i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Operação Peça Chave

Verdadeiros donos da JMK assumem empresa após investigação por uso de laranjas

  • PorCatarina Scortecci
  • 25/06/2019 18:35
Terceira reunião da CPI da JMK, realizada nesta terça-feira (25). Da esquerda para a direita, o deputado estadual Delegado Jacovós (PR), relator da CPI; o deputado estadual Soldado Fruet (Pros), presidente da CPI; e o delegado Guilherme Dias, da Polícia Civil do Paraná
Terceira reunião da CPI da JMK, realizada nesta terça-feira (25). Da esquerda para a direita, o deputado estadual Delegado Jacovós (PR), relator da CPI; o deputado estadual Soldado Fruet (Pros), presidente da CPI; e o delegado Guilherme Dias, da Polícia Civil do Paraná| Foto: Dálie Felberg/Alep

Apontados pela Operação Peça Chave como os verdadeiros donos da JMK Serviços S.A., Aldo Marchini Junior e Jairo Cezar Vernalha Guimarães resolveram agora assumir a propriedade da empresa, que é suspeita de fraudar orçamentos de serviços de consertos de veículos do governo do Paraná. Quando a Operação Peça Chave foi deflagrada pela Polícia Civil do Paraná, em 28 de maio último, ambos não figuravam formalmente no quadro de sócios, e a investigação indicava Marcos Luiz Robert Zanotto e Jorge Barboza Reis de Souza como laranjas da empresa.

“Aldo e Jairo inserem sócios fictícios para figurarem em seu lugar como proprietários da empresa, ocultando a verdadeira identidade dos investigados, fato que ocorre com certa frequência, uma vez que há provas de sucessivas alterações contratuais, com a inclusão de novos laranjas no contrato social”, anotou a Polícia Civil, no momento em que pedia a prisão temporária de 15 investigados, incluindo Aldo e Jairo – atualmente, ninguém está detido.

“É possível concluir que a empresa JMK participou de licitação com laranjas figurando no contrato social, ocultando os verdadeiros donos da empresa, Aldo e Jairo, o que para jurisprudência dominante configura o crime de fraude a licitação”, continuou a Polícia Civil, em referência ao pregão presencial realizado em 2014 pelo governo do Paraná para fazer o gerenciamento, controle e fornecimento de manutenção preventiva e corretiva da frota oficial de veículos. A licitação vencida pela JMK gerou o contrato 256/2015, foco agora da Operação Peça Chave.

A inclusão dos verdadeiros donos no quadro formal da empresa ocorreu, de acordo com a própria JMK, na segunda-feira (24). Ainda segundo a JMK, os dois entraram como sócios, mas não atuarão na operação da empresa, que nomeou três diretores para administrar o negócio.

O que diz a empresa

De acordo com a Polícia Civil, o motivo para Jairo usar laranjas para representá-lo “talvez passe pela condenação por crimes contra a ordem tributária, praticado centenas de vezes, em virtude de expressiva sonegação fiscal idealizada pelo investigado”.

Em resposta à Gazeta do Povo, a empresa justificou que os donos não figuravam até aqui como sócios porque “tinham problemas com empresas anteriores e temiam que, se configurassem como proprietários, poderiam colocar em risco a operação da JMK”.

Jairo contesta, contudo, a informação da Polícia Civil, de que pesaria contra ele uma condenação por crime contra a ordem tributária. Uma sentença de 2013 de fato o condena a 3 anos, 10 meses e 20 dias de reclusão, em regime aberto, além de multa, mas Jairo recorreu e, em 2014, o Tribunal de Justiça o absolveu.

A empresa foi aberta em 1986, mas Aldo informou ter entrado nela só em 2013, como prestador de serviço, adquirindo parte dela em 2015, quando a JMK firmou o contrato com o governo do Paraná. Jairo informou que também entrou no negócio em 2015. O registro da última alteração contratual - feita na segunda-feira (24) - deve constar na Junta Comercial do Paraná dentro de cinco dias.

Embora tenham assumido a propriedade da JMK, corroborando o que já apontava a investigação da Polícia Civil, Aldo e Jairo negam ter cometido os crimes narrados pela Polícia Civil – além de fraude à licitação, fraude na execução de contrato, falsidade ideológica, lavagem de dinheiro e associação criminosa. A investigação da Polícia Civil começou em novembro de 2016.

