183648

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Política
  3. Paraná
  4. Após decisão do STF, Pepe Richa pede para processo tramitar na Justiça Eleitoral

OPERAÇÃO INTEGRAÇÃO

Após decisão do STF, Pepe Richa pede para processo tramitar na Justiça Eleitoral

Na esteira de decisão do Supremo Tribunal Federal, irmão de ex-governador do Paraná defende que ação penal saia das mãos da Justiça Comum

  • Catarina Scortecci
Pepe Richa quer levar seu processo para a Justiça Eleitoral. | Albari Rosa/Gazeta do Povo
Pepe Richa quer levar seu processo para a Justiça Eleitoral. Albari Rosa/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Réu da Operação Integração, José Richa Filho, o Pepe Richa, irmão do ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB), pediu nesta sexta-feira (15) para que a ação penal derivada da investigação sobre o esquema de corrupção nos contratos do pedágio saia da Justiça Comum e migre para a Justiça Eleitoral. O pedido surge na esteira da decisão de quinta-feira (14) do Supremo Tribunal Federal (STF), sobre a competência da Justiça Eleitoral para processar e julgar crimes comuns que tenham conexão com crimes eleitorais.

RECEBA diariamente pelo WhatsApp as principais notícias do Paraná

Ex-secretário de Infraestrutura e Logística na gestão do irmão, Pepe Richa foi acusado pelo Ministério Público Federal (MPF) dos crimes de organização criminosa e corrupção passiva. A denúncia foi acolhida no mês passado pelo juiz federal Paulo Sérgio Ribeiro, da 23ª Vara Criminal de Curitiba. A Operação Integração é derivada da Operação Lava Jato.

Os advogados de Pepe Richa, do escritório Faucz Santos & Advogados Associados, reforçam que “a Constituição da República assegura que a competência da Justiça especializada prevalece sobre à comum” e que os fatos relacionados a crimes eleitorais “são facilmente verificáveis com uma simples leitura da inicial acusatória”.

SAIBA MAIS: Decisão do STF pode atingir processos envolvendo Beto Richa

Pepe Richa teria “supostamente cometido os crimes de participação em organização  criminosa e de corrupção passiva, ao receber valores provenientes das concessionárias de pedágio, sob a justificativa de doações eleitorais oficiais e  extraoficiais”, resumiu a defesa do réu.

“Salienta-se que, no caso de divergência sobre o juízo de competência, cabe à Justiça Eleitoral confirmar ou decliná-la. Desta forma, requer a declinação de competência para a Justiça Eleitoral dos presentes autos em relação ao acusado, como forma de respeitar a competência constitucionalmente estabelecida e decidida pela Suprema Corte”, continuam os advogados.

Em relação à acusação, a defesa de Pepe Richa afirma que o MPF “elaborou uma longa e exaustiva denúncia absolutamente genérica”, “repleta de presunções equivocadas e hipóteses fantasiosas”.

Beto Richa também é réu da Operação Integração, pelos crimes de corrupção passiva, organização criminosa e lavagem de dinheiro. Ele também rejeita a acusação do MPF. No final de fevereiro, o advogado de defesa do tucano, Walter Bittar, chegou a defender que o caso ficasse nas mãos da Justiça Estadual.

“Todos os denunciados exercem ou tiveram vínculo com a administração pública estadual, não se vislumbrando interesse da União a atrair a competência da Justiça Federal”, argumentou ele.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O jornalismo da Gazeta depende do seu apoio.    

Por apenas R$ 0,99 no 1º mês você tem
  • Acesso ilimitado
  • Notificações das principais notícias
  • Newsletter com os fatos e análises
  • O melhor time de colunistas do Brasil
  • Vídeos, infográficos e podcasts.
Já é assinante? Clique aqui.
>