Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Superlotado, Hospital de Retaguarda de Cascavel não recebe mais pacientes com Covid-19.
Superlotado, Hospital de Retaguarda de Cascavel não recebe mais pacientes com Covid-19.| Foto: Prefeitura de Cascavel

Com o cenário mais grave em todo o Paraná na crise da lotação de leitos de Covid-19, a prefeitura de Cascavel vai receber uma carga extra de vacinas enviadas pelo Ministério da Saúde e solicitou ao governo do estado a transferência de pacientes para outras cidades. O município alerta para a iminência de ter que manter pacientes em ambulâncias por falta de vagas nos hospitais se não for encontrada uma solução para a superlotação de leitos. Algumas famílias cascavelenses estão preferindo manter seus entes infectados com bombas de oxigênio em casa para não ter que ir para os hospitais superlotados.

Receba as principais notícias do Paraná no celular

"A situação é desesperadora", resume o prefeito Leonaldo Paranhos (PSC) em entrevista ao jornal Meio Dia Paraná, da RPC. A Secretaria Estadual de Saúde (Sesa) montou uma força-tarefa para ativar mais 32 leitos de Covid-19 na cidade ainda nesta semana, sendo 22 de terapia intensiva e 10 de enfermaria.

Nesta quarta-feira (4), o Ministério da Saúde enviou à Sesa 146,8 mil doses de Coronavac para serem distribuídas para todos os municípios paranaenses. Entretanto, 6 mil doses desse total serão enviadas exclusivamente para Cascavel ainda nesta quarta.

Além disso, o ministério também enviou na terça-feira 15 respiradores para serem usados na abertura de mais vagas de UTI na cidade. Nesta quinta-feira (3), o ministro da saúde, general Eduardo Pazuello, vai à cidade discutir com o prefeito Leonaldo Paranhos medidas para o sistema de saúde municipal não colapsar de vez.

A Secretaria Municipal de Saúde de Cascavel já está tendo que transferir pacientes para cidades vizinhas. Entretanto, como praticamente todos os hospitais da Região Oeste estão sobrecarregados, a prefeitura pede agora que os doentes sejam transferidos para outras regionais de Saúde da Sesa.

“Estamos solicitando ao governo do estado a transferência urgente de pacientes das UPAs, uma vez que o atendimento no município chegou ao limite. Estamos na iminência de ter que reter as ambulâncias do Samu para garantir os atendimentos que já estão dentro das unidades”, alerta o secretário municipal de Saúde Thiago Stefanello.

Recepção vira enfermaria

Na noite de terça, Cascavel sentiu mais um impacto forte do avanço acelerado do coronavírus. Após o Hospital de Retaguarda deixar de receber pacientes com Covid-19 no fim da manhã por estar superlotado, por volta das 22 h foi a vez da UPA do Brasília, a maior do município, que desde a semana passada só atendia pacientes com Covid-19, deixar de receber mais pacientes pelo mesmo motivo.

A superlotação da UPA é tamanha que não só os corredores, mas também a recepção da unidade teve de ser improvisada como enfermaria, com pacientes em macas.

Já o Hospital de Retaguarda, referência no tratamento de Covid-19 em toda a Região Oeste, já colapsou no domingo (28), quando a diretoria chegou a emprestar do zoológico um respirador e bombas de infusão (que leva o remédio do soro até o braço do paciente) por não ter mais equipamentos para atender os pacientes.

Terça-feira, o Hospital de Retaguarda deixou de internar mais pacientes. A unidade estava com 26 pacientes além da sua capacidade de 48 leitos, que é de 28 vagas de enfermaria e 20 de UTI.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]