CPI na Assembleia Legislativa

Nesta terça-feira (25), a CPI da JMK, instalada no último dia 4 na Assembleia Legislativa, recebeu os delegados Alan Flore, que está à frente da Divisão de Combate à Corrupção (DCCO), e Guilherme Dias, responsável pelo inquérito. Para eles, a empresa montou um sistema permanente de fraude, apresentando orçamentos adulterados de oficinas mecânicas credenciadas. “Havia uma exigência contratual, para que a JMK apresentasse três orçamentos ao governo do Paraná. E a investigação mostrou que a falsificação de orçamentos era a regra”, disse o delegado Dias.

Além da alteração de valores nos orçamentos, a prestação de serviços era “caótica”, segundo os investigadores. “E eram serviços essenciais, manutenção e conserto de ambulâncias, carro de bombeiro, viaturas da PM”, reforçou o mesmo delegado.

Havia uma exigência contratual, para que a JMK apresentasse três orçamentos ao governo do Paraná. E a investigação mostrou que a falsificação de orçamentos era a regra. E eram serviços essenciais, manutenção e conserto de ambulâncias, carro de bombeiro, viaturas da PM

Guilherme Dias, delegado responsável pelo inquérito da JMK

De acordo com ele, cerca de 1.000 oficinas estavam ligadas à rede da JMK, mas aproximadamente 800 já estavam se recusando a prestar o serviço, alegando que a empresa não transferia o pagamento devido. “As outras 200 só estavam operando ainda na esperança de receber o dinheiro”, continuou ele.

Sobre a falta de pagamentos às oficinas mecânicas, a JMK afirmou nesta terça-feira (25), em nota encaminhada à Gazeta do Povo, que isso é “consequência dos atrasos crônicos nos repasses do governo do Paraná para a quitação dos serviços”.

“Esses atrasos chegaram a 1.000 dias em algumas situações. Mais da metade dos recursos destinados ao pagamento das oficinas (R$ 97,3 milhões) foi repassada com atrasos pelo governo, o que gerou uma série de problemas com as oficinas credenciadas, inclusive a recusa na prestação de novos serviços”, alegou a empresa.

Falha na fiscalização

Membros da CPI também questionaram os delegados sobre a fiscalização do contrato – se o governo do Paraná falhou ao não detectar problemas. O delegado Dias lembrou que o Deto (Departamento de Gestão do Transporte Oficial do Estado do Paraná) chegou a instaurar procedimentos para apurar situações, mas ponderou que a “aparência de legalidade” dos dados incluídos pela empresa no sistema, além do grande volume de ordens de serviços, pode ter dificultado a fiscalização.

“O uso de peças alternativas nos veículos, ao invés das peças originais, também é algo que depende de uma verificação do Instituto de Criminalística. Não é tão simples”, acrescentou ele.

Esses atrasos [no repasse do governo] chegaram a 1.000 dias em algumas situações. Mais da metade dos recursos destinados ao pagamento das oficinas (R$ 97,3 milhões) foi repassada com atrasos pelo governo, o que gerou uma série de problemas com as oficinas credenciadas, inclusive a recusa na prestação de novos serviços

JMK, em nota enviada à Gazeta do Povo

Na próxima reunião da CPI da JMK, marcada para o dia 2 de julho, os parlamentares pretendem ouvir a ex-secretária estadual de Administração Dinorah Botto Portugal Nogara. O Deto é ligado à Secretaria de Administração e Dinorah estava à frente da pasta quando o contrato foi firmado com a gestão Beto Richa (PSDB). Outro convidado é o atual secretário de Administração, Reinhold Stephanes.

Como o trâmite do inquérito corre de forma sigilosa, abrigado na 8ª Vara Criminal de Curitiba, da Justiça Estadual, a Polícia Civil não tem divulgado a relação completa de investigados – e também não confirma se encontrou alguma relação entre o núcleo empresarial e agentes públicos e políticos.

JMK diz que não era responsável por fiscalização dos serviços

Em nota encaminhada nesta terça-feira (25) à Gazeta do Povo, a empresa JMK alegou que o contrato com o governo do Paraná previa “a gestão compartilhada” do serviço de manutenção de frota e que cabia ao Estado, através do Deto, “autorizar a ordem de serviço, verificar e aprovar o orçamento, deixar o carro na oficina e checar se o serviço havia sido feito conforme orçado”.

