i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Concessão de uso

Gestão Ratinho quer “terceirizar” áreas públicas em parques como Vila Velha

  • PorCatarina Scortecci
  • 11/07/2019 20:48
Parque de Vila Velha
Parque de Vila Velha| Foto: Divulgação/AENpr

O governo do Paraná quer aprovar uma lei que permita que terceiros explorem áreas de uso público de unidades de conservação – parques como Vila Velha, por exemplo. Os nomes dos concessionários seriam definidos através de um processo licitatório, na modalidade concorrência. A ideia consta no projeto de lei de número 469/2019, protocolado na Assembleia Legislativa há cerca de um mês.

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS PELO WHATSAPP

Tentativa semelhante já foi ensaiada na gestão anterior, Beto Richa/Cida Borghetti, mas não avançou. De acordo com o diretor de Gestão do Patrimônio Natural da Secretaria de Meio Ambiente, Aristides de Athayde, o que se tentou lá atrás foi uma concessão de serviço, na qual o Estado remunerava a empresa para que ela assumisse a conservação de toda a área (além do área de uso público, o restante da unidade de conservação); agora, na gestão Carlos Massa Ratinho Junior (PSD), seria uma concessão de uso, situação na qual a empresa buscaria sua própria remuneração, com a exploração turística, mas onde o Estado permaneceria responsável pela conservação.

“Os equipamentos turísticos, o restaurante, o centro de visitantes, as trilhas, uma trilha de bicicleta, um percurso para corrida de natureza, tudo isso fica por conta do concessionário. Mas o Estado continua responsável pela conservação dos atributos naturais. Não nos parece muito coerente que o estado, com todas as suas dificuldades, tenha ainda que se preocupar com a gestão turística, a gestão da visitação, daquela pessoa que vai procurar lazer”, defende Aristides, em entrevista à Gazeta do Povo.

No Paraná, existem cerca de 70 unidades de conservação vinculadas ao governo do Estado, mas somente parte delas poderia eventualmente entrar na lista de concessões: somente aquelas com possibilidade de uso público prevista no seu respectivo plano de manejo. Toda unidade de conservação deve ter sua existência gerida por um instrumento chamado plano de manejo.

Entre os exemplos de possíveis concessões, Aristides cita o Parque Estadual de Vila Velha (Ponta Grossa), Parque Estadual do Cerrado (Jaguariaíva e Sengés), Parque Estadual do Guartelá (Tibagi) e Parque Estadual do Monge (Lapa).

“Tem empreendedores que buscam unidade de conservação porque entendem hoje que o turismo de natureza, o esporte de aventura, são um grande negócio. E eu vejo isso com bons olhos. Porque você forma uma legião de ambientalistas, gente que vai numa unidade de conservação e não admite que ela seja reduzida, ameaçada. É um modelo que tem dado certo no Brasil”, argumenta Aristides, ao citar o Parque Nacional do Iguaçu, concedido à empresa Cataratas do Iguaçu, com “um número bastante significativo de visitantes”.

SPVS: Falta investimento em unidade de conservação

Para Clóvis Borges, diretor executivo da SPVS (Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem) e conselheiro do Observatório Justiça e Conservação, a “terceirização” não é ruim, mas há uma preocupação em relação às outras demandas, de conservação e preservação, de responsabilidade do governo do Estado.

“Embora reconheçamos que o uso público de uma unidade de conservação seja potencialmente terceirizável, a preocupação é que as outras demandas sejam igualmente atingidas. Ou seja, a preocupação é que haja um parque de uso público, com uma atividade econômica rodando lá dentro a partir de uma empresa privada, e sem a contrapartida do estado, que é a manutenção da unidade de conservação”, pontua Borges, em entrevista à Gazeta do Povo.

Segundo Broges, o investimento em unidades de conservação já é baixo. “Faltam funcionários. Existe um déficit crônico, profundo, de capital humano, ligado às áreas do meio ambiente, em especial no IAP [Instituto Ambiental do Paraná]. Isso é notório, de conhecimento público”, protesta ele.

“A gente não está criticando a atual gestão, não estamos interpretando isso com má intenção. Nós temos é uma preocupação, porque, no passado, houve uma tentativa, que consideramos não satisfatória, de passar o parque para a empresa. Mas quem tem que dar o diapasão, o regramento, quem tem que colocar a alma dentro deste processo, dar orientações, proteger a área, é o governo do Paraná”, defende ele.

Embora o modelo de concessão de uso ainda não esteja totalmente definido – o projeto de lei apenas autoriza uma exploração do tipo, sem dar outros detalhes -, o diretor de Gestão do Patrimônio Natural da Secretaria de Meio Ambiente alega que “o Estado não vai abandonar as unidades de conservação”. “As obrigações do Estado persistem. O projeto de lei não altera isso”, diz Aristides de Athayde.

“Nós estamos herdando uma estrutura muito deficitária. É um setor que estava completamente desestruturado e nós estamos tentando estruturar”, responde ele.

5 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 5 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • A

    Afonso Celso Frega Beraldi

    ± 0 minutos

    O melhor exemplo de gestão terceirizada eh o do Parque Nacional do Iguaçu, que eh um primor. Só há algo parecido fora do Brasil. Temos que nos concentrar em coisas mais importantes para nossa população. Alternativa, ficar na mão do estado e cobrar ingresso nos mesmos moldes que a iniciativa privada cobraria para manutenção do parque , porém sabemos que essa grana ira para um sumidouro de dinheiro qualquer.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Celito Medeiros

    ± 3 horas

    Belíssima imagem do Parque de Vila Velha, meus pincéis tremularam! Parabéns. Bom que o Estado promova o Turismo local, regional e especialmente o internacional com as nossas Cataratas do Iguaçu.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    ACIR MELLO JUNIOR

    ± 7 horas

    O Estado não tem que ser empresa de turismo. Além de não ter competência para isso, a administração invariavelmente acaba por sofrer a influência dos políticos que adoram indicar seus apaniguados para cargos de gerência. É só olhar para o exemplo do Parque Iguaçu para ver como uma administração profissional pode melhorar as condições para o público.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    Francisco Krupa

    ± 7 horas

    Parques para poucos. Entradas da Vila Velha terão valores altíssimos como é o trem para Morretes.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • W

    Waldemiro

    ± 19 horas

    Agora a gazeta ta de *******/r/i/a ...e tira os comentarísticos das noticias;

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.