i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Covid-19 em alta

Pior do que falta de leitos de UTI: quase não há mais profissionais de saúde no mercado

  • PorMarcos Xavier Vicente
  • 02/12/2020 19:10
Falta de profissionais de saúde no Paraná
Hospitais estão com dificuldade de contratação de profissionais de saúde na pandemia.| Foto: Henry Milléo/Gazeta do Povo / Arquivo

Contratar e manter equipes nos hospitais estão sendo os principais entraves na corrida para abrir mais leitos de UTI Covid-19 no novo avanço da pandemia no Paraná. Tanto que alguns hospitais já enfrentam dificuldade em fechar escalas de trabalho, em especial plantões, uma situação agravada pela falta de profissionais de saúde disponíveis no mercado.

Receba as principais notícias do Paraná por mensagem, em seu smartphone

Além da necessidade de profissionais qualificados, o que não é fácil de ser encontrado no mercado, principalmente para atuar em UTIS, os afastamentos de médicos, enfermeiros e outros profissionais impacta justamente no momento em que a demanda do sistema de saúde cresceu muito. De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (Sesa), 10.831 profissionais de saúde contraíram o coronavírus em nove meses de pandemia. Desses, 8.663 já se recuperaram, mas 2.168 seguem afastados do trabalho por estarem com a doença ativa.

Some-se a isso os profissionais que, esgotados de tanto trabalhar, abandonaram seus postos no tratamento de pacientes com Covid-19. O que levou o Conselho Regional de Medicina do Paraná (CRM-PR) a emitir um alerta para que a população se previna da doença e alivie o trabalho nos hospitais. “Os profissionais de saúde estão em seus limites físicos e emocionais. Afastamentos decorrentes da Covid-19 são necessários aos que adoecem nas equipes. Cuidem-se e evitem exposições desnecessárias!”, apela o CRM-PR.

O diretor de Gestão em Saúde da Sesa, o médico Vinícius Filipak, explica que sem equipes qualificadas não há leitos. “Quem dera o problema fosse só equipamentos, que é mais fácil de resolver. O profissional de saúde qualificado é a ponta mais importante e mais difícil de preencher na cadeia do atendimento”, ressalta. “Praticamente todas as pessoas no mercado foram contratadas. E não há um banco para se contratar esse tipo de profissional, que deve ter qualificações bem específicas”, reforça Filipak.

Falta de profissionais de saúde esbarra também nos trâmites e no treinamento

Em entrevista ao jornal Meio Dia Paraná da RPC nesta terça-feia (2), o presidente do Sindicato de Hospitais do Paraná, Flaviano Ventorim, deu uma ideia do quão difícil é preencher essas vagas.  Se um profissional adoece por Covid-19, por exemplo, vai ficar de 10 a 15 dias afastado do trabalho. Mas só os trâmites para contratação de outro profissional levam no mínimo 20 dias.

“Aí para a pessoa começar a atuar efetivamente precisa se criar uma cultura de trabalho para esse profissional, de como funciona o hospital, o que leva mais uma semana. Se tiver experiência em UTI, tudo bem. Se não tiver, vai ter que ser dado treinamento a esse profissional”, ressalta.

São por essas dificuldades que vem passando o hospital de São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. Apesar do apelo para reabertura de dez leitos de UTI para Covid-19, a Secretaria Municipal de Saúde vem encontrando sérias dificuldades para contratar profissionais, o que acaba levando pacientes para Curitiba, que terça-feira estava com 91% dos leitos de UTI ocupados.

2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 2 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • M

    Meg Litton

    ± 6 horas

    Sabiam que vinha a tal "segunda onda" do vírus: não deveriam treinar mais pessoal para atender? E manter os hospitais de campanha????

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • F

      Freitas

      ± 5 horas

      Era só uma gripezinha, cara. Não foi o que falou o Jim Jones? Quantos profissionais da saúde morreram? Falar é fácil. Agora, cumprir as regras sanitárias? O gado é contra.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso