i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Finanças públicas

Carrodependência: um quarto da arrecadação do Paraná vem sobre rodas

  • PorBrunno Brugnolo, especial para a Gazeta do Povo
  • 20/02/2020 11:12
Paraná tem a terceira mais frota de veículos do país
Paraná tem a terceira mais frota de veículos do país| Foto: Reprodução/AIE

Nenhum setor recolhe tantos impostos aos cofres do
Paraná como o automobilístico. A arrecadação passou dos 25% da receita total do estado em 2019, de R$ 50,6 bilhões. Considerando apenas receitas de impostos e taxas, o dinheiro sobre rodas ultrapassou os 38% do total. São impostos para produzir, circular e fazer os veículos rodarem – este último, o ICMS, que incide sobre os combustíveis, é o mais pesado na balança.

Não à toa, a provocação do presidente Jair Bolsonaro para que os estados zerassem o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) dos combustíveis gerou alvoroço entre governadores, uma vez que cortaria uma fatia importante da arrecadação das unidades federativas sem propor uma contrapartida. Aqui no Paraná, a fatia incidente sobre os combustíveis representa anualmente mais de 20% do total do ICMS arrecadado.

"Em alguns estados alcança 30%, aqui no Paraná é de 22%, 23%. Se perderia R$ 6,8 bilhões da noite para o dia", disse nesta terça-feira (18) o secretário da Fazenda, Renê de Oliveira Garcia Júnior, durante a prestação de contas do último quadrimestre de 2019 na Assembleia Legislativa. Mais precisamente, o imposto foi responsável por arrecadar R$ 6,98 bilhões no ano passado, segundo a Secretaria de Estado da Fazenda (Sefa). No total, correspondeu por 13,8% de toda a arrecadação.

No ano anterior, o ICMS dos combustíveis representou 13% de toda a receita do estado (R$ 49,3 bilhões), ou 13,3% desconsiderando receitas extraordinárias – pouco mais de R$ 1 bilhão de antecipação de receitas do Paraná Competitivo e de venda de ações da Sanepar.

"O estado ainda é fortemente dependente do ICMS, 77% da arredação de impostos vêm do ICMS", comentou Garcia Júnior. Mesmo assim, o secretário fez ressalvas e prevê queda na arrecadação referente aos combustíveis. "A arrecadação dos estados industrializados está passando por um forte ataque da nova realidade econômica. Não só está ocorrendo uma série de investidas do setor informal na economia formal, como também está ocorrendo uma perda de arrecadação nos três principais itens da arrecadação, um deles é o setor do combustível", afirmou.

Carros mais econômicos

"Tem um problema, que estão aparecendo carros mais econômicos, modernos e ate híbridos, que faz com que o consumo de combustível diminua. E também há a possibilidade de estar ocorrendo um tipo de mistura de gasolina com álcool [acima do permitido por lei], e isso pode contribuir para uma perda de arrecadação, apesar de ser o item que mais fiscalizamos", completou o secretário.

Dando sustentação ao pilar automotivo está o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA). O estado é o terceiro que mais arrecada com ele - R$ 3,68 bilhões em 2019. Com a terceira maior frota de veículos automotores do país – cerca de 7,5 milhões – o Paraná tem 60% deles tributados. São cobradas alíquotas sobre o valor de venda estabelecido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe): de 3,5% (no caso de carros e motos) e 1% (cobrada de ônibus, caminhões, veículos de carga, de aluguel ou aqueles movidos a GNV).

A arrecadação bilionária poderia ser ainda maior não fosse a inadimplência. Dados da Sefa apontam historicamente para índices na casa dos 10% a cada ano. O secretário da Fazenda revelou na audiência pública, inclusive, que tem o desejo de criar um "Refis do IPVA".

Já o ICMS pago pela indústria automotiva como um todo somou R$ 2,22 bilhões em 2019, de acordo com a Sefa. Para a produção de veículos nas montadoras por exemplo, a alíquota do imposto é de 12%.

