i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Eleição na UFPR

Para candidato de oposição, reitor atual está “coadunado com ideias de esquerda”

  • 30/08/2020 16:57
Horácio Tertuliano Filho, candidato a reitor da UFPR.
Horácio Tertuliano Filho, candidato a reitor da UFPR.| Foto: Divulgação

Estudantes, professores e demais funcionários devem participar, nos dias 1 e 2 de setembro, do processo de consulta pública para apontar a vontade da comunidade acadêmica em relação aos rumos da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Das quase 47 mil pessoas aptas a votar, 19,2 mil cadastraram senhas eletrônicas na primeira eleição eletrônica para a escolha de reitor. O número de participantes é um pouco superior ao que foi registrado na votação de quatro anos atrás (16,2 mil).

RECEBA notícias sobre o Paraná pelo WhatsApp

A Gazeta do Povo entrevistou os dois candidatos a reitor, Ricardo Marcelo Fonseca e Horácio Tertuliano Filho, abordando tanto assuntos sobre as bases da educação superior e aspectos de gestão, mas também levantando questões que foram alvo de trocas de acusações mútuas em redes sociais e nos debates realizados entre os adversários. O objetivo foi dar espaço semelhante a ambos os concorrentes. A entrevista com o professor Ricardo Marcelo acabou ficando um pouco menor, em função do acordo feito com a assessoria para que a conversa tivesse cerca de 45 minutos.

O conteúdo está disponível em vídeo, como forma de permitir que os candidatos aprofundassem seus pontos de vista, e é aqui transcrito, com ajustes próprios da transição da linguagem oral para a textual. O professor Horácio Tertuliano Filho concorre ao cargo de reitor pela primeira vez – pela Chapa 1, UFPR Forte – tendo a professora Ana Paula Mussi Szabo Cherobim como vice. Confira a entrevista.

Em quais aspectos acredita que diverge do seu adversário na disputa pelo cargo de reitor?
Durante anos, eu estive na base de apoio do atual reitor. Mas os problemas de gestão de uma universidade têm que ser encarados, enfrentados, deve-se tomar decisões sempre que um problema possa, por ventura, aparecer. Cabe ao gestor, na minha opinião, tranquilizar a sua população, mostrar a ela calma, resiliência, uma série de coisas que possam fazer com que as pessoas nos seus laboratórios, nas salas de aulas, se sintam tranquilas. E não colocar em alvoroço a comunidade. Por exemplo, ao dizer que a universidade fechará as portas em dois ou três meses. Que o pessoal da limpeza, da segurança, todo mundo será demitido. Isso para mim é pânico, é pavor. Então, uma das principais divergências que eu tenho com atual reitor é justamente o modo de gestão. Eu também sou gestor. Fui eleito e reeleito diretor do Setor de Tecnologia, com mais de oito mil pessoas sob o meu comando. Enfrento grandes desafios, mas uma coisa eu aprendi ao longo desses anos: que cabe ao gestor tranquilizar os que estão sob o nosso comando e não incitá-los a qualquer tipo de reação, ao medo, ao ódio ou a qualquer outra palavra que se aplica quando se trata de movimentos de massa.

O que o motivou a entrar na disputa pelo cargo?
A minha trajetória! Eu sou professor na Universidade Federal do Paraná há 25 anos. Após ter terminado o meu doutorado, na Universidade de Bordeaux, eu entrei no departamento de Engenharia Elétrica por concurso e desde então eu assumo grandes desafios. Era uma época em que o meu departamento possuía, apenas, 33 professores, dos quais, 23 eram do regime de 20 horas. Apenas dez de nós estávamos ali para segurar o piano, no jargão acadêmico. E desses, oito não eram nem mestres nem doutores. Éramos apenas dois doutores naquela época, que assumimos os cargos, as funções e os desafios. Hoje, 25 anos depois, o curso de Engenharia Elétrica é um dos maiores da nossa Escola de Engenharia e Arquitetura, com 57 professores. E 98% são mestres ou doutores. Ter chegado ao cargo de chefe do Setor de Tecnologia, para mim é motivo de muita honra e orgulho. Por isso me sinto qualificado e capacitado para poder desempenhar uma atividade superior, como é o cargo de reitor.

