i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

Estatuto rasgado

  • Por
  • 02/11/2012 21:02

Petistas já foram expulsos do partido por muito menos que desviar milhões de reais dos cofres públicos, mas José Dirceu, José Genoino, Delúbio Soares e João Paulo Cunha devem permanecer na legenda

O artigo 231 do estatuto do PT prevê a pena de expulsão do partido para os filiados que, entre outros atos, tiverem "condenação por crime infamante ou por práticas administrativas ilícitas, com sentença transitada em julgado." Desde o mês passado, petistas ilustres estão na categoria dos condenados em última instância – os mensaleiros José Dirceu, José Genoino, Delúbio Soares e João Paulo Cunha. A sentença ainda não transitou em julgado, mas o partido já adiantou: nada acontecerá ao quarteto, segundo o presidente da legenda, Rui Falcão. "Nenhum deles está incluído [na punição]. Não houve desvio administrativo. Quem aplica o estatuto somos nós. Nós interpretamos o estatuto", afirmou no dia 30 de outubro, tentando justificar como "interpretação" o ato de rasgar as regras partidárias.

A pizza intra muros já vinha sendo assada desde a condenação dos mensaleiros no Supremo Tribunal Federal. "Não houve uma iniciativa com vistas à exclusão desses companheiros do partido e o mais provável é que não haja, ainda que no estatuto esteja previsto", disse o senador Eduardo Suplicy ainda antes do segundo turno das eleições municipais. "Quem define as questões de encaminhamento sobre o estatuto é a Executiva. Eu não tenho opinião pessoal", afirmou Francisco Rocha, coordenador do Conselho de Ética do partido, tirando o corpo fora.

O contraste com outros partidos é claro: para citar apenas um evento recente, o Democratas só não expulsou o senador Demóstenes Torres pelo envolvimento com o bicheiro Carlinhos Cachoeira porque o parlamentar se adiantou e pediu a desfiliação. E Torres nem chegou a ser condenado judicialmente como o foram Dirceu, Genoino, Delúbio e Cunha. Bastaram os fortes indícios, que foram muito além de uma simples denúncia, para que o partido iniciasse um processo interno contra o senador.

Aliás, petistas já foram expulsos do partido por muito menos que desviar milhões de reais dos cofres públicos. Em 2003, a senadora Heloísa Helena e os deputados João Batista (Babá), Luciana Genro e João Fontes foram desligados da legenda por votar contra o governo em assuntos como a reforma da Previdência. Em 2009, os punidos foram os deputados Luiz Bassuma e Henrique Afonso, cujo "crime" foi defender a vida desde a concepção – a descriminalização do aborto é plataforma partidária, reafirmada por resolução do 3.º Congresso Nacional do PT, em 2007. Eles não foram expulsos, mas tiveram seus direitos partidários cassados, e ambos acabaram saindo do partido por conta própria posteriormente. Vale a pena questionar que conduta foi mais grave: a dos mensaleiros ou a dos parlamentares rebeldes ou pró-vida?

Até o momento, ainda era concebível uma visão otimista que separasse o Partido dos Trabalhadores, como instituição, dos delitos cometidos por seus membros, ainda que tivessem posição de liderança dentro do partido. No artigo "O PT não é quadrilha", publicado nesta Gazeta do Povo em 25 de outubro, o sociólogo Demétrio Magnoli lembra que o partido tem uma história de 30 anos que se confunde com a odisseia da redemocratização brasileira. Essa história, no entanto, fica gravemente manchada com o perdão interno concedido aos mensaleiros.

A iniciativa de não aplicar as regras partidárias aos mensaleiros diz muito não apenas sobre Falcão, Suplicy ou Rocha, mas sobre o PT como um todo. Os líderes que agora rasgam o estatuto do partido para proteger Dirceu, Genoino, Delúbio e Cunha são eleitos de forma direta pelos filiados – muitos dos quais, incluindo personalidades de destaque dentro da legenda, nutrem um genuíno compromisso com a ética na política. Por isso, é preocupante a ausência de manifestações dentro do PT contrárias à anistia, um assunto em que calar é consentir.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.