i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Educação infantil

Pais criticam novas regras para creches e admitem buscar opções na rede privada

  • 25/10/2019 19:10
Educação infantil
Mudanças na rede municipal de educação infantil deixou pais insatisfeitos.| Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo

A prefeitura de Curitiba pretende implantar uma série de mudanças na oferta de creches comunitárias para o ano que vem (leia mais aqui). As novas regras atingem as instituições que prestam o serviço, além de funcionários, pais e filhos. A proposta, ainda em discussão, prevê entre outras coisas o fim do pagamento complementar das famílias pelo serviço, define o valor por criança do financiamento público anual, passa os alunos de 4 e 5 anos para os Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs) e não permite aos pais escolher em qual creche os filhos ficarão.

RECEBA notícias do Paraná pelo WhatsApp

Em meio a esse debate que pode redefinir os parâmetros da educação infantil em Curitiba a partir de 2020, os pais se mostram apreensivos com as mudanças. Quem se manifesta lamenta não poder manter o filho na mesma unidade, onde já foram construídos laços afetivos e de confiança. Outra reclamação comum é que os CMEIs fecham mais cedo do que as creches comunitárias – além de não haver garantia para qual endereço será encaminhado – dificultando a vida de quem trabalha em horário comercial.

Duas famílias que conversaram com a Gazeta do Povo, em condição de anonimato, já disseram que farão um esforço para pagar uma escola privada. “Hoje a escolinha que minha filha está é conveniada, a gente contribui com quase R$ 500, por período integral. Posso deixar 7h30 e buscar até 18h30, com todo o acompanhamento pedagógico, nutricional, com aula de robótica, todas as opções que em uma particular, para a idade dela, custariam em torno de R$ 2 mil. Agora avisaram justamente que a escolinha vai se tornar particular, porque o edital da prefeitura não cobre os custos. Mas não dá para deixar numa pública, tendo que buscar 17h30 ou 18h”, diz uma mãe.

Outra mãe também lamenta o fim da contribuição voluntária pelos pais. “É uma opção para nós, país de classe média baixa, optar por uma escola que cobra menos que as particulares e oferece um ensino e cuidado similar, já que há um apoio da prefeitura. Comecei a procurar opções para meu filho, já que eu e meu marido trabalhamos e precisamos de uma escola que atenda das 7h30 às 18h30. Não há essa opção na rede pública. E esclareceram que as vagas são prioritariamente para crianças em risco e com renda até 3 salários mínimos”, disse. Segundo a SME, a renda será avaliada conforme a demanda de cada local, com preferência dada aos mais pobres.

Para essa mãe, a prefeitura está prejudicando uma parte da população. “Teremos que cortar outras despesas para pagar uma escola para nosso filho, porque somos trabalhadores, pagamos impostos e mesmo assim não teremos mais esse apoio da prefeitura. Acredito que a prefeitura estaria inovando realmente se mantivesse os convênios para os pais que conseguem dar a contribuição voluntária e ainda oferecesse mais vagas integrais para os que não podem”, observa.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.