A UFPR forma milhares de profissionais que contribuem para a sociedade. De que forma acredita que a Universidade pode colaborar ainda mais com o desenvolvimento em todas as áreas?
A universidade pode colaborar para o desenvolvimento de todas as áreas com políticas claras, editais claros para atendimento às necessidades dos nossos professores. O que nós temos nos dias atuais é um entrave burocrático muito grande. Se uma empresa quiser fazer um acordo de cooperação com a Universidade Federal do Paraná, com muita boa vontade, leva em média nove meses. Vários empresários desistem ao longo do caminho. Um outro exemplo é tentar doar R$ 500 para a Universidade. Depois de três meses, você vai desistir. Então como a gestão pode ajudar os seus pares? Tornando a estrada mais pavimentada, criando meios de acesso a informação e editais que sejam claros e transparentes. Nós não podemos informar para a Universidade o nosso CPF todos os dias. Para fazer a minha inscrição como candidato a reitor eu tive que informar o meu CPF para a universidade em que eu trabalho há 25 anos. Nós podemos, sim, dar uma contribuição, enquanto gestores, sendo um agente facilitador. Em qualquer governo, nos últimos 25 anos, sempre teve corte e contingenciamento. Sempre vem um pacote do governo federal dizendo que a universidade não é tão importante assim. Mas, na minha opinião, cabe ao gestor em momentos como esses, procurar empresas, os patronais, as ONGs, entidades, instituições, escolas, enfim, para estabelecer parceria e fazer acordos de cooperação. É desse modo ser sempre um agente facilitador para que aquele que está atrás da gente, que depende do nosso trabalho, possa efetivamente encontrar o caminho pavimentado.

É premente a cobrança social sobre a inovação partir do ambiente universitário. Quais iniciativas acha que a Universidade deveria ter nesse setor?
Eu acredito que quem paga o nosso salário é a sociedade. E a universidade tem o dever de devolver para o povo aquilo que ali é produzido, em forma de bens e de serviços. A gente sempre ouviu falar que o Hospital de Clínicas era um hospital de referência em transplante de medula óssea e de órgãos. E com as Engenharias tinha o [projeto] Engenheiro da Família. Os cursos de Exatas tinham programas de formação de professores secundaristas. Ou seja, a Universidade, no passado, sempre foi um celeiro de produção de desenvolvimento científico e mesmo cultural, a exemplo do Festival de Antonina. Com o passar dos anos, nós fomos perdendo um pouco essa característica. Hoje é quase um contrassenso dizer que o Hospital de Clínicas é um hospital-escola. E quando uma universidade deixa de promover o ensino, a pesquisa e a extensão, se transforma simplesmente em uma prestadora de serviço. O papel da universidade é o de fomentar ações para dar à sociedade o retorno que lhe é merecido. O médico estudante tem que poder operar, tem que estar realizando as suas ações, aprendendo a sua profissão na prática. E quando eu digo médico, também me refiro aos demais profissionais da área da Saúde. Nas engenharias é a mesma coisa. Não existe sentido, por exemplo, em não incentivar um aluno para que ele vá para uma empresa fazer um estágio, a menos que ele queira fazer o estágio dentro da universidade, através das bolsas de iniciação científica. Efetivamente o nosso papel vai além da formação do aluno. O nosso compromisso é com a sociedade paranaense, para devolver justamente o que ela investe. Por isso não podemos viver no intramuros sem levar à comunidade o que ela tanto necessita.

Mas na área de inovação o senhor imagina algumas ações específicas?
A inovação está no DNA dos nossos engenheiros. Eu tenho que entender a universidade como um todo, com os matizes e suas diversidades. Eu incentivarei sempre a inovação porque é uma das maneiras de devolver à sociedade o que produzimos. Mas claro, sou obrigado a respeitar as dicotomias. Eu tenho que entender que nem todos os cursos têm cunho tecnológico ou de inovação. Então eu acho que nós temos que desenvolver dentro da universidade ações nas quais todas as áreas sintam-se contempladas, abraçadas e participativas. Aqueles que gostam e querem a inovação empresarial terão total apoio da reitoria para que essa inovação ocorra, de uma maneira célere e boa para o nosso pesquisador, para o nosso professor. As áreas que não têm cunho de inovação, mais voltada a uma relação empresarial, serão incentivadas dentro daquilo que entendam que é a sua formação. Serão respeitados de modo que possam fazer ações que entendam ser corretas de retorno para a sociedade. Sim a inovação está dentro do DNA de um engenheiro. Eu sou um engenheiro e incentivarei a inovação tecnológica dentro da Universidade Federal do Paraná.

