i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

Os 75 anos da ONU e a crise do sistema multilateral

  • PorGazeta do Povo
  • 23/10/2020 19:24
Sede da ONU, em Nova York.
Sede da ONU, em Nova York.| Foto: Anfaenger/Pixabay

A Organização das Nações Unidas considera o dia 24 de outubro de 1945 como a data em que ela passou a existir; embora a Carta das Nações Unidas tenha sido assinada em junho daquele ano por 50 países, foi em 24 de outubro que as cinco potências da época (Estados Unidos, União Soviética, França, Reino Unido e China) e a maioria dos demais signatários a ratificaram. A ONU chega, portanto, ao seu jubileu de diamante com várias conquistas em seu papel de, na medida do possível, garantir e manter a paz mundial, mas também se vê bombardeada por líderes importantes e carregando consigo uma série de contradições e estruturas que não se atualizaram desde os tempos do pós-guerra.

Muito já se falou, por exemplo, sobre a necessidade de reforma do Conselho de Segurança, um dos principais órgãos da ONU; suas regras, que remontam à época da Guerra Fria, bloqueiam uma resposta mais firme da comunidade internacional a diversas situações em que ela é exigida, devido ao anacrônico poder de veto dos cinco membros permanentes do conselho. Também é evidente a incoerência no fato de algumas estruturas internas da ONU terem entre seus membros Estados que negam o próprio objetivo dessas estruturas – o caso mais recente é o da eleição, para o Conselho de Direitos Humanos, de China, Cuba e Rússia, três países notoriamente violadores desses mesmos direitos. Mas o grande desafio da ONU é compreender e definir que papel, afinal, a entidade pretende ter no mundo atual.

Cada país importante que desiste de jogar o jogo no sistema multilateral ajuda a entregá-lo de mão beijada aos que desejam usá-lo para avançar suas agendas daninhas

A ONU sofre, em maior escala, do mesmo dilema que vem marcando outras entidades multinacionais: o difícil equilíbrio entre o respeito às soberanias nacionais e os impulsos intervencionistas que buscam impor determinadas convicções aos países-membros, especialmente em questões de comportamento. Veja-se, por exemplo, o caso emblemático da União Europeia, nascida sob a influência das democracias cristãs que defendiam o respeito ao princípio da subsidiariedade, mas que se transformou, com o passar das décadas, em uma superburocracia altamente interventora, despertando reações que tiveram seu auge na saída do Reino Unido do bloco.

É nas conferências, conselhos e comissões que a face intervencionista da ONU se mostra de forma mais explícita, com suas tentativas – até agora, felizmente, frustradas – de impor em escala mundial determinada agenda moral que contempla, por exemplo, a legalização do aborto (camuflada sob a expressão “direitos reprodutivos”) e a ideologia de gênero. Veja-se, por exemplo, recente resolução do Conselho de Direitos Humanos, datada de setembro de 2018, sobre mortalidade materna, em que se solicita a todos os Estados-membros que garantam os ditos “direitos reprodutivos” e o direito das mulheres “a ter controle total e decidir livremente e responsavelmente sobre todos os assuntos relativos à sexualidade e à saúde sexual e reprodutiva, livres de discriminação, coerção e violência, incluindo-se a remoção de barreiras legais e o desenvolvimento e implementação de políticas, boas práticas e marcos legais que respeitem a autonomia sobre o próprio corpo e garantam acesso universal a serviços de assistência à saúde sexual e reprodutiva”. Ainda que a palavra “aborto” não apareça uma única vez no texto, qualquer pessoa acostumada ao linguajar empregado nas reuniões da ONU – especialmente depois das conferências de Pequim e do Cairo, ocorridas na década de 90 do século passado – sabe do que se trata; o documento, ainda por cima, não apresenta nenhuma ressalva sobre o respeito a legislações nacionais que protejam a vida humana por nascer.

Tamanha ênfase na engenharia social levou países importantes a questionar sua participação em um sistema que tem tão pouco apreço pelas soberanias nacionais e pelos valores de cada povo – é o caso dos Estados Unidos e até mesmo do Brasil. No entanto, é justamente das vozes de peso que o sistema da ONU mais precisa para reverter essa tendência. Sem potências mundiais ou regionais dispostas a defender a vida e a família nesses fóruns, as nações menores que compartilham desses mesmos valores – e são muitas – ficarão indefesas diante da pressão dos ideólogos. Cada país importante que desiste de jogar o jogo no sistema multilateral – por mais exaustivo que seja esse trabalho, por mais que às vezes isso pareça uma luta inútil – ajuda a entregá-lo de mão beijada aos que desejam usá-lo para avançar suas agendas daninhas.

Portanto, o que a ONU precisa, ao completar 75 anos, não é de uma debandada, mas de uma reconstrução. O objetivo do sistema multilateral é, como afirmamos em outra oportunidade, “o estímulo à cooperação mútua entre os países, o esforço para evitar conflitos e o combate sem tréguas à pobreza, não a imposição de um suposto ‘direito’ ao aborto, nem a promoção da ideologia de gênero, nem outras plataformas comportamentais que violam a dignidade humana e a soberania nacional”. Tudo isso com respeito ao princípio da subsidiariedade e aos valores e leis de cada povo. E será preciso que as nações importantes assumam seu papel de liderança nesse processo.

7 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 7 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • C

    Carlos Eduardo de Abreu e Lima

    ± 3 horas

    Comentários certeiros da Gazeta do Povo. Parabéns.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Carmo Augusto Vicentini

    ± 4 horas

    Do jeito que está a ONU pode acabar, que em nada vai nos prejudicar. Pelo contrário.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • I

    Isaac Zabini dos Santos

    ± 5 horas

    Não compro 100%, mas de forma geral os editoriais da Gazeta são bastante equilibrados, ao contrário dos mais famosos colunistas da Gazeta, que trazem assinantes por conta de conspirações e fanatismo ideológico.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Roberto Garcia

    ± 7 horas

    Sim a ONU se transformou ao longo do tempo e deturpou seus objetivos principais. Hoje é um órgão burocrático que se arrogou o direito de impor a visão e ideologia de um grupo com pretensões hegemônicas usurpando a soberania dos povos. Além disso se transformou num cabidão de emprego esquerdista.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    MICHAEL GUSTAV ADOLF MULL

    ± 8 horas

    Sem reforma do Conselho de Segurança e acabar com direito a veto , a ONO é totalmente inútil.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    Dario de Araújo Dafico

    ± 15 horas

    O problema é as pessoas acharem que a ONU foi criada como um clube de nações amigas. Não é nada disso! A 2a Grande Guerra nunca terminou na verdade. Os vencedores não eram amigos entre si. O que houve foi uma trégua que perdura até hoje. A ONU foi criada como um fórum de negociação para evitar guerras e nunca deveria ter se expandido para outros temas porque englobando ditaduras elas podem votar sobre esses outros temas. As nações livres e democráticas deveriam ter criado uma outra identidade, aí sim, um clube de países livres. Talvez a OCDE possa assumir esses papéis deixando para a ONU só a responsabilidade de evitar os conflitos armados.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Maquiavel

    ± 2 dias

    ONU = lixão esquerdista

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]