i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Pontal do Paraná

Com reviravolta, conselho aprova construção de estrada milionária no Litoral

Conselho que delibera sobre licenciamento já havia concordado em analisar a construção da Faixa de Infraestrutura somente em 2018, mas pedido de vista feito por ambientalistas foi “driblado”

  • PorKatia Brembatti
  • Pontal do Paraná
  • 20/11/2017 14:11
Foi liberada a construção de uma rodovia paralela à PR-412 (foto) | Jonathan Campos/Gazeta do Povo
Foi liberada a construção de uma rodovia paralela à PR-412 (foto)| Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo

Parecia que a questão estava decidida: o Conselho de Desenvolvimento do Litoral (Colit) havia concordado com o pedido de vista feito por organizações ambientalistas e a avaliação do projeto para fazer uma Faixa de Infraestrutura em Pontal do Paraná havia ficado para o ano que vem. Trata-se de uma proposta de R$ 369 milhões para fazer uma rodovia paralela à PR-412 e também construir um canal de drenagem, uma linha de transmissão de energia elétrica, um gasoduto e um ramal ferroviário.

A reunião para discutir o assunto aconteceu na tarde de segunda-feira (20), em Pontal do Sul. O secretário estadual de Meio Ambiente, Antonio Carlos Bonetti, que preside o Colit, começou pedindo “sobriedade, equilíbrio e respeito” para os participantes. Além dos 32 conselheiros com direito a voto, cerca de duas centenas de pessoas acompanharam a discussão, algumas com camisetas com o slogan Estrada Já, patrocinadas pela Associação Comercial de Pontal da Paraná (Aciapar).

Tanto o representante da Universidade Federal do Paraná (UFPR) como os integrantes das organizações ambientalistas Mater Natura, SPVS e Mar Brasil argumentaram que o projeto tinha inconsistências e não seria possível a aprovação sem esclarecer alguns pontos cruciais, como a falta de estudo de impacto para a construção da ferrovia, do gasoduto e da linha de transmissão. Diante da situação, solicitaram mais tempo para analisar o projeto. Antes mesmo das 15 horas, o presidente do Colit declarou que, em função do pedido de vista encaminhado pelas entidades ambientalistas, a discussão sobre o licenciamento ficava adiada para a próxima reunião, a ser realizada em fevereiro de 2018.

Reunião do Conselho do Litoral (Colit) nesta segunda-feira (20), em Pontal do Paraná.Jonathan Campos/Gazeta do Povo

Contudo, ao final da reunião, pouco antes das 17h30, houve uma reviravolta. Alegando que as dúvidas que motivaram o pedido de vista já tinham sido esclarecidas e que se tratava apenas de uma medida protelatória, a Procuradoria-Geral do Estado (PGE) propôs que a concessão do prazo maior para a análise do projeto deveria ser revista e colocada em votação. Sob os protestos dos ambientalistas, que questionaram a atitude que consideraram autoritária, a autorização de licença prévia para a obra foi votada pelo Colit e aprovada por 22 votos a 5. Também a dragagem do porto Ponta do Félix, em Antonina, que também havia sido retirada de votação foi recolocada em pauta e autorizada pelos integrantes do conselho.

Entre os argumentos apresentados pelo governo estadual para fazer a Faixa de Infraestrutura estão os congestionamentos durante a temporada, com filas e acidentes, na área urbana de Pontal, e a intenção de garantir condições para a implantação de um complexo portuário na cidade. Já os ambientalistas alegam que 500 hectares de Floresta Atlântica, em uma área de mata fechada, serão derrubados e que um porto, sem planejamento adequado, tende a piorar a qualidade de vida da população local.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.