i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Realocação

Projeto de lei dá poderes para Assembleia mexer em cargos de comissão

  • Por Catarina Scortecci
  • 05/12/2019 19:28
Projeto de lei 880/2019 é de autoria da Comissão Executiva da Alep
Projeto de lei 880/2019 é de autoria da Comissão Executiva da Alep| Foto: Dálie Felberg

Um polêmico projeto de lei, que na prática permite que o comando da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) faça remanejamentos de cargos em comissão, deve entrar na pauta de votações da Casa nos próximos dias. O texto começou a tramitar há cerca de dez dias, em regime de urgência. O projeto de lei 880/2019 é de autoria da Comissão Executiva da Alep – que é a cúpula da Casa, composta pelas cadeiras de presidente, primeiro-secretário e segundo-secretário. Atualmente, os três cargos são exercidos, respectivamente, pelos deputados estaduais Ademar Traiano (PSDB), Luiz Claudio Romanelli (PSB) e Gilson de Souza (PSC). Se aprovado, o texto dá poderes para o trio definir quais locais na Assembleia terão mais ou menos comissionados.

RECEBA notícias pelo Whatsapp

A proposta modifica quatro leis (Lei 16.390/2010, Lei 16.792/2011, Lei 16.809/2011 e Lei 18.135/2014) e gerou polêmica porque, na interpretação de parte dos parlamentares, é uma forma indireta de se criar cargos comissionados, sem necessidade da aprovação de uma lei específica. De maneira geral, o PL 880/2019 “autoriza a Comissão Executiva, por ato próprio publicado em Diário Oficial, a transformar e realocar os cargos em comissão” de gabinetes de parlamentares, de lideranças ou blocos, de comissões permanentes, de comissões parlamentares de inquérito, de blocos temáticos, e também da diretoria e da corregedoria da Casa.

A cúpula da Alep também fica autorizada a transformar cargos em comissão (modificar a simbologia, atrelada à remuneração), desde que isso não resulte em aumento de despesa. Por exemplo: transformar um cargo comissionado com uma remuneração de R$ 10 mil em outros dois cargos comissionados de R$ 5 mil cada, ou o contrário.

Atualmente, a quantidade e o tipo de cargo comissionado em cada setor da Casa são fixos, já estabelecidos em legislação própria. Qualquer alteração teria que ser proposta via projeto de lei, com seu rito próprio. Se o PL 880/2019 for aprovado, uma alteração assim pode ser feita por mero ato administrativo, com uma "canetada" do comando do Legislativo.

“Inconstitucional”

O projeto de lei foi aprovado na última segunda-feira (2) pela maioria dos membros da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Apenas três parlamentares votaram contra a proposta: os deputados estaduais Homero Marchese (Pros), Luiz Fernando Guerra (PSL) e Tadeu Veneri (PT).

Para Marchese, trata-se de uma proposta inconstitucional: “O projeto de lei prevê a criação de cargo por ato administrativo, o que contraria diversos dispositivos da Constituição Federal e do Estado”.

“A proposta fala em transformação e a realocação de cargos. Ainda que isso ocorra sem aumento de despesa, o texto abrange claramente situações de criação de cargos novos, numa espécie de compensação entre cargos cujo desembolso final será o mesmo para a Administração”, argumentou ele.

O parlamentar do Pros também vê prejuízo à fiscalização. “De quebra, a proposta dificulta enormemente a fiscalização da quantidade de cargos existentes na Assembleia, ao obrigar o interessado a buscar em atos da Comissão Executiva”, reforçou ele.

Relator do projeto de lei na CCJ, o deputado estadual Paulo Litro (PSDB) defendeu a mudança: “A gente está autorizando a transformação de cargos, não a criação. Na Câmara Federal já existe esta prática. Nós estamos nos adequando da mesma forma”.

Na justificativa que acompanha o projeto de lei, a Comissão Executiva da Alep argumenta que “o objetivo é permitir a flexibilização, bem como a melhor organização dos servidores pelos responsáveis dos setores, no que diz respeito ao enquadramento dos servidores comissionados”.

Gratificação com impacto de R$ 817 mil em 2020

Além de abrir a possibilidade de remanejamento de cargos comissionados da Alep via ato administrativo do comando da Casa, o projeto de lei 880/2019 também prevê a criação de uma gratificação por função para servidores públicos vinculados a outros poderes e que estejam cedidos à Alep.

Atualmente, de acordo com o projeto de lei, dez servidores públicos estão cedidos à Casa. O projeto de lei autoriza a criação de cinco gratificações para função de chefia, no valor de R$ 5.460,00 cada. E cinco gratificações para função de assessoramento, no valor de R$ 4.883,00 cada. Com base nesta quantidade de servidores cedidos, o impacto financeiro estimado para 2020 é de R$ 817.712,41. Para 2021, é de R$ 845.509,47.

Autora da proposta, a Comissão Executiva da Alep justificou que a finalidade das gratificações é “incentivar estes servidores cedidos a ingressarem ou permanecerem com suas funções técnicas necessárias para o bom andamento dos trabalhos desta Casa”.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 4 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • L

    Luiz E Hunzicker

    ± 0 minutos

    Agora sim, nas maos destes bandidos o numero de carfos de comisao vai simplesmente explodir. O bonachao ratinho jr ( filho do paspalhao Ratao ) assiste a tudo pacieeseenteeemente.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • R

      Rubens Marques Farias

      ± 2 dias

      Esses sim são os marajás do estado não os funcionários do executivo. Que NOJO essa política paranaense, entra governo e sai governo e esse Romanelli está mandando.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • J

        JR

        ± 2 dias

        Sem comentários

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • L

          leonardo cançado moço

          ± 2 dias

          Tanto o poder judiciário como o poder legislativo são a casa da luz vermelha, com o argumento de verba independente a libertinagem vai muito bem obrigado. É festa libertina com os impostos do povo que trabalha mais da metade do ano para pagá-los.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          Fim dos comentários.