i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Programa estadual

Deputados aprovam projeto de lei para criação de 200 escolas cívico-militares

  • 28/09/2020 21:09
Sessão remota da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (28)
Sessão remota da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (28)| Foto: Dálie Felberg/Alep

A Assembleia Legislativa aprovou nesta segunda-feira (28) um projeto de lei de autoria do governo do Paraná para criação de até 200 escolas cívico-militares. Trata-se do projeto de lei 543/2020, aprovado já em segundo turno pela maioria dos deputados estaduais. A oposição fez duras críticas à proposta, mas não teve votos suficientes para derrubar a ideia. Foram 43 votos favoráveis, seis contrários e cinco não participaram da votação.

RECEBA notícias do Paraná pelo WhatsApp

O projeto de lei cria o “programa de colégios cívico-militares” e, segundo o governo estadual, a ideia é implementá-lo em até 200 escolas da rede estadual de ensino em locais com características específicas, como alto índice de vulnerabilidade social e baixos índices de rendimento escolar, por exemplo. O texto também explica que a escola que receber o programa precisa estar localizada em um município com mais de 10 mil habitantes. A cidade também precisa ter ao menos dois colégios estaduais com oferta de ensino fundamental e médio na zona urbana.

A ideia da escola cívico-militar é que ela tenha uma direção conduzida de forma compartilhada, por servidores públicos civis, ligados à Secretaria de Estado da Educação (Seed), e também por militares do Corpo de Militares Estaduais Inativos Voluntários (CMEIV), ligados à Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp). Além da direção conjunta, o projeto de lei permite a presença de até quatro militares atuando como monitores. Eles devem receber diárias pelos serviços prestados e seriam escolhidos pela Seed e pela Sesp para um tempo determinado de trabalho (no máximo quatro anos).

Oposição vê “militarização do ensino”

Para o líder da bancada do PT, deputado estadual Tadeu Veneri, o governador Carlos Massa Ratinho Junior (PSD) está propondo um projeto de lei “ideológico e populista”. “Ele coloca quatro militares e diz que isso vai resolver o problema da educação. O que vamos ter é uma grande quantidade de jovens da periferia sendo tratados de forma muito diferente daqueles jovens dos colégios militares ou do colégio da Polícia Militar, que têm uma estrutura diferenciada. O problema hoje não é a escola A, B ou C. O problema é que os alunos estão em áreas de risco, em escolas caindo aos pedaços, com professores sobrecarregados, sem transporte, sem ginásio de esportes. Mas Ratinho Junior prefere jogar para torcida e dizer que quatro militares é uma grande solução”, disse ele.

Líder da bancada de oposição, o deputado estadual Professor Lemos (PT) vê uma “militarização do ensino”. “Tira a liberdade de ensinar e a liberdade de aprender, como prevê a Constituição. Fere profundamente a pedagogia democrática. Porque vem aí a proposta do vigiar e punir, que é completamente voltada para o conservadorismo. E quem procura conservar, procura conservar o passado. Não prepara os estudantes para o futuro. Então é algo que mata a curiosidade e a criatividade dos estudantes e, portanto, contraria a Ciência. E a escola é o espaço da Ciência”, disse o petista.

Lemos também reclamou da forma de nomeação dos diretores dos colégios que receberão o programa: pelo projeto de lei, eles serão indicados pelo próprio governo estadual, e não pela comunidade escolar, como acontece nas demais escolas públicas da rede estadual. Outro alvo de crítica foi o fato de o projeto de lei tramitar em regime de urgência, reduzindo a discussão na Casa. A prática tem sido adotada com frequência pela base aliada.

Líder da base reforça que comunidade será consultada

Ao responder as críticas, o líder da base aliada, deputado estadual Hussein Bakri (PSD), reforçou que as escolas cívico-militares só existirão “onde a comunidade escolar quiser”. Ele se refere a um ponto do projeto de lei que prevê a consulta pública prévia. Bakri também falou sobre a celeridade da proposta na Casa: “Vocês [oposição] já são conceitualmente contra o projeto de lei. Não adiantava ficar aqui seis meses discutindo”.

Relator do projeto de lei na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), o deputado estadual Fernando Francischini (PSL) também saiu em defesa do texto: “Educação e militarismo não são antagônicos. É uma fórmula de cooperação, um primeiro passo importante. A Educação focando no conteúdo, nos futuros pais e mães de famílias. A Segurança Pública focando na disciplina. Aprender novamente a amar a bandeira do Brasil, a cantar o hino nacional, a ter princípios e valores”.

Já o deputado estadual Evandro Araújo (PSC) pontuou que votou favoravelmente ao projeto de lei porque não viu nele os problemas apontados pela oposição. “Eu tenho a sensação de que estamos falando de projetos diferentes. Pelo que vi, o projeto pedagógico está preservado. Entendo inclusive que o projeto foi escrito por servidores de carreira da Educação, que tiveram cuidado de colocar no texto a questão da tolerância, do respeito à diversidade, por exemplo. Vi uma redação cuidadosa. A gente precisa evitar preconceito. Vi algumas falas carregadas de preconceito, demonizando a figura de militares, como se eles quisessem transformar as escolas em quarteis. Concordo que o projeto não vai resolver o problema da educação e que temos demandas graves, mas estamos falando aqui de outra coisa”, ponderou ele.

8 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 8 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • P

    Poppys

    ± 2 dias

    Melhor milico que dançarino de funk e fumador de bagulho.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Z

      Zé Mané

      ± 2 dias

      O Impressionante são os 5 votos contra da esquerdalha, escola deveria ensinar a mentir, roubar, traficar, sexo promiscuo, tudo liberado , como a esquerda apregoa, mas fuzila em seus paises comunistas.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • E

        Eden Lopes Feldman

        ± 2 dias

        Resumindo: durante as décadas socialistas a ideologia e a doutrinação aliados ao péssimo nível de ensino provocaram uma anarquia dentro das escolas públicas. Que prejudicou os alunos. Agora uma forma de resgatar este tempo perdido é trazer primeiro a disciplina. Para que possa ser retirada a doutrinação e reincluído o padrão de ensino que potencialize nossos alunos para o mercado de trabalho. E a esquerda protesta. Retiram dela o seu grande argumento: o progressismo de Paulo Freire.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • D

          Denis Sebascon

          ± 2 dias

          Que ótima notícia! Tomara que implantem uma dessas na minha cidade.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • I

            IvoHM

            ± 2 dias

            Só traduzindo o comunistês: quando aquele deputado do petê, o tal professor qualquer coisa, fala em "pedagogia democrática", ele quer dizer "doutrinação esquerdista das crianças desde cedo, ensinando 'cidadania' ao invés de matemática, gramática, inglês, história e geografia".

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • M

              Meg Litton

              ± 2 dias

              Tomara que os estudantes voltem a ter disciplina e saibam respeitar a Lei!

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              • J

                JOAO PYPCAK FILHO

                ± 2 dias

                São os deputados "filhotes da ditadura" querendo o retorno dos Atos institucionais. Nossos filhos e netos não merecem isso. Queremos sim é a liberdade de escolher o nosso destino. Bando de hipócritas!

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                • S

                  Sr. Walker

                  ± 2 dias

                  Oba, logo teremos milhares de Bolsonaros no estado. Vai ser uma parada militar só.

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

                  Fim dos comentários.