i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Mais de 1 milhão

Como os alunos da rede estadual estudam, e como não estudam, durante a pandemia

  • 16/05/2020 20:00
  • Atualizado em 16/05/2020 às 20:20
Arthur, 11 anos, acompanha aula virtual da rede estadual do Paraná.
Arthur, 11 anos, acompanha aula virtual da rede estadual do Paraná.| Foto: Caroline Bugay/Arquivo Pessoal

Na segunda-feira (11), Lucas Gabriel, de 13 anos, foi com a avó até a escola estadual onde cursa o 8.º ano, no município de Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba. Eles pretendiam pegar o material impresso para ele retomar as aulas, suspensas desde 23 de março como precaução à disseminação do coronavírus. Lucas é um dos alunos que não tem internet em casa, nem televisão com sinal digital para acessar os canais do Aula Paraná, que começou a funcionar em 6 de abril. Na escola, a resposta foi que a impressão só é feita para quem mora em áreas remotas. Foi só na quinta-feira (14), após reportagens, que uma familiar escreveu à Gazeta do Povo avisando que a apostila tinha sido entregue, com uma mensagem de agradecimento.

RECEBA notícias do Paraná pelo WhatsApp

A avó de Lucas é a responsável pelo menino e tinha ouvido na escola que é possível usar internet gratuitamente, mas sem as explicações necessárias para uma idosa de quase 80 anos. Mesmo para pais e mães mais jovens, as tecnologias usadas no Ensino a Distância (EAD) são um mistério, conforme relatos coletados pela reportagem da Gazeta do Povo. A dificuldade maior está em famílias de baixa renda com filhos na rede pública.

Os depoimentos mostram um cenário já apontado por educadores: as desigualdades vão aumentar. Em nota técnica divulgada em abril, o movimento Todos pela Educação alertava que “para evitar a ampliação de desigualdades ao lançar mão de estratégias de ensino remoto, é fundamental entender que a disposição de recursos tecnológicos é diferente entre os distintos perfis socioeconômicos dos alunos e que aqueles que já têm desempenho acadêmico melhor tendem a se beneficiar mais das soluções tecnológicas”.

Seguindo os pareceres do Conselho Estadual de Educação (CEE) e do Conselho Nacional de Educação (CNE), o governo do Paraná adotou o ensino a distância. São ministradas aulas para toda a rede por diversos meios: aplicativos Google Classroom, Aula Paraná, YouTube e transmissão em tevê aberta, pela RIC Paraná.

Em 6 de maio, a Secretaria da Educação e Esporte (Seed) divulgou alguns dados: 402 mil alunos e 41 mil professores estavam cadastrados no Google Classroom, principal ferramenta do atual modelo de ensino - no sábado (16), a secretaria informou, por meio de nota enviada à Gazeta (leia abaixo na íntegra), que o aplicativo Aula Paraná foi baixado por mais de 800 mil pessoas e que, dessas, 539 mil acessam diariamente o Google Classroom. Mas o Paraná tem 982,3 mil alunos em escolas estaduais urbanas e 51,7 mil em escolas estaduais rurais, totalizando 1,03 milhão, segundo a Sinopse Estatística da Educação Básica de 2019. O número de docentes na rede é de 45,7 mil, dos quais 6 mil em área rural.

Em relação ao sinal transmitido pela televisão, não há como mensurar a quantidade de alunos que assiste as aulas por este meio. Também não há levantamento de quantos buscam o material impresso, destinado a quem não consegue acessar de forma remota.

Seja pela televisão – que requer antena digital e cômodos disponíveis na casa —, seja pela internet, depoimentos colhidos pela reportagem mostram a dificuldade que as crianças têm para acompanhar os estudos. “No bairro onde moro, sei que os alunos do ensino médio não estão estudando, os pais não conseguem cobrar deles, nem os professores. Muita gurizada fica nos campinhos, soltando pipa”, diz L.C.N., 43 anos, estudante de pedagogia e mãe de Ap., 13 anos, da 8ª série de uma escola estadual, e de Ax., de 8 anos, na 3ª série de uma escola municipal, ambos na Região Metropolitana de Curitiba. A maioria dos nomes desta reportagem foi omitida atendendo a pedidos.

O pedreiro H., 37 anos, morador de Araucária (RMC), tem três crianças em idade escolar: o mais velho com 14, um filho cadeirante de 10 e a menina que iria para a escola agora, com 5 anos. Quem cuida é a mãe. “Mas ela é totalmente leiga. As crianças não estão vendo nada. Eu saio de manhã para trabalhar, eu também não consigo ajudar, estudei pouco. A mãe foi ver se conseguia pegar as atividades na escola”, relatou ele.

A dificuldade em imprimir as atividades é o custo: A pedagoga L., 42 anos, que atua em Colombo, contou que usou 1.000 folhas com o material da primeira semana de aula para seis alunos. “Isso porque reduzi o tamanho dos slides, mas não pode reduzir muito, para ficar legível para o estudante observar e conseguir ler”.

