124808

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Política
  3. Paraná
  4. Ministério Público investiga ‘telemarketing’ milionário do governo do Paraná

GASTO SUSPEITO

Ministério Público investiga ‘telemarketing’ milionário do governo do Paraná

Teor dos telefonemas com slogans publicitários é “autoevidente”, diz MP-PR. Investigação foi aberta após reportagem da Gazeta do Povo

  • José Lázaro Jr., do Livre.jor, especial para a Gazeta do Povo
Em 2017, foram disparadas 9,75 milhões de ligações telefônicas da Casa Civil para a população paranaense. | Marcelo Elias/Gazeta do Povo
Em 2017, foram disparadas 9,75 milhões de ligações telefônicas da Casa Civil para a população paranaense. Marcelo Elias/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O uso de slogans publicitários em telefonemas do governo do Paraná à população e a contratação do serviço de “telemarketing” por dispensa de licitação botaram a Casa Civil na mira do Ministério Público do Paraná (MP-PR). O inquérito civil foi oficializado no dia 11 de julho, após cinco meses de investigação preliminar, e tramita na 5ª Promotoria de Proteção ao Patrimônio Público de Curitiba. A denúncia do contrato foi feita pela Gazeta do Povo, em reportagem publicada no dia 6 de fevereiro.

Durante o ano de 2017 foram disparadas 9,76 milhões de ligações telefônicas da Casa Civil para os paranaenses, mas pelo menos 8 das 21 campanhas (40% dos telefonemas feitos) não coincidem integralmente com a proposta da Central de Monitoramento dos Serviços Públicos. É esse o nome-fantasia do contrato firmado pela Casa Civil com a Companhia de Tecnologia da Informação e Comunicação do Paraná (Celepar), que na prática serviu como esquema paralelo de divulgação oficial.

Em 2017, os telefonemas automatizados com mensagens do governo custaram R$ 3,2 milhões aos cofres públicos. Renovado até o final de janeiro do ano que vem, o valor total do contrato chegará a R$ 6,5 milhões. Diz o contrato que o serviço de “telemarketing” era para comunicados de utilidade pública, coleta de dados sobre serviços do governo, convites para audiências e convocação de aprovados em concurso público. Especial para a Gazeta do Povo, Livre.jor mostrou que isso não foi seguido à risca - apesar do que diz o governo.

“Considerando que o conteúdo das mensagens é autoevidente e não necessita de maiores atos investigatórios para a conclusão sobre sua eventual ilegalidade, a investigação centra-se na averiguação da regularidade da dispensa de licitação para a contratação da Celepar e na ausência dos gastos deste contrato na contabilização de despesas com publicidade do governo do Estado”, explicou ao jornal a promotora Cláudia Madalozo, responsável pelo inquérito civil.

LEIA MAIS: Após câncer da neta e carro roubado, aposentada ganha R$ 200 mil no Nota Paraná

Slogans publicitários

A documentação oficial mostra que a Central de Monitoramento foi gestada em 2016, quando Valdir Rossoni, do PSDB, chefiava a Casa Civil. Foi ele quem renovou o contrato no início deste ano, antes de deixar o cargo para candidatar-se à deputado federal. Dilceu Sperafico, que assumiu o comando, continuou se valendo das ligações - em agosto, por exemplo, os telefonemas são sobre a vacinação contra o sarampo.

Como a reportagem explicou em fevereiro, nenhuma das campanhas fez propaganda pessoal do ex-governador Beto Richa(PSDB), gestor à época, ou cita qualquer outro político diretamente. São as menções elogiosas à administração, alinhadas à publicidade oficial, que chamam a atenção. Por exemplo, o bordão “Governo do Estado, sempre a favor dos paranaenses” , aparece em 14 das 21 campanhas feitas pela Casa Civil. A apostila com as ligações feitas em 2017, obtidas pelo Livre.jor via Lei de Acesso à Informação, está disponível na internet para quem quiser conferir.

Quando as informações sobre os telefonemas vieram a público, a reportagem questionou a Casa Civil sobre o uso dos bordões. O órgão, na gestão Richa, respondeu que “os slogans são do governo do Estado. E o que se divulga são os serviços, obras ou ações do governo. Todos esses itens são de utilidade pública”. E que o julgamento negativo sobre o uso dos slogans era “uma avaliação pessoal de quem questiona” - no caso, a reportagem.

“As irregularidades que motivaram a instauração da Notícia de Fato [apuração preliminar, aberta em fevereiro, após protocolo do deputado Maurício Requião, do MDB] foram o possível desvio de finalidade do conteúdo das mensagens repassadas e a não inclusão dos gastos oriundos do contrato como verba de publicidade. Converteu-se em inquérito civil [em julho] pela necessidade de maiores diligências”, detalhou a 5ª Promotoria de Proteção ao Patrimônio Público de Curitiba. Se a promotora Cláudia Madalozo considerar o caso consistente, pode enquadrar a situação como ato de improbidade.

LEIA MAIS: Prefeitura busca R$ 250 milhões para área que gerou atrito entre Greca e Huck

Telefonemas continuaram

A Casa Civil do governo Cida Borghetti (PP) foi procurada pela reportagem e confirmou que a Central de Monitoramento dos Serviços Públicos continua telefonando para os paranaenses. Questionada sobre o número de campanhas, o teor das mesmas e a abrangência das ligações, limitou-se a dizer que são “orientação sobre serviços de utilidade pública, tais como campanhas de vacinação e de doação de sangue”.

Perguntada diretamente se o uso dos slogans publicitários nas mensagens continuava, o órgão responsável pela articulação política do governo do Paraná apenas disse que “o serviço está sendo prestado conforme previsto em contrato”. E que os telefonemas cumpriam o determinado pela lei federal 13.460/2017, que é posterior à assinatura do contrato e cuja vigência começou só neste ano, há apenas dois meses.

Apelidada de Código de Defesa do Usuário Público, a norma federal prevê pesquisa anual de satisfação com os cidadãos sobre a qualidade dos governos - desde que a apuração tenha “significância estatística” e que a avaliação seja “integralmente publicada no sítio [na internet] do órgão ou entidade, incluindo o ranking das entidades com maior incidência de reclamação dos usuários”.

LEIA MAIS: Tribunal de Contas põe governo do Paraná em alerta por gastos com pessoal

O governo não disponibilizou o teor das ligações feitas em 2018, logo não há como saber se servem para o monitoramento dos serviços públicos. No ano anterior, das 21 campanhas apenas uma, sobre segurança pública, atenderia a esses critérios. A confluência desse serviço de ligações com a divulgação do governo aparece na preocupação da Casa Civil com as eleições.

“Buscando evitar quaisquer equívocos de interpretação, o governo decidiu interromper temporariamente o serviço da Central”, confessou o órgão à reportagem. “A interrupção se dará a partir de 1º. de setembro e o serviço será retomado em 1º. de novembro. Neste mês de agosto, todo o trabalho da Central está concentrado na campanha de vacinação contra o sarampo, que vai até o dia 31”, explicaram-se.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE