Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Vacinas de Oxford/AstraZeneca armazenadas no Cemepar, em Curitiba
Vacinas de Oxford/AstraZeneca armazenadas no Cemepar, em Curitiba| Foto: Jonathan Campos/ANPr

O secretário de Saúde do Paraná, Beto Preto, disse neste domingo (25) que o estado pode ter dificuldades para concluir a vacinação dos grupos prioritários contra a Covid-19 caso o Ministério da Saúde não envie mais doses dos imunizantes, de acordo com o portal G1. O secretário afirmou que irá encaminhar uma nota técnica à pasta solicitando um número maior de vacinas ao Paraná, com base na distribuição proporcional à população.

As principais notícias do Paraná no seu WhatsApp

“Nós entendemos que a distribuição deve ser equitativa e isonômica principalmente pela população. Entendemos que existe aí um número grande para ser recomposto. Caso contrário, teremos dificuldades de fechar os grupos prioritários”, disse o secretário.

Apesar de ter a quinta maior população do país, o estado foi apenas o oitavo em número de vacinas recebidas no primeiro lote da Coronavac. Com número de habitantes ligeiramente maior que o do Rio Grande do Sul, o Paraná recebeu 76,2 mil doses a menos do imunizante do que o governo gaúcho.

Para o início da fase emergencial de vacinação, o Paraná esperava receber cerca de 400 mil doses, sendo 300 mil da Coronavac e 100 mil do imunizante de Oxford/AstraZeneca. No entanto, foram enviadas pelo Ministério da Saúde, respectivamente, 265,6 mil e 86,5 mil doses, totalizando 352,1 mil unidades.

O secretário argumentou que o Paraná possui vários sistemas de saúde voltados para o combate à pandemia. “Entendemos que precisamos receber um pouco mais de vacinas, mas dentro da isonomia, dentro de uma equidade, nada mais, para que não exista desequilíbrio”, afirmou.

Na primeira fase do plano de vacinação, estão sendo imunizados os chamados grupos prioritários, formados por profissionais de saúde, pessoas em Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPI), pessoas com deficiência severa e indígenas. O Paraná segue as diretrizes do Programa Nacional de Imunização (PNI), do governo federal.

De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), 57,2 mil pessoas receberam a proteção até as 17h30 de sexta-feira (22).

O total de casos confirmados de Covid-19 no Paraná registrados desde o início da pandemia chegou a 518.139 segundo a última atualização da Sesa, divulgada no sábado (23). Em todo o estado, 9.285 pessoas já morreram da doença.

6 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]