192016

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Política
  3. Paraná
  4. Desconto na tarifa de luz que beneficia quase 12 mil produtores rurais vira lei

campo

Desconto na tarifa de luz que beneficia quase 12 mil produtores rurais vira lei

Benefício, que traz abatimento de 60% sobre a tarifa no período noturno, tornou-se política pública. Governador Ratinho Junior vai regulamentar a concessão do auxílio

  • Giulia Fontes
Produtores de animais, como os suínos, são os mais beneficiados pelo programa | Felipe Rosa/Tribuna do Paraná
Produtores de animais, como os suínos, são os mais beneficiados pelo programa Felipe Rosa/Tribuna do Paraná
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O governador Carlos Massa Ratinho Junior (PSD) deve editar um decreto regulamentando a concessão da tarifa noturna a produtores rurais do estado. O benefício – que garante desconto de 60% na tarifa de luz para uso entre as 21h30 e as 6h – tornou-se lei a partir de uma proposta do deputado Marcio Nunes (PSD), que foi promulgada nesta semana. O projeto já havia sido aprovado na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) no final do ano passado. Nunes será secretário de Sustentabilidade Ambiental e Turismo no governo de Ratinho, mas ainda não tomou posse.

A previsão legal da tarifa rural noturna é uma resposta ao pleito de entidades como a Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep) e o Sistema Ocepar, que reúne cooperativas do estado. Quando houve a criação do benefício, em 2007, a previsão era de que o valor diferenciado para os agricultores durante a noite continuasse a ser aplicado até 2012.

Depois, a medida foi sendo renovada pela Copel ano após ano – até que, no final de 2018, os produtores começaram a receber um comunicado informando que, a partir de 2019, o valor integral voltaria a ser cobrado. Em dezembro, depois que entidades do setor pressionaram a então governadora Cida Borghetti (PP), o Conselho de Administração da Copel decidiu estender o benefício até março, quando nova avaliação seria realizada.

Quem pagará a conta

Com a promulgação da lei, entretanto, o benefício passa a ser uma política de estado que não pode ser revista pela companhia. Quem deve arcar com os custos é o próprio governo estadual – e a conta não é barata. Em entrevista à Gazeta do Povo no começo de janeiro, o presidente da Copel, Daniel Pimentel Slaviero, informou à reportagem que, em 2019, o Executivo deve repassar R$ 39 milhões para custear a tarifa.

“É um programa estratégico e importante para esse segmento que, a partir da lei, não pode mais ser cancelado a qualquer momento”, disse Slaviero.

LEIA TAMBÉM: Governo muda sede do Paraná para o interior em busca de prestígio e capital político

Como funciona

Para ser beneficiada pelo programa, a unidade consumidora deve ser classificada como rural e em baixa tensão; deve custear o sistema de medição a ser instalado; precisa ter adequação da entrada de serviço; e não pode ter débitos junto à Copel.

Hoje, aproximadamente 12 mil produtores rurais são beneficiados pelo programa. O desconto é benéfico especialmente para produtores de aves, suínos, peixes e leite, que têm como maior custo a energia elétrica. Isso porque muitas das necessidades dos animais – como temperatura adequada, alimentação correta e na hora certa – são mantidas por meio de equipamentos movidos a energia elétrica.

CONCESSÕES: Como Ratinho Jr. pode driblar o histórico negativo e emplacar PPPs no Paraná

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE