Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Ônibus na Praça Rui Barbosa, no Centro de Curitiba. | Jonathan Campos/Gazeta do Povo
Ônibus na Praça Rui Barbosa, no Centro de Curitiba.| Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo

A prefeitura de Araucária, na Região Metropolitana de Curitiba, fez um anúncio incomum para tempos de crise fiscal nos municípios: aos domingos os ônibus urbanos da cidade circularão sem a cobrança de passagem e, a partir de 2018, a tarifa do transporte no município será de R$ 2,10 – menos da metade do valor atual da passagem de ônibus, fixado em R$ 4,25. A medida suscita uma inevitável questão: se em Araucária é possível ônibus grátis aos domingos e passagens mais baratas, por que em Curitiba não é?

A Urbs não quis se pronunciar sobre o assunto, mas uma análise dos sistemas aponta que a resposta está em uma diferença crucial no modelo de financiamento do transporte: a existência de subsídio público.

LEIA TAMBÉM:Ippuc quer proibir pequenos comércios de ter estacionamento em área residencial

Em Araucária, de acordo com a explicação da Companhia Municipal de Transporte Coletivo (CMTC), o custo de operação do sistema de ônibus é de cerca de R$ 56 mil por domingo. Como a prefeitura remunera as empresas por quilômetro rodado, esse valor deve ser pago independentemente de haver passageiros nos ônibus ou não. Em média, a prefeitura costumava arrecadar com o pagamento de passagens dos usuários cerca de R$ 24 mil por domingo, portanto o Executivo já vinha subsidiando o sistema com R$ 32 mil por domingo. Deste modo, a forma de viabilizar a gratuidade foi intensificar o aporte de recursos públicos, a um custo de R$ 1,2 milhão por ano.

De acordo com o diretor-presidente da CMTC, Samuel Almeida Silva, o subsídio para financiar a domingueira é viável do ponto de vista financeiro porque o município conseguiu tomar medidas administrativas que reduziram o custo de operação do transporte coletivo. Em 2016 o custo do sistema foi de R$ 79 milhões; já neste ano, o orçamento prevê R$ 61 milhões para os serviços de transporte. De acordo com as contas da prefeitura, além dessa redução orçamentária, a projeção é de que o município gaste apenas R$ 54 milhões. Portanto, o financiamento da domingueira sai dessa economia financeira de cerca de R$ 7 milhões.

As principais medidas adotadas, segundo Silva, foram a redução das despesas com serviços de limpeza e segurança, a reorganização de linhas de ônibus e a atualização dos cálculos da planilha de custos, que reduziu o valor pago por quilômetro rodado de R$ 8,67 para R$ 7,29. Além da domingueira, essas ações possibilitaram também a implantação do passe livre para estudantes da rede pública, que começou em julho.

O orçamento de Araucária para 2017 prevê que o município financie com recursos públicos até 38% dos custos do transporte coletivo. Em Curitiba, de acordo com informações da Urbs, atualmente não há nenhum subsídio ao transporte, nem por parte do município nem do governo do Paraná.

LEIA TAMBÉM:Quadro Negro pode colocar Beto Richa na mira do STJ pela quarta vez

O gestor do transporte público de Araucária defendeu o aporte de recursos da prefeitura para o sistema de ônibus e criticou o modelo adotado por Curitiba, que chamou de “subsídio ao contrário”.

“Por que Curitiba paga uma tarifa técnica de R$ 3,79 e cobra R$ 4,25 do usuário? Curitiba está ao contrário, o usuário paga a passagem e subsidia mais 45 centavos. Eu não sei qual a vantagem, não vejo onde está o princípio da modicidade. O usuário está pagando além da conta”, apontou Silva.

Previsão de redução da passagem

Além da implantação da domingueira e do passe livre para estudantes, Araucária está planejando reduzir a passagem em mais da metade do valor atual para os trajetos urbanos a partir de 2018. A ideia do Executivo é tornar mais justo o deslocamento dos usuários que usam ônibus apenas dentro de Araucária. Atualmente, se o passageiro fizer um trajeto curto no centro da cidade, o valor da passagem é de R$ 4,25, o mesmo valor que o leva de um extremo da cidade até um terminal de Curitiba.

“Nós queremos fazer com que o cidadão que mora e trabalha em Araucária araucária volte a usar o coletivo. Hoje ele não usa porque é muito caro para trajetos mais curtos”, afirmou Samuel Silva. A prefeitura ainda não definiu o valor que será cobrado no ano que vem, mas a expectativa é que fique em torno de R$ 2,10.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]