Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
| Foto: Marcelo Andrade/Gazeta do Povo

A delação premiada do engenheiro civil Nelson Leal Junior, ex-diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem (DER-PR) do governo do Paraná, coloca mais uma vez na berlinda pelo menos quatro figuras bastante próximas ao ex-governador Beto Richa (PSDB). Em comum, todos são recorrentes em ter o nome envolvido em escândalos de corrupção que orbitam o tucano.

A investigadores do Ministério Público (MPF) e da Polícia Federal (PF), ele disse que Richa e agentes públicos ligados ao tucano mantiveram um esquema sistêmico de arrecadação de propina junto a empresas com contratos com a administração estadual. Isso teria ocorrido desde o primeiro mandato dele no governo do Paraná, a partir de 2011.

O esquema, segundo ele, era capitaneado por Beto Richa, Pepe Richa (irmão de Beto Richa e secretário de Infraestrutura e Logística na época), Deonilson Roldo (ex-chefe de gabinete de Beto Richa), Ezequias Moreira (secretário de Cerimonial e Relações Internacionais na época) e Luiz Abi, que é parente do tucano.

O delator também citou arrecadação de propina na reeleição de Richa em 2014 e afirmou que, como o tucano venceu já no primeiro turno, houve “muita sobra” de dinheiro, que acabou destinada principalmente a empresas de Jorge Atherino. Aos investigadores, o delator disse que acredita que Beto Richa seja sócio oculto de Atherino.

Ao lado de Deonilson e outras nove pessoas, o empresário figura entre os denunciados nesta quarta-feira (5) pelo MPF. A denúncia trata do suposto favorecimento à empreiteira Odebrecht na licitação da obra da PR-323, e foi acolhida no mesmo dia pelo juiz federal Sergio Moro, à frente da 13ª Vara Criminal de Curitiba, onde estão os processos da Operação Lava Jato.

Clique acima sobre o nome de cada um deles para ler em que já foram implicados. E clique aqui para ver como os acusados se defendem das acusações mais recentes, de Nelson Leal Junior.

Veja abaixo o histórico de cada um

Gilberto Abelha/Jornal de Londrina

Luiz Abi

Parente de Richa, esteve envolvido em mais de um escândalo do governo do estado. No principal deles, segundo o Ministério Público, Abi seria o “operador político” do esquema investigado pela Operação Publicano, que teria desviado recursos da Receita Estadual, parte deles para a campanha de reeleição do tucano, em 2014. Já na Operação Voldemort, pela qual foi condenado em 1ª instância, era acusado de ser o mentor de um esquema que teria fraudado uma licitação para manutenção de veículos oficiais do estado.

Tratado por muitos como “eminência parda” do governo Richa, Abi tornou-se conhecido em 2013 ao ter a imagem apagada de uma foto no gabinete do tucano. Após cair em desgraça e começar a ser investigado pela Justiça, passou a ser tratado pelo tucano como “parente distante”.

Já em proposta de delação premiada, Maurício Fanini, réu na Operação Quadro Negro, diz ter recebido de Abi um pedido de R$ 500 mil para comprar o apartamento de Marcello Richa, filho do ex-governador. Em outro momento, a quantia solicitada teria sido de R$ 600 mil numa viagem a São Paulo, diante da ex-primeira dama Fernanda Richa. Segundo Fanini, Abi era uma pessoa “bomba”.

Marcelo Andrade/Gazeta do Povo

Ezequias Moreira

Ficou conhecido no episódio da “sogra fantasma”, que veio à tona em 2007. Ele era chefe de gabinete de Richa na década de 1990 – então deputado estadual pelo PSDB. Verônica Durau, mãe da esposa de Ezequias, constava na folha de pagamento da Assembleia Legislativa, mesmo sem ser funcionária da Casa. Descoberto, Ezequias devolveu o dinheiro que havia sido pago à sogra. Chegou a ser condenado pelo Tribunal de Justiça, mas o crime já estava prescrito.

Apesar do caso de corrupção, Richa o nomeou para uma “secretaria especial” e disse que “é preciso perdoar o pecador, não o pecado”. O cargo, segundo Maurício Fanini, teria sido ideia de Deonilson Roldo, pois garantia foro privilegiado a Ezequias, que temia ser preso por decisão de 1ª instância.

Ao MPF, Fanini disse que pediu a troca de Abi como intermediário de Richa, porque ele era arrogante. O indicado para substituí-lo teria sido Ezequias. De acordo com o pretenso delator, como chefe de gabinete de Richa na prefeitura de Curitiba, o homem da sogra fantasma articulou 15% de propina em um contrato para manutenção de iluminação pública na capital. A mesma empresa teria vencido lotes desta licitação e de outras na sequência.

Reprodução/Facebook

Jorge Atherino

Conhecido como Grego, em razão de sua ascendência, o empresário teve o nome mencionado na Operação Superagui, por suposto favorecimento em uma concessão ambiental emitida pelo Instituto Ambiental do Paraná (IAP) na gestão Richa.

A liberação permitia o desmatamento de uma área protegida de mata atlântica, próxima ao Porto de Paranaguá, que serviria a um projeto de construção de estacionamento de caminhões e atenderia a interesses empresariais de Richa e familiares. Segundo o Ministério Público, a empresa dona do terreno, de propriedade de Atherino, apresentaria uma estreita relação com outras empresas da família Richa.

Grego também foi citado na delação premiada do ex-executivo da Odebrecht Benedicto Júnior. Segundo o delator, foi Jorge Atherino quem entrou em contato com a empreiteira para pedir dinheiro à campanha de reeleição de Beto Richa, em 2014.

Aos procuradores, Fanini apontou Grego como o terceiro responsável por receber e estocar dinheiro de campanha para Richa, em sucessão a Ezequias. Numa das entregas, em uma mochila de R$ 250 mil, o empresário teria mostrado um armário falso dentro do box do chuveiro da suíte do apartamento dele, onde guardava o dinheiro ilícito.

Fanini relatou ainda que Atherino foi uma das pessoas incumbidas por Richa para ajudá-lo depois que a Quadro Negro estourou e que ele foi exonerado da Secretaria de Educação. A partir de então, em agosto de 2015, passou a receber das mãos do empresário R$ 12 mil por mês para permanecer em silêncio. Em abril de 2017, os pagamentos começaram a atrasar e, depois de diversas tentativas para receber a mesada, desistiu de contatar Atherino em agosto daquele ano.

Daniel Caron/Gazeta do Povo

Deonilson Roldo

Jornalista de formação, Déo, como costuma ser chamado, foi secretário de Estado pela primeira vez no governo de Jaime Lerner. A partir daí, aproximou-se mais de Richa quando o tucano foi eleito prefeito de Curitiba. Na época, foi chefe de gabinete e secretário de Comunicação – mesmas funções que ocuparia futuramente no governo do estado. No Executivo estadual, era tido como uma espécie de primeiro-ministro. Segundo aliados de Richa, o tucano seria o garoto propaganda do governo, enquanto Deonilson faria de fato o papel de gestor.

Com a renúncia de Richa, no último dia 6 de abril, foi remanejado para a Diretoria de Gestão Empresarial da Copel. Recentemente, no entanto, veio à tona uma gravação, de fevereiro de 2014, na qual ele afirma que havia um compromisso para que a Odebrecht vencesse licitação da PR-323, rodovia no Noroeste do estado. Ao empreiteiro que gravou a conversa, pediu que desistisse da concorrência em nome de um “entendimento”. Como resultado, acabou demitido pela governadora Cida Borghetti (PP) e também perdeu outros cinco cargos que ocupava em conselhos e comitês de estatais. O aúdio, inclusive, foi um dos motivos que levou Moro a torná-lo réu.

Em proposta de delação, Fanini relatou que foi chamado para uma reunião com Deonilson quando surgiram as primeiras suspeitas do Ministério Público em relação ao esquema de desvio dos recursos da construção e reforma de escolas estaduais. Déo o teria cobrado para resolver o atraso nas obras investigadas pela Quadro Negro, caso contrário haveria um escândalo que seria “uma flecha no coração” de Richa. A partir daí, Fanini começou a ser cobrado diariamente até sua exoneração do cargo de diretor da Secretaria de Educação.

Outro lado

Por meio de nota, a defesa de Beto Richa disse que “entende que as alegações do Ministério Público Federal não apresentam qualquer sustentação” e que ele “sempre pautou suas ações baseado nos princípios legais”. O político acrescentou que “a obra de duplicação da rodovia PR-323 nunca aconteceu. Também nenhum recurso público, de origem federal ou estadual, foi aportado na licitação. Não houve também qualquer direcionamento em licitação. Tanto é assim que a Corte Especial do STJ decidiu de forma unânime que tal investigação deva ocorrer na Justiça Eleitoral, na qual será comprovada, sem sombra de dúvidas, a lisura dos atos do ex-governador. Infelizmente, tornou-se comum delatores apresentarem falsas afirmações na tentativa de se verem livres das penas que, certamente, serão condenados pelos graves crimes praticados”.

A defesa de Pepe Richa informou que “as declarações do delator não são verdadeiras e que está tomando todas as medidas judiciais cabíveis para reparar a indevida utilização de seu nome”.

Ao portal G1, a defesa de Deonilson Roldo informou que só vai se manifestar depois de analisar os documentos e que ele nunca foi intimado a prestar esclarecimentos.

Ao G1, a defesa de Jorge Atherino disse que respeita o trabalho do Ministério Público e que vai apresentar o contraditório para os devidos esclarecimentos.

Ao G1, a defesa de Luiz Abi disse que as afirmações de Nelson Leal Júnior são descabidas e inverídicas, e que o único objetivo dele foi conseguir um acordo de colaboração premiada.

A defesa de Ezequias Moreira afirmou que “as declarações do delator são mentirosas e que nunca participou, em nenhum momento, de qualquer tipo de arrecadação junto a empresas e empresários e que está à disposição da Justiça para esclarecimentos”.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]