i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Covid-19

A médica que comanda o “batalhão” do HC, equipado para a guerra contra o cononavírus

  • Katia BrembattiPor Katia Brembatti
  • 05/04/2020 09:00
Claudete Reggiani, superintendente do Hospital de Clínicas.
Claudete Reggiani, superintendente do Hospital de Clínicas.| Foto: Dálie Felberg/Alep

Nos 40 anos em que exerce a Medicina, Claudete Reggiani já viveu muitos desafios, mas reconhece que nunca esteve diante de uma crise médica das proporções que a pandemia do novo coronavírus causou. Superintendente do Hospital de Clínicas (HC), ela vive um período de intenso planejamento – já que os preparativos para o atendimento em massa começaram em janeiro, mas até o momento o cenário é de aparente tranquilidade.

RECEBA notícias sobre o Paraná pelo WhatsApp

É que metade do hospital está destinada exclusivamente ao atendimento de casos de Covid-19, mas a ocupação ainda é baixa, com 14 dos 61 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) reservados e com menos de dez pacientes na enfermaria. Mas Claudete está a postos, à frente de um batalhão de 3,5 mil servidores e 800 terceirizados, para dar aos casos encaminhados o melhor tratamento possível. Acima dela está apenas o conselho administrativo do hospital, que foi ampliado emergencialmente no momento de crise, para incluir mais profissionais com especialidades capazes de auxiliar na tomada de decisão.

Claudete atua como professora na Universidade Federal do Paraná (UFPR) há 32 anos, sendo que de 12 anos para cá dedica-se também a cargos de gestão. Na superintendência do HC está há 3 anos. No comando de uma instituição com vocação acadêmica, Claudete se diz emocionada com o comprometimento dos profissionais. Muitos dos professores que estão dispensados das aulas (a UFPR não está oferecendo ensino virtual para os estudantes de cursos presenciais) se ofereceram para ir trabalhar no hospital. “É bem bonito ver isso”, resume.

O HC também está na linha de frente na área de pesquisa. É uma das instituições selecionadas pela Fiocruz para fazer os testes controlados com o uso de cloroquina, substância apontada como uma das possibilidades de tratamento para Covid-19. Claudete conta que outros experimentos, nas mais diversas áreas, já estão em curso ou em vias de serem autorizados pelo comitê de ética.

Como ginecologista, viu de perto muitas das transformações nos parâmetros de atendimento. Um exemplo que cita é o surgimento da AIDS, que passou a se intensificar a partir de 1986. “Antes disso, no momento do nascimento a gente pegava o bebê sem proteção, muitas vezes tendo contato com o sangue”, comenta. De lá para cá a Medicina enfrentou vários desafios, mas ela acredita que nada se compare ao que o mundo está vivendo agora. “Nunca vi uma situação igual, de parar tudo para cuidar da saúde”, diz.

Nesses momentos de adversidade, Claudete comemora o resultado da união de forças. Ela comenta que a Associação dos Amigos do HC tem sido fundamental para agilizar o contato com a sociedade, sem tantas amarras burocráticas. Foi a organização, por exemplo, que negociou com o Coritiba para ceder o alojamento do estádio Couto Pereira para profissionais de saúde descansarem, sem o risco de contaminarem suas casas, bem como fez uma campanha para doação do enxoval necessário (lençóis, toalhas e cobertores). “Somos todos contra essa doença”, finaliza.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • E

    EDUARDO SERGIO DA COSTA NEGRAO

    ± 0 minutos

    Parabéns pelo seu grande profissionalismo e capacidade de gestão.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso