i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Justiça

Quadro Negro: Justiça bloqueia R$ 23,9 milhões de seis pessoas e uma empreiteira

  • PorGazeta do Povo
  • 29/08/2019 19:44
  • Atualizado em 30/08/2019 às 13:07
Obra em Campo Largo
Quadro Negro: obra de Centro de Educação Profissional de Campo Largo foi uma das afetadas pelos desvios.| Foto: Átila Alberti/Tribuna do Paraná

Seis pessoas e uma empreiteira tiveram bens bloqueados a pedido do Ministério Público do Paraná por irregularidades apontadas pela Operação Quadro Negro. A liminar concedida pelo juiz Eduardo Lourenço Bana, da 4ª Vara da Fazenda Pública de Curitiba, prevê o bloqueio solidário de um total de R$ 23,9 milhões. Os envolvidos são investigados por desvios de verbas para a construção e obras em três escolas estaduais entre os anos de 2012 e 2015. A ação civil pública por improbidade administrativa havia sido ajuizada na última terça-feira (27). Veja o que dizem os investigados.

RECEBA notícias do Paraná pelo messenger do Facebook

Além da empresa Machado Valente Engenharia Ltda. e seu representante, Jairo Machado Valente dos Santos, também foram denunciados: Maurício Fanini (ex-diretor de Engenharia, Projetos e Orçamentos da Superintendência de Desenvolvimento Educacional (Sude), ligado à Secretaria de Educação do Paraná; Jaime Sunye Neto (ex-superintendente da Sude); Angelo Antônio Ferreira Dias Menezes (engenheiro na Sude); Bruno Francisco Hirt (engenheiro na Sude); Evandro Machado (engenheiro e coordenador de Fiscalização da Sude).

Segundo a ação, o grupo teria atuado, por meio de medições fraudulentas, para desviar dinheiro que deveria ter ido para as obras nas escolas. Aditivos contratuais desnecessários também teriam sido feitos por meio desse artifício. As irregularidades foram constatadas nas obras do Centro Estadual de Educação Profissional de Campo Largo, do Centro Estadual de Educação Profissional de Ibiporã, e do Colégio Estadual Yvone Pimentel, em Curitiba.

Segundo o Ministério Público, o montante bloqueado engloba tanto os danos causados ao erário público pelos desvios das verbas quanto a multa civil estimada a ser aplicada aos envolvidos, em caso de condenação.

Ao deferir a liminar, o magistrado explicou sua decisão. “Quanto à participação dos réus, a partir dos documentos que acompanham a petição inicial, observa-se que eles ou tiveram participação na aparente fraude, inclusive por meio de função pública, ou se omitiram do dever de fiscalização que o cargo ocupado lhes impunha ou atuaram na tentativa de ocultar bens.”

Outro lado

O advogado de Maurício Fanini, Tracy Reinaldet, diz que seu cliente "continua colaborando com a Justiça". "Em seu acordo homologado pelo Tribunal de Justiça do Paraná, Fanini já reparou integralmente todos os danos ocasionados por seus atos", apontou.

Ao portal G1, a defesa de Evandro Machado alegou não ter sido notificada e falou que se manifestará nos autos.

A assessoria jurídica da empresa Machado Valente Engenharia Ltda - e de seu representante Jairo Machado Valente dos Santos - enviou uma nota na qual se diz injustiçada por ser enquadrada na mesma situação de empresa que "recebeu 90% do valor do contrato e não chegou a executar 10%" e que o Ministério Público, ao agir dessa maneira, "acaba nivelando todas as empresas como partícipes da mesma prática". O texto alega ainda, entre outras coisas, que a empresa finalizou 3 de 5 obras para as quais foi contratada e que as outras duas não foram concluídas por "paralisação de recursos por parte da Secretaria [de Educação]". Segue abaixo a nota na íntegra.

A reportagem tenta contato com os outros investigados.

Sobre a Operação Quadro Negro

Iniciada em 2015, a Operação Quadro Negro investiga o desvio de dinheiro em contratos entre empresas e o governo do estado para construção e reforma de escolas. Ao todo, há 11 ações cíveis na Justiça estadual por atos de improbidade administrativa relacionadas ao caso, além de sete ações penais que correm na 9ª Vara Criminal de Curitiba.

De acordo com as investigações, a organização criminosa produzia medições falsas das construções, de modo que as construtoras recebessem o pagamento sem que tivessem, de fato, realizado as obras. O MP afirma que houve mais de R$ 20 milhões em desvios.

O principal delator da operação é Maurício Fanini, que foi diretor de Engenharia, Projetos e Orçamentos da Superintendência de Desenvolvimento Educacional (Sude), braço da Secretaria da Educação, entre 2011 e 2014.

2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 2 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • F

    Fernando R

    ± 0 minutos

    Faz tempo que o Cabral das Araucárias não aparece nas páginas de polícia deste Estado. O que queremos saber é quando ele vai pagar (com dinheiro e cadeia) por todas as barbaridades que fez e deixou fazerem com o dinheiro público!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    FABIO MAC

    ± 5 minutos

    Nosso estado tem sua própria versão de "SERGIO CABRAL"

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]