O senhor mencionou que o acredita que o Hospital de Clínicas deixou de ser um hospital-escola. Poderia esclarecer?
O que me chamou a atenção nessa campanha – muito curta, diga-se de passagem, com 49 dias – foi justamente o pessoal do complexo hospitalar fazendo uma série de pequenas denúncias em relação ao seu dia a dia. Passamos a visitar paulatinamente os departamentos e uma das coisas que nós detectamos nessas visitas virtuais é justamente que o nosso Hospital está sendo entendido mais como um hospital do SUS do que efetivamente um hospital escola. As duas coisas são importantes, mas tem que haver um equilíbrio entre a formação do nosso aluno e a prestação de serviços para a comunidade. Os nossos alunos têm que poder aprender a sua profissão dentro daquele hospital e, ao mesmo tempo, o hospital tem que ter que servir a população. Temos que olhar os contratos com a Ebserh, com a prefeitura da cidade, para verificar se existe alguma disparidade para que a gente possa fazer um ajuste de conduta. Segundo ponto importante é que dentro do complexo hospitalar existe diferenças de regime. Essas diferenças entre o RJU [Regime Jurídico Único] e a CLT estão causando uma certa animosidade entre os trabalhadores. Nossa chapa propõe que, ao assumirmos, nós promoveremos processos eleitorais dentro do HC para escolhas de todas as categorias de chefias. Atualmente, os quadros de chefias e diretorias são preenchidos a partir da análise de currículo. O problema é que muitas vezes a pessoa escolhida não é a que os pares gostariam. Temos que ter um diálogo franco e aberto para entender o que está errado e o que precisa melhorar não está bom para melhor, mas com a visão de que o HC é para a formação dos nossos alunos. É um lugar onde o professor e o aluno, em simbiose, conduzem a área da saúde para melhores patamares. Temos que entender também que o processo de progressão funcional dos professores, que trabalham dentro do hospital, não pode ser encarado igualmente com os professores de outras áreas. Nós temos que ter um olhar diferenciado para aquele professor, para que ele possa ter uma redução de carga horária. Que ele possa operar e mostrar para os alunos como operar os equipamentos. E que possam, ao final disso tudo, ter uma progressão que atenda aos seus anseios e suas necessidades. O complexo hospitalar, de um modo geral, será objeto de uma grande análise por parte da nossa equipe assim que, porventura, a gente venha assumir a reitoria.

A discussão científica, a partir da percepção da relevância da pesquisa e da extensão, ganhou novos contornos com a pandemia do novo coronavírus. Como avaliação a contribuição da UFPR nesse momento?
O governo federal, através da medida provisória 924, repassou verbas para as principais universidades brasileiras para desenvolvimento de ações relativas ao Covid-19. Comparada às grandes universidades, a UFPR está entre as 10 melhores do Brasil. O governo repassou para essas instituições com o mesmo patamar valores como R$ 25 milhões e R$ 40 milhões, enquanto para a UFPR o repasse foi de apenas R$ 1,9 milhão. Foi passado um edital aos pesquisadores para que apresentassem projetos que seriam analisados por uma determinada comissão, para que esse valor de R$ 1,9 milhão pudesse ser repassado aos pesquisadores. E aí veio o grande problema: projetos de monta são caros. Nenhum ou pouquíssimos desses projetos viram a luz do dia. Então, eu tenho dito que a contribuição da UFPR em relação ao Covid-19 poderia ter sido muito mais significativa se nós tivéssemos tido acesso a pelo menos R$ 40 milhões, que é o nosso patamar, com grandes projetos teriam sido contemplados. Mas com R$ 1,9 milhão e, depois com pequenos editais, de cunho da própria reitoria, eu digo que a contribuição da Universidade Federal do Paraná, com todo respeito às pessoas que estão na linha de frente de combate à pandemia, é aquém daquilo que poderia ter sido. Então, na minha opinião, o reitor de uma grande universidade não pode ser partidário. O reitor de uma grande universidade tem que ter como partido a própria universidade. Porque é nesse momento que o reitor vai para Brasília perguntar ao Ministério da Educação porque é que a minha universidade recebeu R$ 1,9 milhão e meu vizinho ali do lado, de São Paulo, recebeu R$ 49 milhões? Cobrar de nós uma grande contribuição para o combate ao Covid-19, com esse pequeno valor ou com editais próprios, milhões enquanto as outras receberam dez vezes mais? O papel do gestor é de mostrar para a comunidade que, no momento de crise, você não incita a tua população, o teu pessoal, o teu grupo a ir para a rua e dizer que está fechando a universidade. A sociedade vai olhar para você e perguntar: mas como vai fechar a universidade? Aí chega o mês de outubro e novembro, sai toda a verba que é descontingenciada pelo governo federal, e nós sequer poderemos gastar porque já não temos mais editais, já não podemos fazer absolutamente nada. Então, são esses problemas de gestão que me colocaram nesta disputa. É justamente poder entender a grandeza dos problemas da universidade para enfrentá-los sem nenhum tipo de partidarismo, porque para a nossa chapa o partido é a universidade.

