i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Operação Mustela

Gaeco faz novas buscas em investigação sobre esquema que furava fila do SUS

  • PorGiulia Fontes
  • 30/05/2019 11:22
Gaeco
Foto: Arquivo Gazeta do Povo| Foto:

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), ligado ao Ministério Público do Paraná (MP-PR), cumpriu quatro novos mandados de busca e apreensão no âmbito da Operação Mustela. A investigação se debruça sobre fraudes na fila do Sistema Único de Saúde (SUS), que teriam sido realizadas por agentes públicos e profissionais de saúde que formavam uma organização criminosa.

As buscas foram realizadas na manhã desta quinta-feira (30) em Curitiba e Campo Largo, na região metropolitana. Três albergues de uma casa de apoio e uma residência foram alvos dos mandados. O objetivo, segundo o MP-PR, foi a colheita de provas sobre o envolvimento do proprietário da casa de apoio no esquema investigado pela Mustela.

Documentos, valores em dinheiro e aparelhos de telefone celular foram apreendidos pelos agentes.

Proibição de contato com vítimas

Ainda no âmbito da Operação Mustela, uma decisão do juiz Ernani Mendes Silva Filho, da Vara Criminal de Campo Largo, proibiu pessoas denunciadas pelo MP-PR de manterem contato com vítimas do esquema criminoso.

Foram incluídas na decisão Taiana do Carmo, funcionária do Hospital São Lucas, que teria cobrado valores indevidos dos pacientes; José Carlos Martins, vereador de Bandeirantes que teria obtido vantagens políticas do esquema; e Sérgio Danilo Schmitt, assessor do vereador.

O juiz também determinou que o médico ortopedista Marcel Sangeroti suspenda a prestação de serviços médicos no âmbito do SUS, seja de forma direta ou indireta (por meio de pessoa jurídica). Se a decisão for descumprida, Sangeroti pode ter a prisão preventiva decretada.

A reportagem não conseguiu localizar as defesas dos citados. O espaço segue aberto para manifestação dos envolvidos.

Relembre a operação

Deflagrada em dezembro de 2018, a Operação Mustela se debruçou sobre um suposto esquema que cobrava valores indevidos de pacientes para burlar a fila do SUS. De acordo com o Gaeco, a organização criminosa envolvia agentes públicos, que intermediavam a relação com hospitais e médicos que participavam do esquema.

Com isso, os médicos envolvidos ganhavam duas vezes pelos mesmos procedimentos: uma vez pelo SUS e outra pelos valores dos próprios pacientes. Os agentes políticos, por sua vez, revertiam os supostos benefícios aos pacientes - que na verdade eram vítimas do esquema - em vantagens eleitorais.

O esquema envolvia um ex-assessor do então deputado Carlos Massa Ratinho Junior (PSD), Lourival Aparecido Pavão – cabe ressaltar que o hoje governador não é investigado. O ex-assessor se tornou réu pelo caso em maio deste ano. A defesa de Pavão informou, à época, que estava analisando os documentos e que provaria "a inocência do seu cliente no decorrer do processo".

Outro lado

Quando a operação foi deflagrada, no fim do ano passado, o Hospital São Lucas, embora não seja acusado de nenhum crime, afirmou que os fatos ainda estavam sendo apurados e ressaltou que colaborava com as investigações.

Quem se manifestou sobre as investigações foi o Hospital Angelina Caron que "afirma que até o momento não foi notificado e está à disposição para colaborar com as investigações". Diz a nota ainda que o "Hospital Angelina Caron atua dentro dos princípios da ética e do absoluto respeito ao ordenamento legal."

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.