i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
OPERAÇÃO INTEGRAÇÃO

Após decisão do STF, Pepe Richa pede para processo tramitar na Justiça Eleitoral

Na esteira de decisão do Supremo Tribunal Federal, irmão de ex-governador do Paraná defende que ação penal saia das mãos da Justiça Comum

  • PorCatarina Scortecci
  • 15/03/2019 20:56
Pepe Richa quer levar seu processo para a Justiça Eleitoral. | Albari Rosa/Gazeta do Povo
Pepe Richa quer levar seu processo para a Justiça Eleitoral.| Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo

Réu da Operação Integração, José Richa Filho, o Pepe Richa, irmão do ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB), pediu nesta sexta-feira (15) para que a ação penal derivada da investigação sobre o esquema de corrupção nos contratos do pedágio saia da Justiça Comum e migre para a Justiça Eleitoral. O pedido surge na esteira da decisão de quinta-feira (14) do Supremo Tribunal Federal (STF), sobre a competência da Justiça Eleitoral para processar e julgar crimes comuns que tenham conexão com crimes eleitorais.

RECEBA diariamente pelo WhatsApp as principais notícias do Paraná

Ex-secretário de Infraestrutura e Logística na gestão do irmão, Pepe Richa foi acusado pelo Ministério Público Federal (MPF) dos crimes de organização criminosa e corrupção passiva. A denúncia foi acolhida no mês passado pelo juiz federal Paulo Sérgio Ribeiro, da 23ª Vara Criminal de Curitiba. A Operação Integração é derivada da Operação Lava Jato.

Os advogados de Pepe Richa, do escritório Faucz Santos & Advogados Associados, reforçam que “a Constituição da República assegura que a competência da Justiça especializada prevalece sobre à comum” e que os fatos relacionados a crimes eleitorais “são facilmente verificáveis com uma simples leitura da inicial acusatória”.

SAIBA MAIS: Decisão do STF pode atingir processos envolvendo Beto Richa

Pepe Richa teria “supostamente cometido os crimes de participação em organização  criminosa e de corrupção passiva, ao receber valores provenientes das concessionárias de pedágio, sob a justificativa de doações eleitorais oficiais e  extraoficiais”, resumiu a defesa do réu.

“Salienta-se que, no caso de divergência sobre o juízo de competência, cabe à Justiça Eleitoral confirmar ou decliná-la. Desta forma, requer a declinação de competência para a Justiça Eleitoral dos presentes autos em relação ao acusado, como forma de respeitar a competência constitucionalmente estabelecida e decidida pela Suprema Corte”, continuam os advogados.

Em relação à acusação, a defesa de Pepe Richa afirma que o MPF “elaborou uma longa e exaustiva denúncia absolutamente genérica”, “repleta de presunções equivocadas e hipóteses fantasiosas”.

Beto Richa também é réu da Operação Integração, pelos crimes de corrupção passiva, organização criminosa e lavagem de dinheiro. Ele também rejeita a acusação do MPF. No final de fevereiro, o advogado de defesa do tucano, Walter Bittar, chegou a defender que o caso ficasse nas mãos da Justiça Estadual.

“Todos os denunciados exercem ou tiveram vínculo com a administração pública estadual, não se vislumbrando interesse da União a atrair a competência da Justiça Federal”, argumentou ele.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.