i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Coronavírus

Foz do Iguaçu se sacrifica na quarentena, preza por imagem e prevê retomada forte

  • 07/07/2020 20:15
Francisco Lacerda Brasileiro,prefeito de Foz do Iguaçu pelo PSD
Francisco Lacerda Brasileiro,prefeito de Foz do Iguaçu pelo PSD| Foto: Divulgação / Prefeitura de Foz do Iguaçu

No Top 3 dos principais destinos turísticos do Brasil, com mais de 3,5 milhões de visitantes por ano, Foz do Iguaçu viu toda a base de sua economia desmoronar após a chegada do coronavírus em março. Numa coincidência típica de tempo de “vacas magras”, até as cataratas esvaziaram-se de água, diante da pior seca do Paraná em quase 100 anos. As pontes que ligam a cidade à Argentina e ao Paraguai cessaram seu intenso tráfego, minguou o comércio. Diante da baixa incidência de casos de Covid-19 na cidade (pouco mais de 1 caso para cada mil habitantes), a Associação Comercial opôs-se fortemente à quarentena mais rígida adotada pelo Governo do Estado, mas o prefeito Chico Brasileiro (PSD) pensa diferente e entende que a hora é de “frear a aceleração da doença” e que as medidas foram tomadas “com base em indicadores e com responsabilidade sanitária”. Nesta terça-feira (7) o prefeito de Foz foi diagnosticado com a Covid-19. Segundo a assessoria, ele está bem e seguirá trabalhando de forma remota, de casa, enquanto cumpre o isolamento domiciliar. A entrevista foi feita antes do diagnóstico positivo, por telefone.

RECEBA notícias do Paraná pelo WhatsApp

Dentista paraibano de Piancó radicado há mais de 30 anos em Foz, após passar em concurso público da prefeitura, Chico Brasileiro reconhece que a cidade vive a pior crise econômica de sua história. Ele está confiante, no entanto, que já é possível ver a retomada no horizonte. “Todas as pesquisas feitas pelo mercado de turismo apontam que Foz do Iguaçu é um dos destinos preferidos para as viagens das pessoas nos próximos meses. Estamos muito otimistas com isso e tomando todos os cuidados para que a cidade não saia com a imagem negativa. E imagem negativa seria Foz estar, hoje, com pacientes sem ter assistência. Isso não aconteceu e não acontecerá”, assegura. “Queremos que as pessoas do Brasil e do mundo enxerguem Foz do Iguaçu como a cidade que cuidou da doença, viveu crise na economia, mas que está olhando para o futuro”.

“A gente sabe que Foz do Iguaçu só vai ter uma atividade normalizada quando o Brasil também tiver, quando as pessoas voltarem a viajar, e isso não está ocorrendo nesse momento”, constata. Quando então será possível a retomada? “Em agosto já deve ter um reinício, mas em setembro vai começar o processo mais consistente. Inclusive já tem vários hotéis em Foz com reservas para os meses de outubro e novembro. Acho que não tínhamos passado por esse ciclo (de alta na pandemia), teremos mais casos e internamentos, mas de forma suportável pelo sistema de saúde. Por isso a importância de a gente frear agora, não deixar acelerar, para depois ter a consistência nessa retomada. Daí as empresas poderão planejar melhor, investir e ter certeza que seguiremos com funcionamento normal”.

Enquanto não completa a travessia da crise provocada pelo coronavírus, Foz vai se apoiando em investimentos de Itaipu – ampliação do aeroporto e construção da segunda ponte para o Paraguai – além obras públicas locais e programas de crédito para micro e pequenos empreendedores, com prazo de carência de até 36 meses. Apenas nos dois primeiros meses da pandemia, houve queda de 70% da arrecadação com o ISS, o imposto pago pelos serviços em torno dos hotéis e atrativos turísticos.

Inveja?

Quando se olha para o outro lado da ponte, não dá inveja pensar que os paraguaios podem ter acertado a mão no controle da Covid-19, enquanto a gente fica a perguntar onde foi que erramos? (Obs: o país vizinho tinha menos de 2500 casos da doença e apenas 20 mortes, no fechamento desta matéria).

“A grande diferença do Paraguai, da Argentina, do Uruguai e de outros países, principalmente do Mercosul, é que há uma ação coordenada pelo governo central e isso ajuda muito. Não existe uma ação em cada local, em cada prefeitura, em cada estado. Os municípios precisam desse suporte de orientação, de tomada de decisão. A gente observa mesmo que o Paraguai, mesmo tendo um efeito econômico fortíssimo, fez opção de controlar a doença. Os resultados são muito positivos, assim como no Uruguai. Essa é uma decisão central de governo e acredito que eles estão corretos, que agiram realmente colocando a vida em primeiro lugar. Para mim, esse é o papel preponderante de qualquer gestor. Nesse momento, qualquer país do mundo enxerga que tem que entrar com ações fortes para reativar a economia, para proteger as empresas e os empregos, mas não pode perder o controle da doença. No Brasil não houve essa ação coordenada, cada ente toma a decisão que bem entender. Isso para mim é um grande prejuízo no enfrentamento à pandemia. Por isso temos tantos óbitos e tantos casos, provocando um efeito talvez até mais duradouro na economia”.


Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.