Empurra-empurra

Mesmo para quem está acompanhando as aulas, a qualidade do material é questionada, e isso acaba criando um jogo de empurra-empurra entre professores, Seed e famílias. “O que vejo na escola estadual do meu filho é que ele está fazendo atividades, mas só reproduzindo do vídeo. Tem atividade ali que tem todas as respostas. Não estão pedindo para crianças lerem. Estão cobrando de pais. Mas tem pais que não sabem dar apoio”, relata L.C.N.

A pedagoga de Colombo avalia que há resistência de uma parte da comunidade escolar em usar a tecnologia. “O que observo é que tantos pais e alunos entendem muito de Facebook e Instagram, mas a plataforma de organização de estudos, acham muito difícil. Eu estimulo primeiro tentar a ferramenta, e tem dado certo. Quando entendem a forma de acesso e que pode ajudar na vida deles, é muito mais rápido e mais fácil”, argumenta.

De acordo com a Seed, é atribuição de cada escola fazer uma busca ativa pelos estudantes e acompanhar o andamento dos estudos: pela Resolução nº 1.522/20, ela tem caráter obrigatório. A norma foi publicada somente em 7 de maio, um mês após o início das aulas remotas. Ela também impõe à equipe pedagógica de cada escola que garanta “o acesso ao material impresso encaminhado pela mantenedora aos estudantes que não têm acesso aos recursos para aulas não presenciais, a ser entregue pela escola na mesma data da entrega da merenda”.

Sobre as tarefas, a Seed diz que “os exercícios de fixação do conteúdo passados em aula pela TV possuem um tempo para que o aluno resolva sozinho, a partir das explicações dadas, e depois são corrigidos pelos professores, como funciona em uma sala de aula regularmente”. Casos essas medidas não sejam cumpridas, a Seed orienta procurar os contatos 0800 643 3340 ou pelos números de WhatsApp (41) 99256-9603 ou (41) 99188-7800.

“Tudo bem se reprovar”

Caroline Bugay, 38 anos, técnica de laboratória na PUCPR, relatou no Facebook que iria escrever uma crítica à qualidade de atividades do Aula Paraná feitas pelo filho, Arthur Bugay, de 11 anos. Mas ela desistiu, ao refletir as difíceis condições de trabalho dos professores. “Imagino que os professores estão penando para colocar todas as atividades, e com muita pressão. Então não tive coragem de criticar, porque não sie qual a realidade de quem está criando aquilo”, disse à Gazeta do Povo.

Para Caroline, é importante cobrar qualidade, mas o fundamental mesmo é cuidar da saúde emocional do filho. “Confesso que não tenho uma preocupação tão grande de que ele passe de ano, porque não sei o quão ele aprende com esse ensino. EAD é uma coisa complexa, até para adulto fica difícil, então eu não me importo se ele tiver que fazer 6ª série ano que vem, por exemplo. No fim das contas, tanto faz se meu filho vai passar de ano. Só quero que ele fique saudável, que a mãe dele sobreviva, que a vó dele sobreviva”, acrescentou.

Para manter a mente do filho ativa, Caroline aderiu à rotina escolar, e acha bom ele acompanhar as aulas. Mas faz ressalvas quanto ao conteúdo, que imagina que poderiam ser mais lúdicos. “Temos uma vida simples, mas temos mais de uma televisão smart em casa, a gente tem celular, tem tablet, tem computador, e tenho um filho só. Imagina qualquer mãe que tem dois filhos em casa e tem que acompanhar todo esse volume de trabalho. Não tem como funcionar. Se funcionar, será para uma parcela pequena. Se é para uma parcela pequena, cancela, não é assim que tem que ser. Tem que ser pensado um sistema que funcione para todos. Por isso acho que a abordagem deveria ser mais lúdica, para todo mundo acompanhar. Veja que se fosse assim, poderia ser unificado: todos assistem um filme, fazem uma releitura e o professor avalia de acordo com a série que o aluno está”, opinou.

Atualização

Nota de esclarecimento enviada pela Secretaria de Estado da Educação:

A matéria “Como os alunos da rede estadual estudam, e como não estudam, durante a pandemia” destoa da realidade. Baseado em alguns depoimentos, estabelece a tese que os alunos da rede de ensino estadual não estão tendo acesso ao conteúdo das aulas não presenciais.

Desde o dia 6 abril, funciona um sistema multiplataforma (Aula Paraná) que disponibiliza conteúdo didático, com transmissão de videoaulas em três canais digitais abertos de TV, com o canal Aula Paraná no Youtube, com a criação de salas de aulas virtuais no Google Class Room e com o aplicativo Aula Paraná, que disponibiliza internet gratuita para os conteúdos digitais. Além disso, são entregues materiais impressos aos alunos que não tem acesso à internet e TV aberta. Muitos deles também são atendidos pelas 231 mil cestas básicas entregues quinzenalmente.

