i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Peça Chave

Ex-secretária da gestão Beto Richa defende contratação da JMK: “não era criminosa”

  • PorCarlos Coelho
  • 02/07/2019 16:25
Dinorah Nogara foi secretária da Administração entre 2013 e 2016
Dinorah Nogara foi secretária da Administração entre 2013 e 2016| Foto: Foto: arquivo/AENpr

Secretária da Administração em parte da gestão de Beto Richa (PSDB), Dinorah Nogara defendeu nesta terça-feira (2) o modelo e os resultados iniciais da contratação da JMK, empresa responsável pela logística dos serviços de reparo na frota estadual de veículos e investigada por irregularidades como superfaturamento e fraude. “Tivemos sucesso com o modelo no primeiro ano de gestão”, disse. Para ela, a “empresa não era criminosa naquele momento", se referindo apenas ao período em que ela esteve no cargo e procurando não fazer juízo de valor sobre a investigação.

RECEBA nossas notícias pelo WhatsApp

Dinorah foi chamada para esclarecer pontos de sua gestão em mais uma etapa de oitiva da CPI da JMK, instaurada na Assembleia Legislativa no começo de junho - veja o que diz a empresa. De acordo com a Polícia Civil, que deflagrou a operação Peça Chave, o esquema instaurado pela empresa teria lesado os cofres públicos em mais de R$ 125 milhões. A atuação dos criminosos envolvia a falsificação e adulteração nos orçamentos de oficinas mecânicas, aumentando o valor do serviço prestado e provocando superfaturamentos que chegariam a 2.450%.

Segundo a Polícia, as irregularidades foram constatadas com base na análise de toda a vigência do contrato entre JMK e estado – de 2015 a abril deste ano. Dinorah comandou a pasta da administração de janeiro de 2013 e maio de 2016. Por quase um ano e meio foi a responsável pela condução deste contrato.

Apesar disso, a ex-secretária disse nunca ter tido conhecimento de irregularidades e afirmou que o contrato nunca teve uma impugnação oficial.

Durante a conversa, a ex-secretária rechaçou a tese de falta de fiscalização do governo durante os anos em que esteve à frente da pasta. Para o relator da CPI, deputado Delegado Jacovos (PR), o edital entregava a fiscalização para a própria empresa responsável por distribuir os serviços, facilitando as fraudes. Dinorah sustenta que a fiscalização era feita pelo Departamento de Gestão do Transporte Oficial (Deto), um órgão do ligado à administração estadual.

Dinorah afirmou ainda que a contratação do serviço reduziu gargalos e gerou economia aos cofres do estado. Segundo a ex-secretária a contratação da JMK reduziu os custos da casa de R$ 40 milhões, em 2014, para R$ 19 milhões, em 2015. “No modelo anterior, apenas trinta e poucas oficinas eram credenciadas. Quando o carro tinha que passar por reparo, era deslocado, Não havia vistoria, era no escuro”, defende. Ela afirma que o custo médio por reparo caiu de R$ 1,6 mil para R$ 1,3 mil.

Estender contrato foi "decisão de risco"

Também participou da reunião desta terça-feira o atual secretário da Administração, Reinhold Stephanes, que afirmou que estender o contrato com a JMK foi “decisão de risco”. Na virada do ano, o governo de Carlos Massa Ratinho Junior (PSD), ampliou por seis meses o contrato com a empresa, mais tarde suspenso e substituído por um chamado de contratação emergencial.

“Não podíamos fazer [a contratação emergencial] sem romper o contrato com a empresa”, justiçou o secretário. De acordo com ele, o processo levaria pelo menos quatro meses, contando prazo de defesa da JMK, deixando a frota que estava na fila do reparo em espera.

Apesar disso, Stephanes apontou que a equipe sabia de movimentação suspeita. Isso por conta de dois pagamentos programados para o fim do contrato, mas sem descrição no acordo: um de R$ 10 milhões, em dezembro de 2018, outro de R$ 7 milhões, no começo do ano. O secretário aponta que o governo não fez o segundo pagamento a abriu a sindicância para apurar este serviço.

“Percebemos uma série de problemas operacionais. Havia uma fragilidade de todos os envolvidos. O Deto não estava preparado; os gestores não estavam preparados e a empresa também não estava preparada para esta gestão”, disse.

Stephanes apontou ainda que o novo edital, para contratar uma empresa pela gestão de serviços relacionados à frota de veículos do estado, deve ser publicado até o fim do mês, com correções em relação ao anterior.

O que diz a empresa JMK

Em nota, a JMK aponta que “acredita que o trabalho da CPI é fundamental para esclarecer o funcionamento do contrato de gestão compartilhada da frota pública com o estado”.

“Era responsabilidade do órgão usuário do veículo conferir o trabalho executado pela oficina e inclusive avisar no caso de qualquer problema detectado. Conforme explicaram a ex-secretária de Estado da Administração Dinorah Nogara e o atual secretário, Reinhold Stephanes, nesta terça-feira (2), a responsabilidade pela execução do contrato era coletiva”.

2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 2 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • J

    João Armindo

    ± 0 minutos

    Eu não entendo como ela não é investigada a fundo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • A

      ARMANDO FRANCO DEBONI

      ± 155 dias

      Esta Sra. já era secretária de administração quando foi descoberto o esquema de manutenção de frota de Luiz Abbi, primo de Beto Richa e em função disso saiu de cena!!! Não é à toa que está nas secretarias de finanças ou administração seja na Prefeitura ou no governo do estado desde das gestões de Cássio Taniguchi até as gestões de Beto Richa!!!!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      Fim dos comentários.