Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Hospital Zona Sul de Londrina é um dos hospitais da cidade vinculados à Sesa.
Hospital Zona Sul de Londrina é um dos hospitais da cidade vinculados à Sesa.| Foto: Divulgação/Sesa

Dois funcionários do Hospital Zona Sul de Londrina, vinculado à Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), morreram de Covid-19 neste mês após assinarem termos em que se recusaram a tomar vacina contra a doença. Segundo o diretor geral do hospital, Geraldo Junior Guilherme, eles faziam parte de um grupo de 31 profissionais da unidade que formalizaram a recusa.

Cadastre-se e receba notícias do Paraná no WhatsApp

Os dois servidores que morreram são um homem de 34 anos, que trabalhava como escriturário em uma área de internação da instituição não voltada para a Covid-19, e uma mulher de 54 anos que atuava no setor de pediatria e numa enfermaria, também não direcionada a atendimentos da doença.

De acordo com Guilherme, os dois haviam voltado atrás na decisão de recusar a vacina. O servidor chegou a tomar a primeira dose, mas foi infectado antes de receber a segunda. “Já a funcionária tinha validado o cadastro para tomar a primeira dose, faltava apenas agendar. Infelizmente, contraiu a doença e morreu antes”, relatou o diretor.

Guilherme lembrou que ninguém, nem mesmo profissionais da área de saúde, é obrigado a tomar a vacina, mas, quando os 31 servidores assinaram o termo de recusa, o hospital iniciou uma campanha de convencimento para que aceitassem a imunização.

“De 31, o número caiu para 23. Depois que esses dois servidores foram internados, mais aceitaram ser vacinados, porque perceberam a agressividade das novas cepas, a demanda no próprio hospital, e o contingente dos que se recusavam caiu para 10 funcionários. Esta semana, mais quatro aceitaram. Então, restam seis [que não aceitaram se vacinar]”, afirmou.

Fábio Garani, médico da Vigilância Epidemiológica da 17ª Regional de Saúde de Londrina, destacou a importância da vacinação contra a Covid-19. “Sou geriatra. Hoje, as pessoas vivem mais, entre outros motivos, por causa das vacinas. O número de pessoas que está recusando (a vacina contra a Covid-19) é pequeno, porque a maioria está vendo que é uma boa vacina, que funciona. Mas, infelizmente, muitas fake news foram espalhadas sobre o assunto”, lamentou.

3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]