Ainda que a matéria afirme a dificuldade de acesso ao material didático, vale destacar que a transmissão nos 3 canais digitais abrangem regiões onde vivem mais de 10 milhões de paranaenses, exibindo algumas das 1028 aulas gravadas, durante 24 horas nos sete dias da semana. O Canal de Youtube, Aula Paraná, conta com mais 900 mil de usuários únicos e acumula mais de 16 milhões de visualizações.

O aplicativo Aula Paraná, que fornece internet de graça para o conteúdo online, foi baixado por mais de 800 mil pessoas. E esse aplicativo tem 579 mil acessos únicos, sendo que dessas pessoas 539 mil acessam diariamente o Google Class Room, que são as salas de aulas virtuais, onde estão as atividades, conteúdo didático e vídeos e materiais de apoio. Segundo levantamento diário 97% dos quase 43 mil professores acessam os sistemas online. Ademais 240 mil alunos buscam material impressos nas escolas estaduais.

Desde que começou o Aula Paraná, os núcleos de Educação, diretores de escolas e professores estão fazendo busca ativa dos alunos. Há diversos casos de ações criativas, como em Rebouças, onde o núcleo doou uma televisão para uma família que jamais teve este aparelho; em Assis Chateaubriand, em que o diretor doou um notebook para três crianças e leva o material gravado em pendrive, ou no Litoral e algumas cidades do Interior, onde os professores estão usando carros de som para chamar alunos que não estão assistindo as aulas.

Vale ressaltar que os professores já passaram por mais de mil lives, videoconferências, meetings e outras reuniões virtuais, em que foram feitas ações de formação, tiradas dúvidas, repassadas orientações. Tudo isto se unem a distribuição de 231 mil cestas básicas no Estado, para alunos de famílias carentes atendidas pelo Bolsa Família.

Atualizado em 16/05/2020 às 20:20
7 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 7 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • T

    Thinker

    ± 0 minutos

    Esse EAD feito nas coxas parece "O Mundo de Alice", onde um Faz de Conta que ensina e outro Faz de Conta que aprende. No final, todos fazem de conta que sabem, e ficam sabidos para sempre! Só que não!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    Fabiana Osternack

    ± 7 horas

    "... professores passaram por mais de mil lives..." Em um período de aproximadamente de 40 dias seria algo como 25 lives, webconferencia por dia. Creio que o governo deve rever as estimativas e números que apresenta, porque se isto está de acordo com a realidade, o mesmo deve admitir também que há uma sobrecarga no trabalho docente, pois para dar conta de assistir as aulas que são transmitidas, interagir com alunos através do Classroom, elaborar e corrigir atividades avaliativas, preencher RCO, fazer relatórios e ainda participar dessas formações, os professores devem estar trabalhando 24h por dia, sete dias por semana. Então, quando o governo vai valorizar professores?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    ANDRE.

    ± 9 horas

    O que a maioria dos políticos brasileiros adora na educação: “faz de conta que eu ensino e você faz de conta que aprende”. Grande parte (pra não dizer a maior) dos alunos e funcionários está ociosa, e rodando nas ruas como se não houvesse isolamento. Desta forma, era melhor terem aulas presenciais dia sim, dia não, dividindo em duas turmas.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Maquiavel

    ± 18 horas

    Para todos aqueles que criticam, poderiam então propor outras soluções!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • A

      ANDRE.

      ± 9 horas

      Sugiro dividir as turmas em duas, uma parte vai as aulas segunda e quarta, outra parte vai quinta e sexta. Assim os professores explicam e distribuem as atividades a serem feitas nos dias de aula não presencial.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Michele K

    ± 18 horas

    Excelente a atitude do governo do Estado em diatribuir as aulas. Outro kodo seria absterem-se e deixar as criancas sem nada! Não é momento de julgar a qualidade do que é dado mas sim agradecer a oportunidade de seguirmos em frente apesar dos obstaculos. Parabenizo os profs que estão se esmeirando para providenciar o estudo. Indico o sote www.desenhoinstrucional.com/blog que possui muito material gratuito para profa acessarem e melhorarem ainda mais o que já fazem bem.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    Sr. Walker

    ± 21 horas

    Isso aí é uma palhaçada, um faz de conta, uma coisa horrorosa Professores despreparados para gravar, alunos que sabe lá Deus o que estão fazendo em frete a um PC, que trava a toda hora, que tem imagens ruins, som pior ainda. Espero, do fundo do meu coração, que esse período sem alunos nas escolas não sejam confirmados como horas aulas dadas e aprendidas. Que se tenha a ombridade de reconhecer que todo o conteúdo que deveria ser passado aos alunos, venha a sê-lo. Que não sejam todas esses jovens e crianças aprovados apenas com esse patético arremedo de aulas. Por favor. Apelo principalmente ao governador e prefeitos. Não cometam esse crime conta a humanidade. Meu Senho tende piedade de nós.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.