i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Projeto de lei

MP-PR quer transformar 107 cargos efetivos, atualmente vagos, em 150 comissionados

  • 10/08/2020 20:45
Ministério Público do Paraná
Ministério Público do Paraná| Foto: Divulgação

O Ministério Público do Estado do Paraná (MP-PR) quer transformar 107 cargos efetivos vagos reservados na sua estrutura em 150 cargos comissionados, de livre nomeação, sem necessidade de concurso público. A proposta consta no projeto de lei 474/2020, levado no início deste mês à Assembleia Legislativa pelo procurador-geral de Justiça, Gilberto Giacoia, chefe máximo do MP.

As principais informações do Paraná no WhatsApp

Em dezembro de 2019, a Assembleia Legislativa já tinha aprovado 27 cargos comissionados para o MP. Em nota à Gazeta do Povo na sexta-feira (7), o MP-PR sustentou que “mesmo com a transformação dos cargos, será mantido o princípio da proporcionalidade na relação entre o número de cargos efetivos e em comissão”.

Entre os 107 cargos efetivos vagos que podem ser extintos, há funções variadas (como motorista, recepcionista, bibliotecário, auxiliar técnico), mas o maior número dos postos (70) é para auxiliar administrativo. Já os 150 cargos de indicação, segundo o MP, servirão para prestar auxílio técnico às promotorias de Justiça, que atuam no primeiro grau de jurisdição.

A ideia, justifica o MP, é “adequar” a força de trabalho em relação à estrutura atual do Poder Judiciário. “Urge a adoção de medidas objetivando fazer frente à ampliação do número de cargos equivalentes nos órgãos do Poder Judiciário e, com isso, o seu fortalecimento em primeiro grau, sob pena de vir a causar embaraços à duração razoável do processo”, aponta trecho da justificativa do Ministério Público enviada aos parlamentares.

O MP-PR se refere ao fato de o Tribunal de Justiça paranaense (TJ-PR) estar em processo de reestruturação do seu quadro de servidores, por força de uma determinação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). A ideia do TJ é conseguir 752 cargos comissionados de auxiliares para juízes de primeiro grau. A proposta também foi enviada à Assembleia Legislativa no início deste mês pelo presidente do TJ, desembargador Adalberto Jorge Xisto Pereira. Trata-se do projeto de lei 472/2020.

Para que sejam aprovados, os dois projetos de lei vão primeiro passar pela análise de comissões internas da Assembleia Legislativa. Em seguida, enfrentam três turnos de votação no plenário da Casa.

Preenchimento de cargos é incerto

Embora o MP-PR sustente que se trate apenas de uma transformação de cargos e que não haverá aumento de despesa em relação ao que já estava reservado em seu orçamento, o preenchimento imediato das vagas comissionadas é incerto, caso o projeto de lei seja aprovado. Na esteira da pandemia do novo coronavírus, o governo federal sancionou em maio uma regra que limita novas despesas em toda a esfera pública até o final de 2021 (Lei Complementar Federal 173/2020).

A limitação federal já serviu de justificativa para o governo do Paraná vetar, em junho, um projeto de lei do TJ que ampliava a possibilidade de gratificações na Escola dos Servidores da Justiça Estadual (Eseje). O veto integral foi analisado pela Assembleia Legislativa nesta segunda-feira (10), e acabou mantido.

O MP trata do assunto no próprio corpo do projeto de lei. Em trecho, informa que “respeitadas as vedações estabelecidas pelo artigo oitavo da Lei Complementar Federal 173, de 27 de maio de 2020, os cargos transformados por esta lei serão providos na medida da necessidade do serviço, da existência de dotação orçamentária e de disponibilidade financeira”.

Na justificativa que acompanha o projeto de lei, o MP acrescenta que, se o imediato provimento de cargos for “inviável nas atuais circunstâncias”, a ideia é ao menos já assegurar a transformação dos postos: “O interesse do Ministério Público é a implementação dos seus pressupostos legais para que, desde logo, (...) a Administração possa planejar a reestruturação das unidades ministeriais de primeiro grau de jurisdição (...), considerando que, por evidente, estudos de tal magnitude não se constroem em curto espaço de tempo”.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 4 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • S

    Sr. Walker

    ± 0 minutos

    Morro e não vejo tudo

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • D

      Dimas

      ± 21 horas

      Enquanto o povo que paga o salário desses caras clamam pelo fim dos cargos apadrinhados, que na maioria das vezes são pra desviar recursos, os nobres deputados que dizem trabalhar para o povo, pois é isso que o povo espera, com serteza irão aprovar, pois é com uma mão que lava a outra e as duas juntas o bolso fica cheio e não tem perigo de ninguém reclamar. Se por esse povo pra trabalhar pode mandar a metade embora que falta trabalho.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • J

        JJP

        ± 22 horas

        ué, os limpinhos, os puros, os guardiões das boas práticas fazendo safadeza? Claro que os deputados vão aprovar, política de boa vizinhança.... já aprovaram o AUXÍLIO MORADIA para o promotores e procuradores..... é tudo safado, irmãos siameses dos deputados estaduais, VERGONHA!

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • P

          PAULO 1950

          ± 23 horas

          na contramão dos bons principios. Deveria sim serem extintos todos os cargos comissionados e transformá-los em efetivos, mediante concurso publico. Isso que se apresenta com certeza é para nomeação de parentes.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          Fim dos comentários.