O Ministério da Educação apresentou a proposta de adesão ao projeto Future-se, que acabou rejeitada pelo Conselho Universitário da UFPR. O que pensa sobre essa iniciativa?
Nenhuma opinião! Veja, eu estou gestor, porque eu represento uma comunidade. A minha opinião sobre as coisas é a que menos importa. O programa Future-se chegou até a Universidade Federal do Paraná e os diretores foram chamados para promover uma discussão com as suas comunidades para e assim ouvir a opinião de todos. Alguns setores fizeram reuniões conjuntas. A primeira reunião que houve foi no setor de Ciências Exatas, presidido pelo professor Marcos Sfair Sunye, que deu o tom da conversa porque chamou o seu conselho setorial e tomou medidas com relação ao programa. Nós, de Tecnologia, não fizemos juízo de valor. Nos reunimos com o setor de Ciências da Terra, o programa foi apresentado e foi feita uma motivação para a comunidade mostrando os prós e os contras. Com a decisão, o conselho duplo elaborou um documento e enviou para reitoria para que se somasse aos outros. Então, eu não me vejo numa situação de criticar ou apoiar o Future-se. Só farei isso quando a minha comunidade disser o seu posicionamento. O meu papel só pode ser desempenhado dentro do coletivo e jamais individualmente.

A Universidade tem experimentado momentos de contingenciamento de gastos. E agora há a perspectiva de um corte na faixa de R$ 50 milhões no orçamento da UFPR para o ano que vem. Como pretende lidar com essa situação?
Eu entendo que um reitor não trabalha sozinho, mas em equipe. E quanto melhor a equipe, mais fácil será enfrentar as tempestades. 2020 já anuncia uma grande tempestade no horizonte, como foi em 2018 e em 2019. O papel do reitor em momentos de crise é o de resolver problemas. Temos que manter os nossos alunos em condições de estudo. Isso se traduz por restaurante universitário aberto, a limpeza das salas de aula, a segurança dos prédios, os laboratórios com materiais, giz e iluminação. Soma-se a isso as bolsas de assistências em diversas modalidades. Quando isso tudo estiver assegurado, o restante a gente vê como corta. Se existem cortes a serem feitos, serão em consonância com o pensamento da comunidade. Dentro da escala hierárquica, o reitor para tomar uma decisão precisa negociar com as direções dos setores, escuta e leva os problemas para o Conselho Universitário, que define as ações a serem tomadas. Em momentos de crise, ‘gestionaremos’ como crise. Em momentos de calmaria, ‘gestionaremos’ para que a Universidade cresça e avance. Então, que o contingenciamento venha, e nós vamos enfrentá-lo como outros reitores o fizeram. Mas, da minha parte, não será com manifestações. Da minha parte será escutando a comunidade, dando autonomia aos diretores de setores, para que, nas suas unidades, conhecendo as suas especificidades, possam então tomar as decisões.

A UFPR foi uma das pioneiras no sistema de cotas. O que o senhor pensa sobre essa forma de acesso?
Eu penso que as pessoas que têm necessidade devem ser auxiliadas. Eu tenho um olhar um pouco mais pragmático. Eu me preocupo com outro tipo de coisa. A lei garante isso a todos os nossos alunos e é óbvio que nós manteremos todos os auxílios. Eu vou um pouco à frente. O cotista tem onde morar? Eu sei a comida que ele come dentro da UFPR. Como esse aluno vive? Então, a minha visão, como engenheiro que sou, seria a de construir residência universitária. Porque aí eu dou a este aluno a residência, a cama, o computador para que ele possa realizar as suas atividades. Eu dou a ele um lugar digno para o aprendizado. O meu olhar sobre os problemas sociais passa justamente em construir residências universitárias para a permanência deste aluno dentro da universidade. Então, após a nossa eleição, eu vou iniciar um grande programa de construção em todos os campi da Universidade Federal do Paraná. Vamos verificar qual é a comunidade mais carente e qual seria o número de alunos a serem beneficiados. Este é o meu olhar sobre o assistencialismo. Para dirimir toda e qualquer dúvida, todas as bolsas serão mantidas. Todos os programas serão mantidos. E não teríamos nem porque ter um olhar diferenciado para esse tipo de programa que já existe. Eu vou além! Eu quero mais, eu quero dar a esse aluno a condição de vida digna dentro da universidade.

