i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

O desempenho do PIB e as chaves para o crescimento

  • PorGazeta do Povo
  • 08/07/2019 18:00
Fila de candidatos a trabalho em supermercado: apesar da queda recente, desemprego segue próximo das máximas históricas.
Fila de candidatos a trabalho em supermercado: apesar da queda recente, desemprego segue próximo das máximas históricas.| Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo

O crescimento econômico brasileiro é um problema recorrente, que não sai da agenda diária nacional, e seguirá sendo a principal fragilidade do país, no mínimo por uma razão: o crescimento é condição rigorosamente necessária para o país vencer o principal drama econômico, social e psicológico, que é o elevado desemprego. Além de ser necessário para gerar empregos, o crescimento é o único caminho para melhorar a renda média por habitante e começar a reduzir a pobreza. Somente por isso, o aumento do PIB deve ser a meta econômica número um do governo e da sociedade, sem a qual nenhuma outra meta social – melhoria da educação, da saúde, da segurança etc. – terá sucesso nos próximos anos.

Com uma população de 104 milhões de pessoas em condições de trabalhar, o número de desempregados no conceito de “desemprego aberto” continua girando na casa dos 13 milhões – portanto, 12,5% da força de trabalho, taxa elevada e que representa o dobro da média de desemprego mundial, em torno de 5%. Esse assunto voltou às manchetes neste início de segundo semestre em função do pessimismo com a estimativa de crescimento do PIB em 2019. Os analistas de mercado e as autoridades do governo começaram o ano estimando um crescimento de 3%, mas foram reduzindo gradativamente suas previsões e, no encerramento do primeiro semestre, já falavam em crescimento de apenas 1%, e já há quem preveja crescimento abaixo desse patamar.

O progresso material do Brasil depende de ampliar a liberdade econômica, reestruturar o mercado de crédito, priorizar o setor privado, aumentar a eficiência do governo e combater a corrupção

No fim de 2018, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) divulgou análise sobre a economia brasileira e afirmava que o progresso material do Brasil iria depender das melhorias que o país fosse capaz de fazer, principalmente em ampliar a liberdade econômica, reestruturar o mercado de crédito, priorizar o setor privado, aumentar a eficiência do governo e combater a corrupção. Tem sido divulgado que a reforma da Previdência provocará crescimento econômico, afirmação que tem um componente de verdade, mas que não pode ser superestimado. Isso porque o crescimento depende de investimentos em infraestrutura física e empresarial feitos pelo setor estatal, pelo capital privado nacional e pelos investidores estrangeiros. Assim, o aumento da taxa de investimento (que está muito baixa, menos de 16% do PIB) começa pela elevação dos investimentos feitos pelos municípios, estados e União. A reforma da Previdência começará a gerar melhoria nas contas do setor governamental, mas será um caminho longo, pois a redução dos déficits fiscais será lenta; logo, não é possível apostar na transformação imediata do Brasil em um grande canteiro de obras públicas.

Quanto aos investimentos privados nacionais e dos empresários estrangeiros, além dos obstáculos já conhecidos – como aqueles citados pela OCDE –, o país precisa melhorar a confiança nas instituições, a segurança jurídica, a estabilidade política, o ambiente para negócios, a liberdade econômica e a abertura ao mercado internacional. Nessa lista de condicionantes, convém lembrar que no último dia 1.º de julho o Plano Real completou 25 anos, consolidando o êxito no combate à inflação e melhorando sensivelmente a confiança na estabilidade da moeda, que é uma variável importante para melhorar a confiança dos empreendedores. Apesar de alguns percalços em sua trajetória, o Plano Real funcionou bem, após cinco planos econômicos fracassados na tentativa de debelar a inflação, de forma que a inflação segue controlada e sem ameaça visível de voltar àqueles tempos difíceis.

Leia também: A lentidão do crescimento (editorial de 10 de junho de 2019)

Leia também: O PIB em retração (editorial de 30 de maio de 2019)

Sem aumento dos investimentos em infraestrutura física, em expansão das empresas e em obras sociais, o crescimento não retornará a taxas significativas por anos seguidos. Existe capacidade ociosa, sobretudo no setor industrial, que pode ser acionada para aumentar a produção nacional no curto prazo. Mas, para sustentar crescimento ano a ano, a taxa de investimentos em relação ao PIB tem de aumentar. Por sua vez, a reforma da Previdência será importante para sinalizar aos investidores privados nacionais e estrangeiros que as contas públicas podem ser controladas e os déficits do setor estatal, reduzidos. Além de criar estímulo para os investimentos privados, esse cenário abriria espaço nos orçamentos públicos para investimentos dos governos nas três esferas da federação.

3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 3 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • P

    Pensador

    ± 2 horas

    Diferente do que foi dito pelo Governo, políticos e grande mídia, a Reforma Trabalhista de Temer basicamente tirou diretos dos trabalhadores. Não gerou os empregos prometidos e nem os não prometidos. A reforma da previdência segue a mesma lógica, vai tirar recursos do aposentado e diminuir o consumo interno no país, reduzindo renda e emprego, com queda no PIB e no crescimento. Infelizmente o brasileiro tende a acreditar nos velhos discursos de Governos e políticos, apoiados por grandes jornaleiros, onde parece que o Brasil vai virar o mundo de Alice.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    2 Respostas
    • A

      Ae Carvalho

      ± 1 horas

      Adami: até que enfim um comentário sensato. Apoiado!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • A

      Adami

      ± 1 horas

      Desculpe, mas este é o típico pensamento de quem espera que o Estado faça tudo pelo indivíduo. É hora de acabar com o Estado super poderoso e paternalista e focar mais no indivíduo. A reforma do Temer facilitou muito a vida dos empresários que geram emprego - talvez você não saiba porque não tem um CNPJ pra cuidar, se está ruim com ela, imagine sem. E a reforma da previdência é necessária de qualquer jeito, ou você perde alguns "direitos" agora ou fica sem receber no futuro. Pare de culpar a mídia por tudo e pesquise os dados públicos sobre a relação previdência x PIB.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]