i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Perguntas e respostas

Quem tem direito? Dá pra vender? Vai acabar? Tudo sobre a licença-prêmio no PR

  • PorCarlos Coelho
  • 11/09/2019 17:24
Servidores compareceram à reunião da CCJ para protestar contra projeto de lei complementar
Servidores compareceram à reunião da CCJ para protestar contra projeto de lei complementar| Foto: Orlando Kissner/Alep

O governo do Paraná tenta fazer avançar um projeto de lei complementar capaz de economizar bilhões no cofre estadual. O PLC 9/2019, em análise na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), pretende extinguir as licenças especiais, que são períodos de folga remunerados concedidos aos servidores com pelo menos cinco anos de funcionalismo.

RECEBA as notícias de Paraná pelo messenger do Facebook

Entenda como funciona esta modalidade de licença-prêmio e qual é a razão de o projeto gerar tanto debate:

Quem tem direito à licença-prêmio no Paraná?

A licença especial, nome que a licença-prêmio recebe pela Constituição do estado, é um benefício concedido aos servidores civis do Executivo a cada cinco anos consecutivos de serviços e aos servidores militares a cada dez anos de serviço. No primeiro caso, o trabalhador tem direito a três meses de folga remunerada, que pode ser parcelada (mínimo de 30 dias). No segundo, o direito é a seis meses de folga remunerada, que também pode ser parcelada.

O servidor pode "vender" a licença?

Não. Não se pode desistir de gozar o período de licença e acumular dois salários no período, por exemplo. Mas, em muitos casos, os servidores conseguem na Justiça essa troca. Isso acontece quando o funcionário se aposenta ou é exonerado com licenças acumuladas. Como não há mais como usufruir do direito em serviço, as decisões costumam ser favoráveis ao pagamento em pecúnia (dinheiro).

Nos outros estados existe essa licença?

Na maioria, sim. Alguns deles já a derrubaram parcialmente, como o Rio Grande do Sul. Os gaúchos conseguiram extinguir a licença-prêmio, mas criaram outra licença remunerada no lugar dela: para servidores que comprovarem custo de capacitação. Tal medida é encarada por críticos deste tipo de benefício como uma forma de disfarçá-lo.

A alteração proposta é só para servidores do Executivo? E os outros poderes?

O projeto de lei complementar altera sobretudo a lei 6.174, de 1970. Esse texto rege o estatuto dos servidores do Executivo e do Legislativo. Portanto, o fim da licença-prêmio afeta o funcionalismo dos dois poderes. O Judiciário, regido pela ou lei, a 16.024, de 2008, mantém o benefício.

Por que os representantes dos servidores são contrários ao fim do benefício?

Os servidores alegam que o benefício propicia a busca de cursos de aperfeiçoamento e capacitação. Além disso, o funcionalismo do Executivo estadual reclama de não ter recolhimento do FGTS. Com isso, na aposentadoria ou em caso de exoneração, o trabalhador não teria um fundo de reserva. A licença cumpriria esse papel, no caso. Apenas servidores estatutários não têm FGTS - aqueles contratados via Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) têm o recolhimento.

Por que o governo elaborou esse projeto?

O Executivo justifica que a eliminação da licença desoneraria o estado, que hoje inclui na conta anual esse passivo. Atualmente, ele está na casa dos R$ 3 bilhões, estima o governo (licenças a serem pagas a inativos e exonerados). Pelos cálculos da Secretaria de Administração e da Previdência, são mais de 95 mil servidores com benefícios acumulados, totalizando mais de 143 mil licenças. Fora isso, existe o gasto com o salário de funcionários substitutos para preencher o espaço do servidor que sai de folga.

O que acontecerá com os servidores com o benefício vencido?

Pelo projeto de lei complementar, o servidor com licenças pendentes deverá tirá-las em um prazo de dez anos. Ele deverá solicitar o benefício em até um ano após a promulgação da lei. Além disso, o funcionário pode solicitar o benefício em dinheiro, sem precisar recorrer à Justiça.

Em que estágio estão as discussões?

O PLC está atualmente na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). A matéria estava na pauta da última terça-feira (10) da comissão, mas seu presidente, deputado Delegado Francischini (PSL), optou por retirá-la para que haja tempo de debate entre governo, servidores e deputados. Somente após aprovada a sua constitucionalidade, o projeto segue para as outras comissões e para votação em plenário.

5 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 5 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • F

    Fernando Fernandes

    ± 2 dias

    Conversa fiada que algum servidor usa a licença-prêmio para se capacitar. É mais uma "jabuticaba" que só existe no Brasil e onera toda a sociedade, que arca com os custos dos barnabés, a maioria com baixíssima produtividade laboral.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • V

    VALDECIR B. NEVES

    ± 2 dias

    Realmente, tem que igualar o servidor público ao trabalhador da iniciativa privada. Não só acabando com essa "aberração" que é a licença-prêmio, mas também pagando a eles FUNDO DE GARANTIA e HORAS EXTRAS...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • I

    Isabelle Marques

    ± 4 dias

    Só no Brasil para existir uma lei que concede três meses de folga remunerada. Que idiossincrasia, depois não entendemos porque somos um país com pobreza generalizada...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    delvaloil de frança costa

    ± 5 dias

    Licença premio não se vende, é um direito do funcionário, a cada cinco anos para o funcionário civil, e a dez para os militares. Essa licença só existe por que o governo não paga nenhum direito ao funcionário, somente o salário e nada mais. Quando o funcionário tira a licença ele apenas continua recebendo o salário e nada mais. Portanto, o governo mente quando diz dever alguma coisa, ou que essa licença acarreta gastos ao governo. O Funcionário Público precisa ser respeitado, chega de levar paulada do governo e de De****dos. Vejam o que o Richa fez e agora o Ratinho não deram aumento salarial aos Professores e Policiais.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    delvaloil de frança costa

    ± 5 dias

    O governo mente descaradamente sobre a licença premio dos servidores público. Os De****dos por sua vez formam a maioria que defende o governo e aprovam tudo que o Executivo manda para ser aprovado, por outro lado, quem escreve esse tipo de reportagem só houve um lado dos envolvidos, e geralmente é o lado mais forte, que é o governo e os deputados e aí fica os coitados dos funcionários levando paulada do governo, da imprensa e de alguns desavisados que desconhecendo o assunto falam mal e escrevem sobre o funcionário. O GOVERNO NÃO GASTA ABSOLUTAMENTE NADA A MAIS QUE O SALARIO DO FUNCIONÁRIO, O GOVERNO NÃO ESTÁ DEVENDO NADA REFERENTE A LICENÇA PREMIO.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.