Mas, e a afirmação de que os cotistas baixariam o nível dos cursos?
Qual é a relação entre as cotas e o nível dos cursos? Não existe. Eu sou professor desta Universidade há 25 anos e nenhum professor pergunta para qualquer aluno se entrou por cotas. Porque aluno é aluno. São palavras que foram jogadas e plantadas na minha boca em pleno processo eleitoral para que parecesse que sou contra o programa de cotas. Apontem um senão com relação à minha trajetória acadêmica. Olha a quantidade de homenagens ao longo de 25 anos como nome de turma, patrono e paraninfo. E consultem a comunidade de Engenharia Elétrica sobre quantas vezes parei uma aula para falar sobre a novela, sobre o momento político, sobre o momento social, sobre qualquer coisa dentro de sala de aula. Nunca! Porque o meu papel é de formar técnicos. Tudo o que não for técnico será discutido fora da sala de aula. Então, dizer que um professor ilibado, com uma trajetória como a minha, é contra o regime de cotas e que eu seria um autoritário, como foi dito, em algum lugar, quem prova isso? Autoritarismo está na ordem do dia do governo federal, mas não aqui. Não cometo atos autoritários. Eu sou sim, incisivo e extremamente arrojado na defesa dos interesses daquilo que eu represento. Mas não tenho nada de antidemocrático ou de autoritário. Antes do processo eleitoral, iniciou-se um manifesto e a chapa da situação afirmou que não teria nada a ver com o documento. Mas eu liguei para algumas pessoas que confirmaram que o atual reitor e pessoas ligadas a ele ligaram pedindo para que nomes fossem incluídos na lista. Eram quatro chapas no início, mas duas que não concordaram com o andamento do processo se retiraram do pleito. E hoje a nossa chapa é considerada antidemocrática. Aí eu pergunto: a comunidade queria a eleição com uma única chapa? A comunidade não queria ter um balanço de gestão? A comunidade não queria poder analisar aquilo que foi feito pela atual gestão e aquilo que não foi feito? Cobrar da atual gestão explicações por não ter realizado uma série de coisas dentro da Universidade? A nossa candidatura suscitou o debate dentro da Universidade Federal do Paraná. Se nós não estivéssemos no páreo eles não teriam prestado contas de absolutamente nada. Democracia é, efetivamente, passar a limpo uma gestão. Se eu estou candidato é porque não estou satisfeito com a situação. Eu não tenho culpa do governo federal. Quem elegeu o governo federal foi o povo brasileiro.

Durante os debates, a sua chapa alegou que a atual gestão agiu para evitar concorrência. O que aconteceu?
Participei de inúmeros processos eleitorais e a isonomia entre as entidades sempre foi clara. DCE, APUF-PR, e Sinditest nunca apoiaram nenhum dos candidatos. Segundo: nenhuma das eleições anteriores teve, efetivamente, o apoio do conselho universitário. Então, a democracia, na visão da outra chapa, é uma via de mão única. Por que não chamaram o diretor do Setor de Tecnologia para conversar, já que representa uma grande escola? Simplesmente porque ele pensa diferente. Um reitor chama a eleição quando ele quer. O que eu não acho correto é que os membros que vão julgar a lista tríplice já manifestaram o apoio a uma das candidaturas. A lista dos votantes com seus e-mails nós não recebemos e não vamos receber. O envio da propaganda se dá três vezes na semana quando, pelo tempo exíguo, deveria ter sido enviada todos os dias. Então, um processo democrático deveria começar com o reitor abdicando do seu cargo, a vice-reitora abdica do seu cargo, temporariamente, e os candidatos enviam para o presidente do Conselho, que é o mais antigo, os seus formulários de inscrição. Eu enviei o meu formulário de inscrição para o candidato da Chapa 2. Este mesmo candidato nomeia as pessoas que vão fazer o relato do documento que será aprovado por todo o Conselho Universitário, que casualmente é aluna do próprio candidato. O nosso processo eleitoral se dará lá no Rio Grande do Norte, onde as duas chapas a princípio não podem ter acesso a absolutamente nada. Mas se uma das entidades notadamente já manifesta apoio a uma das chapas e se os dados estarão sendo rodados no Rio Grande do Norte, longe de mim imaginar alguma coisa, mas qual é a garantia que eu tenho que lá as quatro horas da manhã, um dos candidatos não tem uma informação privilegiada, considerando-se os diretores estão postando um vídeo de apoio a uma determinada candidatura? Então, eu digo assim, eu estou no processo porque quis estar, porque um grupo quis que eu estivesse no processo. Não dá para reclamar, eu tenho que acreditar na boa fé das pessoas, mas quero deixar registrado que eu preferia que este processo tivesse ocorrido de modo diferente, que ele tivesse ocorrido em fevereiro ou março, como queria o candidato que depois retirou a sua chapa. Porque nós faríamos presencialmente, teríamos um universo maior de chapas, o que aumentaria o espectro de discussão. Mas, infelizmente, quem chama a eleição é o reitor. Então, o negócio é participar, ir até o final e acreditar francamente que o nosso trabalho nos conduzirá até a vitória.

