i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Coluna do leitor

Brigas em estádios 1

  • Porleitor@gazetadopovo.com.br
  • 12/12/2013 21:03

Meus alunos perguntaram o que Thomas Hobbes queria dizer quando afirmou que "o homem é o lobo do homem". Basta ter assistido ao jogo entre Atlético e Vasco para entender. O ser humano não precisa de um predador natural, pois ele mesmo é o predador do homem. Atentar de forma tão violenta contra o outro pelo simples fato de ele usar uma camisa diferente é irracional. Quando Aristóteles disse que uma vida sem reflexão nos torna meros animais, ele acertou. Se vivemos apenas para comer, trabalhar, dormir e, nas horas de folga, criar conflitos uns com os outros, de nada adianta termos evoluído.

Elsa Lima

Brigas em estádios 2

As cenas de violência em Santa Catarina refletem o que ocorre em nossos estádios, independentemente de time ou campeonato. Muito se fala em coibir a violência nos estádios, mas quem vai ter coragem para acabar com as torcidas organizadas? Quem perde com isso é o futebol e o verdadeiro torcedor; perdemos todos nós.

Paulo Cesar Griboggi, São José dos Pinhais – PR

Brigas em estádios 3

Enquanto os tribunais esportivos insistirem na punição dos times com a perda de mandos de campo, a violência tende a aumentar. As organizadas barbarizam em qualquer lugar. Que diferença faz para eles viajar 100 km para uma cidade ou para outra? Apenas sócios e os verdadeiros torcedores acabam punidos por não poder acompanhar os jogos. Temos de punir os verdadeiros culpados com o fim das organizadas e a prisão dos delinquentes. Transferir o local da briga não resolve o problema.

João F. de Freitas Filho

Brigas em estádios 4

Selvageria absurda. Creio ser ingênuo, mas sem a colaboração dos próprios clubes, governos estaduais e mesmo federal, pouco se conseguirá. Vi muitas manifestações de torcedores cheias de ódio e ignorância sobre essa tragédia. É por isso que a violência continua.

Orlando Pilati

Nelson Mandela

Em vida Mandela foi mais que um símbolo da indignação social, da esperança, da revolta, do grito popular solidário, da guerra e da paz. Com sua morte, o mundo ficou mais carente de exemplos e palavras de conciliação e luta por aquilo que se chama bem social para todas as pessoas. Seu legado vai muito além da África do Sul.

Cláudio Vicente da Silva

Recursos

Sobre a sugestão do leitor Alcir Sereni (Gazeta, 12/12), de destinar o ICMS gerado pela Itaipu para áreas específicas, cabe lembrar que, quando a Constituição Federal foi elaborada, as bancadas dos estados consumidores de energia inseriram um artigo determinando que o ICMS da energia, ao contrário dos demais produtos, não fosse pago no estado produtor e sim no consumidor, causando um enorme prejuízo ao Paraná. Reformar a Constituição é uma árdua missão, mas não é impossível e essa bandeira poderia ser levantada.

Fernando Fontana

Transparência

Se os deputados estaduais não querem prestar contas de seus gastos com alimentação, combustível, pessoal etc., deveriam acabar com tais verbas. Será que estão envergonhados do que gastam? Ou, quem sabe, estão se preparando para a gastança em ano eleitoral? Sinceramente, não vejo nenhum motivo nobre para esse recuo na transparência (Gazeta, 11/12).

Zuleika Loureiro Giotto

Funcionalismo

O Executivo, incompetente nos três níveis – federal, estadual e municipal –, tenta criar soluções miraculosas para a folha de pagamento inchada por corrupção e nepotismo, em que a meritocracia e a competência técnica praticamente não existem. Querem servidores públicos não estatutários, e sim celetistas para se adequar à Lei de Responsabilidade Fiscal, colocar os funcionários na vala comum do INSS e continuar gastando sem critérios e sem controle.

Leiber Caum

Engenheiros

O discurso do momento dá conta de que o Brasil é carente de tudo e, para fazer frente aos desafios, precisamos trazer do exterior os profissionais que nossas políticas não têm dado conta de formar. A professora Wanda Camargo (Gazeta, 11/12) pondera que a sazonalidade é a causa da falta de profissionais de engenharia. Isso significa que não há política permanente para obras projetadas, orçadas e executadas no tempo certo e com os preços ajustados. O Brasil carece de planejamento, gestão e educação, e os engenheiros brasileiros estão aptos para dar a sua contribuição.

Luiz Cláudio Mehl, engenheiro civil

Obesidade

Apesar de todas as evidências científicas a favor dos anorexígenos apresentadas pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, a Anvisa decidiu proibir a venda dessas substâncias, que quando bem indicadas muito auxiliam o tratamento da obesidade. Em benefício dos obesos, espero que esse projeto de lei que libera a venda dessas substâncias (Gazeta, 12/12) seja aprovado, desde que a Anvisa mantenha sob rígido controle a sua prescrição.