Empregos

Apesar de mais pujante no início da década, pré-crise, o setor ainda tem uma das cadeias produtivas mais importantes do estado. A indústria automotiva paranaense, terceira maior do país, gerava 36,4 mil empregos em 2018, segundo a Federação das Indústrias do Estado do Paraná, número que possivelmente cresceu no ano passado, devido à retomada e ao aumento da produção.

Atuam no setor quase 496 diferentes empresas, considerando montadoras de veículos, fornecedoras de peças e acessórios e fabricantes de cabines, carrocerias e reboques. Com salário médio acima dos R$ 4,2 mil, a indústria injetou através de sua massa salarial cerca de R$ 156 milhões.

O impacto econômico fica ainda maior, se consideradas as redes de oficinas, lava-jatos e demais estabelecimentos adjacentes que geram renda e tributos diversos às três esferas do poder executivo.

Mas o pedágio e as multas? 

Como já mostrou a Gazeta do Povo, a fatia do pedágio que vai para o governo estadual é de 2 centavos a cada R$ 1 e é usada na fiscalização: para reequipar a polícia rodoviária, gestão do contrato pelo Departamento de Estrada de Rodagem (DER) e monitoramento das condições da rodovia pela Agepar. Em 2019, por exemplo, dos 2 bilhões arrecadados pelo pedágio, aproximadamente 40 milhões caíram nos cofres do governo.

Já as multas relativas ao Detran-PR (inferior a R$ 100 milhões/ano) também têm destinação específica para ações de melhoria no trânsito. O órgão também arrecada com o certificado de registro e licenciamento do veículo (CRLV), com taxa de R$ 86,50 por veículo. Em 2019, após as deduções legais, resultou em uma receita de R$ 127,4 milhões.

6 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 6 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • N

    Nada a Ver

    ± 2 dias

    Já fiz levantamento e vou transferir o carro para o Estado de SC que é mais barato o IPVA lá!!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Marcos Ctba

    ± 2 dias

    Se diminuir uso de carros e economizar luz e agua e combustíveis. O governo do PR quebra e não tem dinheiro para pagar funcionalismo publico que consome 80% arrecadação de impostos. Que situação chegou . Temos que consumir produtos que comprometem o meio ambiente e ainda não ter dinheiro para investir em educação ,saúde, infraestrutura e bem estar do cidadão.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Rosny Aryon Conrad

    ± 2 dias

    Pagamos imposto triplicado dos veículos; IPVA, Pedágio e as Multas por infrações para rodar nas Rodovias que são nossas, não mencionei os impostos altos que incidem em combustíveis, peças e tantos outros. Pena que grande parte destes impostos são surrupiados por parte daqueles que administram a coisa pública. Em contrapartida temos estradas ruins, rodovias mal feitas, mal planejadas, insegurança etc. Seria até prazeroso pagar tais impostos e estes aplicados integralmente para o fim a que eles são cobrados!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    RELHO

    ± 2 dias

    E com toda esta verba , não fiscalizam os decibéis de milhares de motocicletas que cruzam as cidades com o escapamento aberto .... poluição sonora permitida livremente .....

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    MORALES

    ± 3 dias

    Tanta coisa importante para a sociedade paranaense discutir, qualidade da educação, atratividade, infraestrutura, educação de qualidade, universidades.... mas os jacus querem perdem tempo com matagal inútil na beira da praia. E o governador cai nessa conversa idhiota.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    Decio mango

    ± 3 dias

    O que os governadores tem que explicar e a bitributação que ocorre com o formato em que o ICMS e cobrado...a gasolina diesel e álcool o ICMS não e cobrado sobre o preço paga na refinaria..mas no preço pago em um valor arbitrado pelo fisco como sendo o valor da venda ao consumidor....ou seja o ICMS chega a quase 70% do valor dos combustíveis.....

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.