i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
CPI da JMK

Relator quer indiciamento de 19 pessoas por fraude na gestão de veículos oficiais

  • Por Catarina Scortecci
  • 03/12/2019 20:04
Um resumo do relatório foi lido na reunião da CPI desta terça-feira (3). O relatório será votado no próximo dia 10
Um resumo do relatório foi lido na reunião da CPI desta terça-feira (3). O relatório será votado no próximo dia 10| Foto: Dálie Felberg/Alep

A CPI da JMK da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) vai chegando ao fim. Na manhã desta terça-feira (3), o relator da Comissão Parlamentar de Inquérito, deputado estadual Delegado Jacovós (PL), apresentou o relatório final dos trabalhos. O documento tem mais de 200 páginas e será votado no próximo dia 10 pelos demais membros do colegiado. Nele, Jacovós pede o indiciamento de 19 pessoas e faz 12 recomendações para evitar que problemas semelhantes se repitam no governo do Paraná.

RECEBA as notícias de Paraná pelo Whatsapp

A CPI ganhou força na esteira da Operação Peça Chave, deflagrada em maio pela Polícia Civil. No centro da investigação está a empresa JMK Serviços S.A., suspeita de fraudar orçamentos de serviços de consertos de veículos no âmbito de um contrato assinado em 2015 com o governo do Paraná. A empresa nega ter cometido crimes e informa que vai apresentar à Justiça Estadual “todas as provas de que cumpriu rigorosamente o contrato”. Também acrescenta que “a autoridade policial tem desde o início agido com indevida precipitação na análise do caso”.

Na Alep, a CPI foi proposta pelo deputado estadual Soldado Fruet (Pros), que acabou se tornando presidente do grupo. Ao longo de quase seis meses, a CPI realizou 25 reuniões, com 46 oitivas. Entre as 19 pessoas que podem ser indiciadas, 14 são ligadas à empresa e cinco são agentes públicos envolvidos na licitação e execução do contrato com a JMK.

Com base na Operação Peça Chave, a Polícia Civil já indiciou 14 pessoas por crimes como fraude à licitação, fraude na execução de contrato, falsidade ideológica, lavagem de dinheiro e associação criminosa. Mas a Polícia Civil continua investigando o caso.

Frota oficial

O contrato entre o governo do Paraná e a JMK para manutenção e conserto da frota oficial foi encerrado em julho último. Na sequência, foi feito um contrato emergencial com a empresa Maxi Frotas, e que vigora até dia 14 de janeiro de 2020. Um processo licitatório, para contratação de uma nova empresa, está em andamento.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.