Henrique Suplicy, professor de Endocrinologia e Metabologia da UFPR

Grade curricular

Na necessária reformulação da grade curricular das nossas escolas, é mister que se leve em conta os fundamentos e os princípios da educação. Não se trata de implementar imposições na rede de ensino, mas de pensar na formação de uma geração digna, apontando a ela o caminho que conduz à verdade e à justiça. A cada direito corresponde um dever. Só assim a cidadania poderá ser exercida com convicção e teremos como resultado uma geração consciente e digna de um Brasil melhor e amado por seus filhos.

Aline Portugal W. R. Cunha, psicóloga

Ensino integral

Com corpo e mente ocupados, não sobra tempo para delinquência. Na década de 70, o ex-deputado federal e ex-governador do Rio de Janeiro e do Rio Grande do Sul Leonel Brizola já pensava assim, ao criar o ensino integral nas escolas de primeiro grau. A criança e o adolescente devem estudar em um período e fazer atividades físicas e praticar esportes em outro. Assim, não sobrará tempo para a prática da delinquência.

Roni Antonio Garcia da Silva

Gastos

A destinação de verbas para pagamento de contas com combustíveis, alimentação e outros gastos de integrantes dos poderes Legislativo e Judiciário é escandalosa para o momento em que vivemos. É um tapa na cara dos contribuintes, uma afronta ao povo.

Antonio Carlos Picanço Braga

Pesquisa eleitoral

Pesquisa eleitoral em ano que não é de eleição não ajuda muito os eleitores. A oposição mal se manifestou e Dilma Rousseff, utilizando a máquina pública, tem muitas vantagens. No ano que vem, as pessoas que hoje mencionaram Joaquim Barbosa como seu candidato estarão pensando na Copa, enquanto os presidenciáveis aumentarão suas aparições na mídia. Muita coisa mudará até a data da eleição.

Waldomiro Tarcísio Padilha de Oliveira

Pet shops

Muito bom esse projeto que obriga o uso de câmeras em pet shops (Gazeta, 9/12), mas e nossas crianças? Será que existe a mesma preocupação? As escolas serão todas monitoradas? Existe algum projeto para que isso aconteça?

Carlos J. Barroso

Cotas raciais 1

A banalização de cotas raciais (Gazeta, 7/12) se instalou neste país. E não se trata de corrigir distorções praticadas com o povo sofrido da África, trazido para o Brasil para ser escravizado. O objetivo tosco é ludibriar e brincar com a inteligência do povo. Há muitos negros brilhantes que não precisam dessas artimanhas.

Maria Stephan

Cotas raciais 2

Fazer cotas para negros em concursos públicos é racismo. Se fosse apenas questão racial, também deveria haver cotas para indígenas, chineses e outros grupos. Primeiramente eles teriam de ver quem está a fim de trabalhar e quem necessita de emprego, independentemente de raça. Há muita gente capacitada que não consegue emprego.

Antonio C. Dino

Denúncias

Muito pertinente a análise que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (Gazeta, 2/12) fez em seu artigo sobre o lulopetismo. Será que todos os políticos acoplados ao PT continuarão a enganar a grande maioria dos brasileiros indefinidamente? E as graves denúncias de Romeu Tuma Jr. só serão conhecidas por poucos?

Mauri José Piazza

Comissão da Verdade

A leitora Eliana França Leme escreveu que "um país governado por um partido que se diz de esquerda e que não apresentou nenhum ex-presidente vítima da opressão fica sem graça" (Gazeta, 12/12). A leitora esquece que Lula foi preso pela ditadura no início dos anos 80 e Dilma Rousseff também foi presa pelos órgãos da repressão.

Antonio Carlos Pacheco

Obras da Copa

A maioria das obras de mobilidade previstas para a Copa de 2014 ficará pronta até o início do Mundial. O problema é que elas serão feitas de qualquer jeito e depois teremos de arcar com o ônus de refazê-las. O governo deveria exigir um certificado de garantia das empreiteiras, assim como o consumidor cobra a garantia de um produto ou serviço prestado.

Edson Lincoln Florscuk

* * * * *

As mensagens devem ser enviadas à Redação com identificação do autor, endereço e telefone. Em razão de espaço ou compreensão, os textos podem ser resumidos ou editados. O jornal se reserva, ainda, o direito de publicar ou não as colaborações.Rua Pedro Ivo, 459 - Centro • Curitiba, PR - CEP 80010-020 • Tel.: (41) 3321-5999 - Fax: (41) 3321-5472.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.