A UFPR não ofereceu aulas virtuais para os alunos durante o maior tempo da pandemia. O que pensa sobre isso?
Eu acredito na autonomia dos setores. Cada setor tem uma especificidade. Vou falar um pouco do setor que eu represento: o aluno da Engenharia, da Arquitetura, quando chega no último ano, ele tem uma inserção muito boa no mercado de trabalho, mas ele tem concorrentes de outras universidades. Quando você mantém todos os cursos em cima de uma única legislação, você está dizendo o seguinte: que o formando de um determinado curso que “não, você não entra no mercado de trabalho”. Se tivesse sido dada autonomia aos setores, que cada diretor eleito pela sua comunidade pudesse dizer “sim, eu começarei as aulas”, criaria um sistema, de modo remoto. Mas a universidade centralizou este processo e disse: “todas as aulas em EAD, todas as aulas no emergencial vão começar tal dia”, 120 dias depois. Tudo bem que o processo é democrático, que todas as pessoas devem contribuir, mas eu ainda acredito na autonomia setorial. O que que acontece é que várias universidades começaram as aulas há muito mais tempo. Esses alunos vão entrar no mercado de trabalho. E os nossos, entrarão quando? Então, o papel do gestor é pensar no futuro, o papel do gestor não é arriscar a saúde e a vida da população. Claro que não. Ninguém está pedindo isso. Mas passaram uma régua e disseram “todo mundo é igual”. Então, apenas para concluir, para não me alongar, eu teria agido diferente. Eu não teria demorado 120 dias para tomar uma decisão. Hoje, dá aula quem quer e assiste aula quem pode ou quem quer. Isso não é correto. Tratar o aluno do primeiro período e o aluno do décimo período como igual não funciona. Então, em momentos de crise é que você vê a envergadura do bastão.

A sua chapa questiona o fato de o reitor ser funcionário cedido pelo governo federal, sem uma carreira exclusiva de professor. Poderia explicar por qual motivo questiona a situação?
Sou obrigado a seguir as normas da Comissão Paritária de Consulta, que nos proíbe de falar sobre a atual condição do nosso reitor. Eu só posso falar que eu e minha vice somos professores de 40 horas em regime de dedicação exclusiva. Vivemos única e exclusivamente do nosso salário. Sugiro que as pessoas que têm interesse consultem o portal da transparência, porque eu não posso falar sobre a situação. Questionamos sim, temos uma opinião clara, sim mas a CPC nos impede de abordar o assunto funcional do atual reitor.

O presidente Jair Bolsonaro nem sempre nomeia o mais votado na consulta feita nas universidades. Recentemente aconteceu na Universidade Federal do Semiárido. Caso isso aconteça aqui, o senhor aceitaria ser nomeado mesmo que não fosse o mais votado?
Vamos começar pelo Semiárido. Alguém procurou saber quantos anos tem aquela Universidade, quais são as especificidades, o que está acontecendo, qual o efetivo, qual é o papel do reitor dentro daquela comunidade antes de dizer que o governo simplesmente nomeou? Quem eram os candidatos, de onde eles vinham, qual eram as suas origens, se tinham filiação partidária ou não? Ou seja, alguém procurou mostrar para a comunidade, antes de criticar, quem eram os candidatos e o que que eles representavam, e qual a importância daquela Universidade dentro do contexto nacional? Não. Vamos aos fatos: não se trata de aceitar ou de não aceitar ser indicado. Trata-se de um processo de participação eleitoral. O que nos importa é a nossa realidade. Essa é uma grande Universidade, considerada a mais antiga do Brasil, com mais de 50 mil pessoas, professores, técnicos-administrativos extremamente qualificados. O processo está em curso, em andamento. Nós estamos no pleito e não entraríamos se não acreditássemos que poderíamos vencer. Existe um grande foco de descontentamento, uma enorme quantidade de coisas que foram prometidas e que não foram feitas. Eu não vou desistir de uma lista porque significa admitir uma derrota. A gente acredita na vitória. Nos chamam de oportunistas e de interventores, mas eu me candidatei para concorrer e vou até o final.

