáculo do PLN 36/2014 apenas reforçou a percepção de que o governo petista estava levando o país à lona.

Em 26 de julho, quando foi divulgado o resultado do primeiro semestre, a secretária do Tesouro Nacional, Ana Paula Vescovi, descartou enfaticamente qualquer possibilidade de mudança na meta, mas nesta segunda-feira o ministro Henrique Meirelles disse que, “em relação à questão da meta fiscal, estamos analisando o assunto”, deixando subentendido que poderia haver uma alteração. A equipe econômica sabe muito bem do dano causado por alterações desse tipo, especialmente se ocorrerem perto do fim do ano: elas são um atestado de leniência, mandando o recado de que o governo não está trabalhando com afinco para atingir os objetivos que ele próprio traçou.

Leia também:O golpe fiscal de Dilma (editorial de 9 de dezembro de 2014)

Leia também:Governo precisa dar algo em troca da alta de impostos (editorial de 20 de julho de 2017)

O recente aumento de impostos que incidem sobre combustíveis é a mostra de que a população será, mais uma vez, forçada a socorrer os cofres públicos. Mas todo dinheiro a mais que o governo retira da sociedade deixa de girar, seja por meio do consumo ou do investimento, o que retarda a retomada do crescimento tão necessário (até mesmo por seus efeitos benéficos sobre a arrecadação). Não pode haver alta de impostos sem um esforço ainda maior para atacar as despesas, inclusive aquelas com o funcionalismo, no que for possível e legalmente permitido.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.