i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Urbanismo

Livro conta como jovens arquitetos fizeram de Curitiba modelo de planejamento

  • PorMarina Mori, especial para Pinó
  • 19/10/2020 13:07
Livro conta como jovens arquitetos fizeram de Curitiba modelo de planejamento
| Foto: Leticia Akemi

Curitiba, 1970. A cidade que você conhece hoje, em 2020, ainda não existe: o calçadão da Rua XV não é um calçadão; os parques São Lourenço e Barigui são áreas verdes às quais as pessoas não têm acesso e as canaletas de ônibus são grandes avenidas para carros. Mas em menos de cinco anos um grupo de jovens arquitetos vai dar forma a cada um desses elementos, transformando a capital paranaense em uma inspiração para o Brasil e o mundo. Essa mudança repentina, que fez da cidade um exemplo de planejamento nas décadas de 1970, 1980 e 1990, é o pano de fundo do livro "Curitiba: Urbanismo Essencial", do arquiteto e urbanista Geraldo Pougy. A obra aguarda o êxito de um financiamento coletivo online para ser publicada e busca entender o modus operandi dos responsáveis pela transformação.

O GRUPO DE CURITIBA

No livro de 190 páginas, o autor se refere a esses jovens arquitetos como o Grupo de Curitiba. “Começou pequenininho, lá em 1965, e foi crescendo. Chegou a ter 600, 800 pessoas no seu auge, na década de 1990”, conta Pougy. Nessa época, até o carioca integrou o movimento e, desde 1988, adotou Curitiba como lar.

Mas, afinal, quem eram essas pessoas? Difícil listar todas. Pougy sugere que tudo começou com a amizade acadêmica dos recém-formados Jaime Lerner, o líder inspirador do grupo que se tornaria três vezes prefeito de Curitiba e duas governador do; Abrão Assad, Nicolau Klüppel, Carlos Ceneviva, Lubomir Ficinski, entre tantos outros. Os amigos queriam remodelar Curitiba para atender a população da melhor forma possível. Era o oposto do que estava prestes a acontecer: a cidade seria reestruturada para carros, com viadutos e largas avenidas, aos moldes de São Paulo e Rio de Janeiro. “Teria sido um desastre”, comenta Pougy, no livro.

Parecia utópico que um bando de jovens conseguisse convencer o então prefeito, Ivo Arzua, a criar um Plano Diretor, até então inexistente. Deu certo. Tão certo que, a partir disso, Arzua criou o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba, o Ippuc, e contratou os urbanistas.

O Ippuc se tornou um laboratório criativo para eles, que construíram uma Curitiba para o povo, com parques, praças e uma rua inteira fechada para pedestres. “Fomos muito unidos, nunca tivemos receio de inovar”, conta Jaime Lerner em entrevista exclusiva à Pinó. Prova disso foi a implantação das canaletas nos principais eixos da cidade – feito que, mais tarde, seria batizado por Lerner de Bus Rapid Transit (BRT) e reproduzido em mais de 170 cidades no mundo, do Rio de Janeiro a Pequim.

As mudanças rápidas chamaram atenção do governo militar em Brasília, que em 1975 encomendou um estudo para entender o êxito de Curitiba. Até mesmo pesquisadores estadunidenses investigaram a capital paranaense.

CURITIBA FICOU CARETA?

Quando compara a Curitiba dos anos 1970 a atual, Pougy elenca uma série de problemas: de habitação, desemprego, mobilidade. Mesmo considerando o fato de que a cidade hoje tem quase dois milhões de habitantes frente aos 600 mil da época, o pesquisador diz que a gestão pública perdeu a criatividade. “Sim, a cidade está mais complexa. Mas está mostrando que perdeu a capacidade de criar, como um dia fez tão bem. Agora, faz só o feijão com arroz, o que é insuficiente”, critica o urbanista.

Mas existem indícios de que uma força criativa ainda pulsa, mesmo que fraca, entre planejadores urbanos da capital paranaense. Pougy cita como exemplo a expansão de ciclovias feitas no mandato de Gustavo Fruet (2013-2016). (Leia Nota do Autor).

O movimento é mais intenso fora dos arredores da prefeitura e se potencializa em coletivos ativistas espalhados pela cidade, como a associação de ciclistas Cicloiguaçu; o Curitiba Lixo Zero e a Causa Mais Bonita da Cidade, em defesa do Bosque do Bom Retiro. São neles que o urbanista deposita esperança em uma Curitiba melhor e mais preparada para acolher seus habitantes. Mas essa história fica para um outro livro.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.