Vou insistir na pergunta, que não foi sobre desistir de participar da lista tríplice, mas sobre se o senhor aceitaria ser nomeado caso não fosse o mais votado...
Não conheço o presidente, não sei se ele me nomearia. Eu e a candidata a vice somos a ponta do iceberg. Abaixo de nós todo uma equipe trabalhando, constituída por profissionais ilibados, pesquisadores das mais diversas matizes, alunos de pós-graduação e de graduação, e vários técnicos administrativos. Uma gestão começa participativamente falando com a presença de todos e com a opinião de todos. Não serei eu que tomarei essa decisão. Sempre será a comissão, o grupo. Então, eu não vejo porque eu possa fazer essa futurologia de dizer que o governo federal vai me nomear. Eu não sou filiado a nenhum partido político. Mas tem um contraponto: se o nosso atual reitor está mostrando qual é o lado ideológico que ele tem, ele não pode jogar em cima de mim a culpa dos atos dele. Se o atual reitor está coadunado com ideias de esquerda, ele não pode imputar a mim essa responsabilidade. Se o reitor atual tivesse como partido a Universidade Federal do Paraná ele não estaria preocupado. Ele diria “ganhei a eleição e serei nomeado”. O atual reitor tem que se justificar para a comunidade por ter usado a hashtag fora Bolsonaro e Mourão. Isso não me representa, assim como qualquer outra manifestação de cunho político dentro da universidade.

Mas a sua candidata a vice já posicionou em redes sociais, em situações recentes, em manifestações favoráveis a Bolsonaro e também a favor do partido que ele pretendia criar. Essa posição política dela não pode interferir na escolha?
A vida pessoal da minha vice ou de qualquer outra pessoa não me diz respeito. O que ela me disse foi que não apagou nada do Facebook ou Instagram, que o tinha antes do convite para a candidatura continua lá, para as pessoas poderem olhar. O que nós acertamos é que, enquanto candidata, não professaria nenhuma manifestação política, de esquerda ou direita. Ela se comprometeu a ter como partido a Universidade Federal do Paraná. Desafio que cada um verifique as postagens antes da campanha para verificar se certas coisas não foram suprimidas.

Sua candidata a vice participou de uma reunião com o pessoal das Ciências Biológicas e falou sobre hidroxicloroquina, que está no centro de uma discussão politizada, defendendo o uso desse remédio até preventivamente. O que o senhor achou dessa declaração?
As pessoas podem se manifestar como quiserem e devem arcar com o ônus e o bônus das suas próprias declarações. Eu estava presente na sala e já tinha recomendado que ela saísse da reunião, porque ela estava simultaneamente acompanhando a situação da mãe internada na UTI. Ela estava literalmente fora de órbita. Era a nossa oitava reunião do dia. Nada disso justifica. Mas ela estava sob pressão então não quis ser deselegante e, por isso, não saiu da reunião. Ela ficou, fez uma fez uma declaração que a comunidade rechaçou, mas qual de nós não pode externar uma opinião, mesmo que seja contrária a todos? Ela se manifestou, eu fiquei quieto, não teria o que contra-argumentar.

