Ademar Traiano (PSDB) conduz sessão remota desta quarta-feira (29)
Ademar Traiano (PSDB) conduz sessão remota desta quarta-feira (29)| Foto: Dálie Felberg/Alep

A Assembleia Legislativa aprovou nesta quarta-feira (29) o projeto de lei do governo do Paraná que propõe extinguir funções e ampliar a possibilidade de terceirizações (PL 189/2020). O texto já segue para sanção do governador Carlos Massa Ratinho Junior (PSD). Minoria na Casa, a oposição foi pega de surpresa ao ver o projeto de lei na pauta de votações do dia. Protocolado em 24 de março pelo governo estadual, o projeto de lei gerou polêmica entre os parlamentares na época e a própria base aliada admitiu recuo. Mais de um mês depois, nesta quarta-feira (29), o presidente da Casa, deputado estadual Ademar Traiano (PSDB), reconheceu durante a sessão remota que havia “pressão” para colocar em votação.

RECEBA notícias do Paraná pelo WhatsApp

Para que um projeto de lei seja aprovado, são necessários três turnos de votação, além da redação final. Nesta quarta-feira (29), Traiano conduziu três sessões extraordinárias, além da sessão ordinária, para que o texto já fosse à sanção do Executivo. A velocidade do trâmite foi criticada pela oposição: “É o tratoraço, o medo do debate, da discussão e da troca aberta de ideias”, reclamou o deputado estadual Requião Filho (MDB). A oposição apresentou oito emendas ao projeto de lei, todas rejeitadas.

Placar

No primeiro turno de votação, 8 dos 54 parlamentares votaram contra o projeto de lei: Anibellli Neto (MDB), Arilson Chiorato (PT), Goura (PDT), Luciana Rafagnin (PT), Professor Lemos (PT), Requião Filho (MDB), Soldado Fruet (Pros) e Tadeu Veneri (PT). Outros 39 votaram a favor. Além disso, quatro registraram abstenção: Evandro Araújo (PSC), Mabel Canto (PSC), Márcio Pacheco (PDT) e Tercílio Turini (CDN). O presidente da Casa, Ademar Traiano, e os deputados estaduais Boca Aberta Junior (Pros) e Maria Victória (PP) não participaram da votação.

Já no segundo turno de votação, quando se discute o mérito do projeto de lei, o número de parlamentares que votaram contra foi maior, 11 no total: Boca Aberta Junior (Pros), Evandro Araújo (PSC) e Mabel Canto (PSC) registraram "não", junto com os oito parlamentares que já haviam votado contrários ao texto no primeiro turno.

Extinção e terceirização

Em março, em resposta à Gazeta do Povo, a Secretaria da Administração (Seap) explicou que a ideia do projeto de lei é extinguir “cargos acessórios, meramente burocráticos, ou que, pela evolução do serviço público, estão deixando naturalmente de ser necessários”. A terceirização, de acordo com a Seap, é uma consequência da extinção dos cargos: “Há situações que podem ser realizadas por terceiros, porque não envolvem tomada de decisão ou atuação estratégica e, por consequência, não precisam ser executados por servidores públicos”.

A pasta reforçou ainda que os servidores que estão hoje ocupando os cargos que o governo do Paraná pretende extinguir não serão prejudicados, já que a eliminação da função só ocorre a partir da aposentadoria do funcionário, ou seja, quando a cadeira ficar vaga. “Com a extinção de funções que já não são mais compatíveis com a atual formatação do Executivo, o Estado pode centralizar esforços na execução das atividades estratégicas, promovendo a economicidade e aplicação racional dos recursos”, argumenta a Seap.

Nesta quarta-feira (29), a Seap também pontuou que “a revisão das carreiras e extinção de algumas funções não implica necessariamente em terceirização das atividades”. “Algumas atividades já estão sendo substituídas por sistemas informatizados ou por formas alternativas de prestação dos serviços e atendimento ao cidadão. O projeto de lei propõe, por exemplo, a extinção da função de motorista de alguns quadros onde ela ainda existe. Atualmente, o Estado conta com software para locomoção administrativa de servidores (TaxiGov), o que reduz em 50% o custo geral, caso fosse utilizado carro da frota própria e servidor público que exerce a função de motorista”, defendeu.

No projeto de lei, a lista com os nomes das funções que seriam extintas é extensa, mas a maioria é de vagas de nível fundamental em áreas como Saúde e Educação. A Seap não soube informar quantas cadeiras no total seriam eliminadas.

Críticas

Para a oposição, a terceirização é prejudicial. “Estamos diante de um projeto de lei que pretende reduzir o espaço do Estado, enquanto protetor do cidadão. Todas as vezes que tivemos terceirizações, o serviço piorou. Queremos um Estado forte, e não um Estado privado”, afirmou o deputado estadual Tadeu Veneri (PT).

O deputado estadual Professor Lemos (PT) acrescentou que os alvos do texto “não são atividades temporárias” e que o “servidor na carreira tem formação continuada” e pode “servir melhor a população”.

Os parlamentares também criticaram o momento da votação, quando a Casa não consegue realizar audiências públicas por causa das medidas de enfrentamento à circulação do coronavírus.

13 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]