• Carregando...

A Gazeta do Povo publicou reportagem no Caderno Paraná, dia 13/11/05, que falou sobre a violência ao redor de alguns shoppings. No texto, o Shopping Crystal Plaza foi citado por conta de incidentes ocorridos na região. Para falar sobre os episódios, a reportagem ouviu o chefe da Segurança do Crystal, Luiz Eduardo Hunzicker, que afirmou terem sido encontrados no estacionamento da Pizza Hut, localizado em frente ao shopping, paus e pedras que seriam usados em brigas de adolescentes. Sobre isso, a Pizza Hut esclarece que mantém procedimentos diários de segurança, em toda unidade; seus funcionários são treinados para identificar objetos que possam causar acidentes; o restaurante conta com três funcionários escalados para trabalhar no estacionamento e que são responsáveis pela segurança e limpeza do local; o estacionamento é cercado e segurado para trazer maior segurança aos clientes e veículos; o incidente dos objetos localizados no estacionamento é uma informação prestada por terceiros, que não foi detectada e nem comunicada à Pizza Hut. Além disso, a segurança do Shopping não tem envolvimento com a Pizza Hut, sendo então inválida a informação prestada em nome do restaurante.

Luciano Pagot, Gerente de Operações da Pizza HutCuritiba, PR

Orçamento

Já houve quem dissesse que fazer política consiste em transformar soluções em problemas a fim de manter o público em suspense. Pois é isso que parece estarmos presenciando com relação ao pedágio nas estradas no Paraná. Quando o governo, no passado, abandonou a manutenção dessas estradas achou-se como solução entregar a tarefa à iniciativa privada. Foi a solução do problema. Hoje temos estradas, se comparadas com as de antes do pedágio, em ótimas condições de tráfego. Não é invenção nossa, pois países mais adiantados há muito descobriram essa maneira como solução para a eterna insuficiência de dinheiro no orçamento do Estado.

Carlos Janz, aposentadoCuritiba, PR

Limpeza

Solicito a limpeza do Jardim Márcio Ribas, localizado na confluência da Rua Tenente Ricardo Kirsch com a Rua Coronel Baeta de Faria, no Jardim das Américas. Dito logradouro está virando depósito de lixo doméstico, além de galhos de árvores. Já fiz o pedido pelo fone 156, há mais de 30 dias, sem resultado.

Airton E. RocionCuritiba, PR

Antipó

Moro na Rua Paraíba, na Vila Guaíra. A rua é revestida de antipó que, em geral, encontra-se emburacada – principalmente quando as chuvas perduram por muito tempo. Os reparos feitos, em intervalos médios de três meses, não atendem os moradores desta e, certamente, das outras ruas da Vila. Hoje, a situação de risco para aqueles que trafegam com os seus veículos é muito grande. Os condutores precisam fazer malabarismo para não terem os seus veículos danificados em face dos enormes buracos existentes em vários pontos da rua. Como por exemplo, cito as ruas Acre e Paranaguá. Acredito que Curitiba conta atualmente com uma administração municipal séria e competente e esta, certamente, entende que o custo-benefício com substituição do antipó não deve ser apurado somente em função do desembolso financeiro inicial, mas visando também a segurança e a satisfação dos munícipes. Dentro do planejamento plurianual, entendo que caberia a inclusão no orçamento anual de recursos para, gradativamente, se substituir os antipós em ruas, como a Paraíba, em que o fluxo de veículos é intenso e constante.

Carlos Bueno, aposentadoCuritiba, PR

Democracia

Qual a democracia que nós precisamos, ou queremos? Países mais novos que o nosso, e outros que ressurgiram das cinzas, do pós-guerra, estão muito à frente de nós. Com economias bem mais sólidas, crescimento satisfatório, e o PIB nas alturas, são chamados países de primeiro mundo. Parece que a nossa democracia tem andado aos reboques. Muitos projetos bons para o país não são aprovados porque as brigas e disputas políticas se colocam acima dos interesses da Nação, e do povo brasileiro. É de nos perguntarmos que democracia é essa, emperrada, que ao invés de trabalhar pelos interesses do povo, fica atrelada aos interesses partidários ou de grupos. Talvez, a maior reforma que se deveria ter feito fosse a reforma política. O Brasil parou. Provavelmente, até às próximas eleições não se aprove mais nada. Medidas importantes como a fusão do fisco federal, e outras, estão sendo rejeitadas, ou nem sequer seguem o seu curso normal de tramitação. Achamos que as TVs, Câmara e Senado deveriam ser menos elitizadas, e colocadas em rede nacional, de fácil acesso a toda população. O povo precisa se inteirar mais, do que se passa em nossas políticas e de como é exercida a nossa democracia. Não basta que, por intermédio de uma eleição livre e democrática, coloquemos lá nossos representantes sem que possamos vigia-los de perto e acompanhar o que estão fazendo.

Antonio Pereira, contadorLondrina, PR

Barulho

Eu moro do lado do DCE da UFPR na Rua General Carneiro, esquina com Amintas de Barros, e quase toda sexta e sábado os alunos da Federal decidem fazer festa com som alto. Essa festa dura até as 4 horas da manhã. Sei que a Polícia Militar trabalha sexta e sábado, a noite, em conjunto com o Meio Ambiente fiscalizando as reclamações. Já foram feitas diversas reclamações solicitando essa verificação e até agora não houve nenhuma alteração. A polícia nem aparece no local para verificar. Os moradores são impedidos de dormir por falta de respeito de alguns alunos. Já foi feita reclamação no 156 e na Secretaria do Meio Ambiente além da Polícia Militar, mas ninguém faz nada para resolver isso, e para que se possa ter uma noite tranqüila. Moro em uma região hospitalar, e que não deve ser perturbada pelo som alto.

Jonas Barbosa Leite NetoCuritiba, PR

Errata

Diferentemente do que foi publicado ontem, na página 24, em Mundo, o elefante não é o maior mamífero do planeta. O posto número 1 cabe à baleia. Os elefantes são, no entanto, os maiores mamíferos terrestres.

Pichações

Com relação aos comentários da leitora Nelma Galvão Puhl, a Prefeitura informa que a Defesa Social intensificou as ações de combate à pichação, ampliando o número de guardas e veículos destacados para essa tarefa, o que já resultou na prisão em flagrante, neste ano, de 78 pichadores, índice bem superior ao total de 50 detenções efetuadas durante todo o ano passado. Entre as medidas adotadas para coibir esse tipo de vandalismo, está a Lei 11.378, sancionada pelo prefeito Beto Richa. A nova lei estabelece multa de 714 Ufirs a infratores com idade a partir de 18 anos que ficam proibidos de participar de concursos públicos municipais. Se o infrator for menor de idade, a multa e indenização das despesas e custas da restauração do imóvel são aplicadas aos pais ou responsáveis legais. A prefeitura também lembra que a população pode e deve auxiliar no trabalho de fiscalização, denunciando as ações dos pichadores, no momento em que estas estão acontecendo. Basta acionar o serviço 153 da Guarda Municipal, o 156 da Central de Informações da Prefeitura ou o 190 da Polícia Militar.

Secretaria da Comunicação Social da Prefeitura de Curitiba

*****

As correspondências devem ser encaminhadas com identificação, endereço e profissão do remetente para a Coluna do Leitor – Gazeta do Povo, Praça Carlos Gomes, 4, CEP 80010-140 – Curitiba, PR. Fax (041) 3321-5472.

E-mail leitor@gazetadopovo.com.br.

Em razão de espaço ou compreensão, os textos podem ser resumidos ou editados. O jornal se reserva o direito de publicar ou não as colaborações.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]