Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Marli Fernandes, vencedora do prêmio Espírito Público
Marli Regina Fernandes da Silva é diretora-presidente da Autarquia de Educação de Apucarana.| Foto: Marcelo Saraiva

Foi por influência do pai que Marli Regina Fernandes da Silva pegou gosto pela educação. Muito jovem, começou lecionando de maneira informal, logo tornou-se professora por formação e iniciou um caminho sem volta no ofício de ensinar, formar e gerir a área pela qual se apaixonou precocemente. Entre tantas conquistas alcançadas ao longo de 34 anos dedicados à atividade – grande parte dela no município de Apucarana, no Norte do Paraná –, a desta terça-feira (15) é inédita: estar entre as vencedoras da principal premiação destinada a profissionais públicos do Brasil.

As principais notícias do Paraná no seu WhatsApp

Atual diretora-presidente da Autarquia Municipal de Educação e secretária municipal de Desenvolvimento Humano de Apucarana, Marli é uma das vencedoras do Prêmio Espírito Público, concedido a servidores públicos cujo trabalho e trajetória têm grande relevância social. Ela foi uma das escolhidas, naturalmente, na área de educação. Em sua terceira edição, o prêmio selecionou três profissionais com trajetórias transformadoras em cinco categorias: educação, meio ambiente, segurança pública, governo digital e gestão de pessoas.

“Recebi essa notícia com muito entusiasmo, muita alegria. É um reconhecimento importante ao trabalho prestado”, disse Marli à Gazeta do Povo. Graduada em Pedagogia, ela tem especializações em Filosofia, Tecnologia da Educação e Gestão Pública, e mestrado em Educação. Além de professora em diferentes níveis de ensino, já foi diretora, supervisora e presidente regional da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime).

À frente da Autarquia de Educação de Apucarana, Marli coordena uma estrutura de cerca de mil professores e 12 mil estudantes, sendo mais de 90% deles em período integral. “Nós procuramos fazer com que o dinheiro público possa ser aplicado em investimentos que resultem em benefícios para a comunidade: alimentação de qualidade, proposta pedagógica crítica, formando cidadãos conscientes e com visão de mundo, que possam crescer e auxiliar na sociedade”, destaca.

Uma tarefa que se tornou ainda mais desafiadora em 2020, ano em que as escolas permaneceram fechadas durante praticamente todo o período letivo em decorrência da pandemia do coronavírus. “Essa pandemia não vai passar de uma hora para outra. Vamos entrar em 2021 com o ensino híbrido e uma nova forma de viver a educação. Teremos que nos reinventar com o uso das tecnologias e enfrentar esse novo tempo na educação”, ressalta. O desafio maior, contudo, vem de longa data: “é fazer com que o meio político entenda a importância da educação na sociedade; pela educação é possível transformar a sociedade, ela precisa ser valorizada.”

Em sua terceira edição, prêmio Espírito Público teve 2,9 mil inscritos

O Prêmio Espírito Público é realizado por cinco organizações do terceiro setor, com a parceria de 21 instituições das áreas social, educacional e de gestão pública. Neste ano, a premiação contou com um número recorde de 2.907 inscritos. Além dos contemplados nas cinco categorias tradicionais, foi selecionada pela primeira vez uma equipe na categoria saúde e também será concedida a inédita Medalha Espírito Público, que irá homenagear duas instituições públicas atuantes no combate à pandemia de Covid-19.

Eloy Oliveira é diretor-executivo da Republica.org, uma das instituições organizadoras do prêmio. Ele conta que a iniciativa surgiu por não haver até então no país uma ação de reconhecimento do funcionalismo público. “Somos um país com aproximadamente 12 milhões de servidores públicos, muitos fazendo coisas incríveis. Queríamos encontrar essas pessoas e contar essas histórias. É uma forma de valorizar aqueles que estão dedicando suas vidas para melhorar a nossa sociedade e também fazer com que eles sirvam de inspiração para as novas gerações”, relata.

De acordo com ele, o processo de avaliação dos inscritos passa pela análise de uma série de requisitos. É preciso que o servidor tenha pelo menos dez anos de serviço público e preencha um formulário relatando as ações de impacto realizadas ao longo da carreira. As dez pessoas com melhor pontuação em cada categoria são avaliadas por um comitê, que define os vencedores.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]