i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

Quatro premissas para a reforma tributária

  • PorGazeta do Povo
  • 08/03/2020 00:01
Quatro premissas para a reforma tributária
| Foto: Marcelo Andrade/Arquivo/Gazeta do Povo

O ano de 2019 foi o ano da reforma da Previdência. Este 2020 deverá ser o ano da reforma tributária. Eventualmente, pode ser também o ano da reforma administrativa, mas esta é parcial e específica sobre a estrutura do Poder Executivo federal. O Brasil é uma federação, na qual os entes federados gozam de certo grau de autonomia política e administrativa; logo, a reforma administrativa destina-se a modernizar a estrutura funcional, os cargos, as normas de contratação e a gestão dos servidores públicos no âmbito federal. Como o tamanho do sistema estatal brasileiro inclui, além da União, 5.570 municípios, 26 estados, um Distrito Federal e centenas de empresas estatais, a reforma administrativa no âmbito da administração direta do governo federal será uma reforma parcial da estrutura geral do Estado brasileiro.

Mas é a reforma tributária aquela capaz de exercer o maior impacto sobre o sistema econômico, sobretudo no setor produtivo privado. Alguém poderia levantar a seguinte questão: se o setor estatal todo tem arrecadação efetiva de 35% da renda nacional (que é igual ao Produto Interno Bruto da nação), por que razão o governo e Congresso Nacional fariam uma reforma tributária? Porque a estrutura tributária brasileira tornou-se um monstro disforme, com excesso de tributos, distribuição distorcida entre União, estados e municípios, excesso (e má qualidade) de leis, regras complexas e altamente confusas, injustiça em relação à carga sobre os diferentes setores da economia, burocracia excessiva e cara – um inferno tributário favorável à corrupção e sonegação.

O Brasil construiu um hospício tributário caro, complexo, difícil de obedecer e responsável por boa parte da corrupção

Apesar de amplos setores produtivos desejarem que a reforma tributária seja levada adiante, há sempre o risco de repetir-se o fato de que, em todas as reformas tributárias, a carga aumentou. Dada a clara crise fiscal e déficits crônicos nas contas públicas em todos os entes da Federação, seguramente, qualquer que seja a reforma, não haverá redução efetiva da carga tributária – intenção que nenhum dos responsáveis por sua elaboração esconde, aliás. O sistema econômico é composto de quatro entidades: pessoas, empresas, governo e resto do mundo. Logo, o assunto trata do tamanho da carga de tributos que serão pagos por pessoas e empresas, já que o governo é o recebedor, não pagador, de tributos.

Neste momento, é importante que o governo e sociedade debatam pelo menos quatro premissas que deveriam nortear a reforma tributária. Primeira: o novo sistema tributário deveria cumprir a premissa de não superar o máximo lógico de um terço da renda nacional. Estudos apontam que, em uma economia de mercado, o setor estatal deve retirar no máximo 33% da renda gerada pela nação, para cumprir suas funções e prestar os serviços públicos que lhe são próprios. Segunda: municípios, estados e União devem se entender para definirem quais atribuições e funções ficarão a cargo de cada um deles, como o bolo tributário deve ser distribuído entre os três e qual a limitação do poder de legislar sobre tributos cada um terá. Uma das distorções graves do sistema atual é a multidão de normas e regras inventadas por municípios, estados e União, em função da outorga do direito de fazer suas leis e normas executivas, cujo exemplo mais acabado é o monstrengo no qual se tornou o ICMS.

Em terceiro lugar, o novo arcabouço legal deve ser muito cuidadoso com o favorecimento a determinados setores, pois isso sempre acaba sobrecarregando outras áreas, já que o governo, quando cria isenções sobre um grupo de produtos ou rendas, aumenta a carga de outros produtos ou setores. Um exemplo está na lista de renúncias fiscais por redução ou isenção de impostos sobre automóveis, caminhões e vários outros produtos. Ora, se a arrecadação tributária não diminuiu – pelo contrário, seguiu aumentando –, está claro que os benefícios de uns foram pagos por outros setores, produtos ou rendas. Um governo tem o direito de identificar atividades ou vocações econômicas que considere necessário incentivar ou promover, mas sempre é preciso ter em mente o impacto que essas opções terão sobre os demais ramos da economia, evitando injustiças, especialmente aquela que faz a carga tributária brasileira ser maior sobre os pobres do que sobre os ricos.

Por fim, a redução da quantidade de tributos tem de vir acompanhada da redução da quantidade de leis e normas executivas, simplificação do teor das leis e normas e limitação do poder de legislar sobre tributos no âmbito dos três entes federativos. O poder de criar, modificar e impor procedimentos sobre tributos precisa ser reduzido e limitado, sob pena de, não sendo assim, em poucos anos o Brasil estar novamente com uma montanha de leis, decretos, portarias, instruções normativas e procedimentos capazes de fazer voltar o manicômio tributário que o país quer – e precisa – enterrar. Basta estudar os sistemas tributários do mundo para concluir que o Brasil construiu um hospício tributário caro, complexo, difícil de obedecer e responsável por boa parte da corrupção. Cabe aos parlamentares a responsabilidade por melhorar o sistema tributário nacional, sob pena de o país continuar sendo punido por um sistema caótico e produtor de atraso.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 4 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • P

    Pedro Silva

    ± 20 dias

    Enquanto o governo massacrar a população com impostos sobre consumo, pra manter uma elite de empresários com isenções obscenas e um setor público caro e ineficiente, não iremos à lugar nenhum.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • M

      Mário Kume

      ± 20 dias

      O Brasil nasceu torto desde a sua origem. Criaram tantos impostos sob cascata que hoje nem sabe por qual razão existem mas existem e não são retiradas. Prejuízo para o povão e para a nação. Se o governo tivesse "boa vontade" temos tantos países mundo afora para seguirmos. Não fazem porque faltam boa vontade com a nação.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • V

        Vilmar

        ± 20 dias

        A REFORMA NÃO sai pq as empresas detentoras de generosos incentivos fiscais não deixam, pra não perderem a grande teta.. A guerra fiscais virou uma enorme indústria.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • S

          Salvador

          ± 21 dias

          Como estão as propostas, o setor de serviços será ABSURDAMENTE prejudicado. Passaria de uns 8% para 24% de tributação, sem contar, ainda, IRPJ e CSSL. É ridículo juntar em imposto único produtos e serviços. Produtos descontam créditos anteriores, já embutidos. Serviços tem NADA a descontar, é imposto na veia.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          Fim dos comentários.