“Dessa forma, a JMK não era responsável pela fiscalização final do serviço e apenas repassava para a oficina mecânica o valor orçado e autorizado pelos servidores do Estado. Embora sem previsão contratual, a empresa ainda oferecia o serviço de peritagem, feito por amostragem ou a partir de demanda do gestor do veículo oficial, quando havia dúvida ou desconfiança sobre o serviço prestado pela oficina mecânica”, argumentou a JMK.

Resposta da Seap

Também em nota encaminhada à Gazeta do Povo, a Secretaria de Administração e da Previdência (Seap) do governo do Paraná afirma que não poderia enxergar as irregularidades. "O Deto, órgão responsável pela frota oficial, recebia os orçamentos acreditando que tratavam-se de documentos verdadeiros. Orçamentos com valores divergentes eram devolvidos rotineiramente para as devidas correções e somente após as revisões eram encaminhados aos órgãos solicitantes. Nesta etapa do processo, o Estado não tinha condições de identificar que se tratavam de documentos fraudados", justificou a pasta.

"Com os orçamentos aprovados e o reparo realizado, não se enxergava a fraude praticada, já que eram usadas peças diferentes das informadas pelas oficinas em orçamento, por exemplo, entre outras fraudes que a investigação policial verificou", continuou a Seap.

A Seap defende ainda que o contrato com a empresa "previa fiscalização das oficinas por parte da JMK" e que o tempo alongado para pagamento de parte dos serviços se dava porque "o órgão solicitante não concordava com o serviço prestado, pedindo revisão dos valores, cancelamento das notas ou garantia dos serviços".

Governo do Paraná abre contratação emergencial por R$ 28 mi

A Seap informou que abriu um chamamento público para contratação emergencial de uma empresa para cuidar da manutenção da frota oficial do governo do Paraná. Na quinta-feira (27), serão abertos os envelopes com as propostas das empresas interessadas. Critérios técnicos e de preço serão avaliados.

A vencedora será anunciada na primeira semana de julho. Ela substituirá a JMK, cujo contrato com o governo do Paraná se encerra no próximo dia 26 de julho.

O contrato emergencial terá validade de 180 dias, ao custo de no máximo R$ 38.657.957,20.

Mais seis meses

Em paralelo, a Seap informou que está trabalhando no processo licitatório para contratar a nova empresa. "O novo modelo prevê também a contratação de empresa especializada em auditoria para aferir de forma permanente a execução dos serviços", antecipou a pasta.

Em janeiro de 2019, quando mais um aditivo foi firmado com a JMK para prorrogar o contrato por mais seis meses, o governo do Paraná informou que, em função da troca de gestão (Ratinho Junior no lugar de Cida Borghetti), não houve tempo suficiente para lançar o processo licitatório.

Agora, o governo do Paraná justifica que precisa de um novo prazo - de até seis meses.

7 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 7 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • I

    IARA MARIA S GAUER

    ± 0 minutos

    Agora ficou legal. kkkkk. O Contrato da JMK por um prazo de 12 meses era de R$ 56.000.000,00, e com o rompimento a nova empresa RECEBERA POR 6 MESES R$ 38.000.000,00, ou seja,se fosse 12 meses R$ 20.000,000 A MAIS. VIVA A INCOPETÊNCIA DO "GOVERNO"

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    João Armindo

    ± 2 horas

    ...E agora? "Bastaria aos colegas do DETO verificarem os "Orçamentos" recebidos, pegar no telefone e ligar para os "contatos" verificando se eram mandrakes ou não! Quanto ao TCE, não conseguiram por conta própria verificar que colegas da SEFA, com dificuldades no SIAF, pagavam em duplicidade..."

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    João Armindo

    ± 2 horas

    ...E agora?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Afonso Celso Frega Beraldi

    ± 2 horas

    Se! se! o caso for para a justiça do PR, certamente os pior tribunal de justiça do Brasil, vai absolver todos. O rabo esta preso, e poderá sobrar para alguns do egrégio tribunal. Uma delacao premiada talvez?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Coronel Mandragão

    ± 14 horas

    O verdadeiro dono ja assumiu a Secretaria da Fazenda de outro Estado, esses são laranjas Bahia, de onde vem JMK! Me engana que eu gosto Ricardão!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • J

      João Armindo

      ± 2 horas

      Não procede!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • G

    Gabriel Dos Santos

    ± 16 horas

    E o nome do Betinho não apareceu dessa vez. Parabéns

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.