Durante a campanha aparecerem muitos comentários em redes sociais mencionando que o senhor teria tentado fazer uma licitação para a compra de tapetes persas. Poderia esclarecer o que aconteceu?
Essa é uma explicação necessária. Em 1961, o Centro Politécnico foi inaugurado. Na época, os idealizadores fizeram um gabinete que é considerado o maior público do Brasil, o gabinete da direção do Setor de Tecnologia, e o equiparam com o requinte da época. Não fui eu, eu mal era nascido. O material foi se deteriorando. O que fizemos enquanto direção: abrimos um processo público, utilizando verbas que arrecadação empresarial, e solicitamos a troca e a manutenção do gabinete que há 59 anos não sofria nenhum tipo de reforma. Uma explicação aqui é importante: os processos administrativos tramitam em todas as instâncias sem que nem eu, nem o reitor, nem nenhum dos pró-reitores coloque a mão em cima de dinheiro. Depois que eu abri o processo, decidi parar porque a comunidade estava me questionando e eu levei o assunto ao meu conselho setorial, que já tinha me dado respaldo. Nunca foi comprado nenhum tapete persa. Circula a informação de que comprei tapete persa, mas não circula que tenho excelente capacidade de captação financeira, para comprar o que o Setor de Tecnologia precisa sem gastar um centavo do dinheiro público federal. Como diretor eleito, tenho obrigação de manter a estrutura conservada. Se nós tivéssemos uma comissão de avaliação das condições dos setores isso talvez não tivesse que ser decidido diretamente por mim. Está aí uma boa proposta, caso venhamos à reitoria, porque vários gabinetes precisam de manutenção. Eu pedi para saber se os buracos nos tapetes existentes poderiam remendados, para manter o original, e me responderam que não era possível.

E quais seriam as suas considerações finais?
Vamos falar de lista tríplice. O Setor de Tecnologia, para a escolha de um de seus cargos, tem um processo de seleção. O conselho setorial de Tecnologia, composto por 49 pessoas, enviou a lista tríplice para o gabinete da reitoria e o primeiro nome da lista não foi o escolhido pelo atual reitor. Ele escolheu o segundo da lista e, quando questionado, respondeu “na minha gestão, o professor Mauro Lacerda dos Santos Filho não participará” e escolheu o professor Hélio Padilha, que era o segundo da lista [trata-se da escolha do cargo de diretor de Desenvolvimento Tecnológico do Lactec, mas não houve um processo eleitoral]. Então, se é para falar de nomeação, eu quero lembrar o atual reitor que, quando ele tem que fazer escolha de lista tríplice, ele escolhe quem quer. A candidatura da Chapa 1 é um divisor de águas dentro da Universidade Federal do Paraná, porque graças a isso pudemos ver o quanto esta gestão se aparelhou dentro da Universidade. DCE, APUFPR e Sindistest nunca, na história desta Universidade, manifestaram apoio explícito à uma das candidaturas. Eu ainda isento um pouco o DCE e a APUFPR, mas o Sinditest, através de seus diretores, está todos os dias com o reitor nas suas reuniões e está na comissão de organização do processo de consulta, o que, para mim, não torna esse processo ileso. O Conselho Universitário já se posicionou, em 90% dos seus membros, em quem votará. Daqui a alguns dias os nomes dos dois candidatos estarão lá para a apreciação, mas eles já manifestaram publicamente apoio a uma das candidaturas. Na consulta, os votos serão processados no Rio Grande do Norte e quem terá acesso será a comissão paritária de consulta, com diretores que vem manifestando apoio ao atual reitor. Vamos juntos construir uma universidade forte, participativa, sem partidarismo, sem ideologia.

10 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 10 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • P

    Poppys

    ± 0 minutos

    É phodástico, o show da acadimia!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • S

      salcutrim

      ± 21 dias

      Dizer Lula livre pode, mas dizer valeu Bolsonaro nao. Isso tudo mostra claramene como as universidades publicas foram tomadas pela ideologia esquerdista. omara que Bolsonaro seja macho e nao nomei esse senhor que é da esquerda. Tomara.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • V

        Vanderlei da Rosa

        ± 21 dias

        chega de esquerdistas comandando nossas universidades!!!

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • C

          Chico Sapiens

          ± 21 dias

          Se não fosse essa vice, dava pra engolir esse reitor.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          1 Respostas
          • I

            IvoHM

            ± 21 dias

            Você é pandemínion?

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

        • C

          Chico Sapiens

          ± 21 dias

          HAHA reclama do posicionamento político do rival, mas tem uma vice defensora da cloroquina, apoiadora do Bozo. Se pesquisarem o nome dessa mulher, verão comentários dela aqui na Gazeta militando pelo Bolsocheio.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          1 Respostas
          • I

            IvoHM

            ± 21 dias

            Falou o defensor da mulher sapiens.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

        • A

          Afonso Celso Frega Beraldi

          ± 21 dias

          Bola pra frente colega Tertuliano. Vamos mudar a cabeça da nossa UFPR.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • Z

            Zé Mané

            ± 21 dias

            Esse é o cara !

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • J

              Jorge Dias

              ± 21 dias

              Se é contra a esquerda já está na frente.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              Fim dos comentários.