i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Clima

Estiagem pode ter ajudado o Paraná a controlar propagação do coronavírus

  • 03/06/2020 09:31
Vista da represa do Iraí, em Piraquara, no dia 19 de maio de 2020.
Vista da represa do Iraí, em Piraquara, no dia 19 de maio de 2020.| Foto: Lineu Filho / Tribuna do Paraná

Junho começou com chuva, um alento para os paranaenses, que enfrentam uma estiagem histórica. Mas, se prejudicou lavouras e o abastecimento de água das grandes cidades, o tempo seco dos últimos meses pode ter colaborado para a contenção da velocidade de contaminação do coronavírus no estado. Estudo publicado na revista Science of The Total Enviroment aponta que, no Brasil, o vírus tem encontrado mais facilidade para se propagar quando a umidade relativa do ar é alta, próxima a 79%, e constante. O secretário estadual de saúde, Beto Preto, faz coro, dizendo que os paranaenses não podem se entusiasmar com os números relativamente baixos (comparados com os de outros estados) da Covid-19 no Paraná, porque o número de casos está crescendo e o clima pode influenciar.

RECEBA as notícias do Paraná no whatsapp

“Estamos entrando em uma zona de alerta maior. Estamos em uma grande estiagem. No momento que começar a chover e a temperatura baixar, deveremos ver uma maior disseminação do vírus no Paraná”, avalia o secretário Beto Preto. “Estamos levando em conta um fator que poucas pessoas têm percebido: estamos na maior estiagem do Paraná, a ponto de faltar água nas torneiras, e a umidade é um dos fatores de propagação do vírus. Basta ver a situação do Amazonas e do Pará, onde as temperaturas são altas e há um número grande de casos. Isso tem relação direta com a umidade do ar. Todas as tardes chove lá e isso ajuda a propagar o vírus”, prossegue, prevendo uma “combinação explosiva que pode contribuir para a disseminação do vírus no Paraná: a volta das chuvas e a diminuição das temperaturas.

Conduzido pelos professores André Auler, do Departamento de Solos e Engenharia Agrícola da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Vinício Oliveira, da Câmara de Saúde Coletiva do Setor Litoral da UFPR, Fábio Cássaro e Luiz Pires, ambos do Departamento de Física da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), o estudo publicado pela Science of The Total Enviroment analisou a influência da umidade e da temperatura na propagação do coronavírus em cinco capitais brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Manaus e Fortaleza, as capitais com maior número de casos até abril, para uma primeira avaliação local dos fatores meteorológicos, uma vez que os estudos europeus indicavam que o vírus tinha melhor propagação em baixas temperaturas e umidade, o que não se confirmou no Brasil, com estados do Norte e Nordeste apresentando um elevado número de casos.

“A conclusão de que o aumento da temperatura inibiria a ação do vírus é válida para os países europeus, pois lá eles têm temperaturas médicas de 3°C, com a temperatura variando de -30° a 18°C. Quando você está numa situação de temperatura negativa e ela se eleva para 8° ou 10° é esperada uma melhor resposta imunológica das pessoas. Mas isso não se repete no Brasil, onde há regiões com temperaturas médias de 27°”, analisa André Auler.

Umidade constante

Sobre a influência da umidade, o pesquisador destaca que o estudo indicou que “quando se tem uma precipitação constante, a umidade relativa do ar é maior e, quando se tem uma umidade relativa constante próximo a 79%, temos as melhores condições para disseminação do vírus”. Ele ressalva que é necessário haver constância. “Não adianta chover 100 milímetros em um dia e ficar seco o restante do mês. Não é uma média, precisa ser uma constância. Em abril, Amazonas teve média de 10 mm por dia, distribuídos. Aqui no Paraná, choveu 15 mm o mês inteiro”.

O pesquisador lembra que o estudo não incluiu Paraná ou Curitiba, que registravam poucos casos no mês pesquisado (abril), e que extrapolar os resultados para projetar um cenário local seria prematuro. Ele conta que uma nova fase da pesquisa abrangerá mais cidades, inclusive as do Sul. “Queremos analisar Curitiba e analisar, também, a região noroeste do estado, onde é mais quente e choveu mais e pode ter seguido a tendência do nosso estudo. Mas a preocupação do secretário de Saúde faz sentido, é uma das explicações mais plausíveis, pelo que nossos resultados demonstram”, diz, destacando, ainda, que os fatores meteorológicos são apenas uma das condições que podem facilitar ou dificultar a propagação do vírus, e que a densidade demográfica e a aglomeração de pessoas são os maiores riscos. “São Paulo e Rio de Janeiro são as capitais com mais casos e não apresentaram as condições climáticas favoráveis no nosso estudo”, ressalta.

A Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba disse não trabalhar com o quesito umidade relativa do ar em suas avaliações sobre a situação do coronavírus na cidade, mas o prefeito Rafael Greca (DEM), em vídeo publicado no dia 22 de maio, citou o clima como um dos fatores que ajudaram Curitiba a manter seus índices baixos. “"Quero fazer um apelo, de coração. Mesmo indo ao culto divino, mantenham nove metros de distância entre si, um metro e meio de distância entre cada pessoa, todos usando máscara e ninguém se aproximando. Todos se protejam, porque esse vírus mata. E o fato de estarmos bem, porque o tempo está seco, não temos umidade, isso pode mudar se não persistirmos em ser a mais inteligente cidade do Brasil", declarou Greca, ao anunciar a flexibilização de medidas de isolamento.

5 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 5 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • M

    Mirtão

    ± 5 minutos

    Alta umidade com baixa temperatura. No norte temos alta temperatura. Creio que a análise foi tosca uma vez que não sabemos como o vírus se comportara nesta condição. Tomara que não goste do frio.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • P

    Paula A S

    ± 18 horas

    Se formos esperar a vacina, saímos de casa somente em 2021 ou 2022!!! Temos q tomar os devidos cuidados e enfrentar, isso sim!!!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • N

    Neto

    ± 20 horas

    Disseram que há uma correlação entre umidade relativa do ar e a velocidade de propagação de vírus mas não explicaram o mecanismo. Precisamos saber disso para nos proteger melhor, principalmente aqueles que tiveram ou em breve terão de retornar ao trabalho presencial. Do jeito que colocaram a notícia só causa mais medo, devido à ignorância sobre o assunto. É preciso esclarecer as pessoas sobre o que elas podem fazer além do trivial "ficar em casa".

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • L

      Luisa

      ± 1 horas

      Não use o ar condicionado. Assim você evita que os esporos do mofo que está sempre presente nos dutos do aparelho seja usado pelo vírus como meio de transporte.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]