i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
quadro negro

MP pede à Justiça que condene 14 pessoas por fraude em obras de escolas

Pedido é para que eles sejam condenados por corrupção, lavagem de dinheiro, fraude a licitação e falsidade ideológica em esquema que teria desviado pelo menos R$ 30 milhões

  • PorDa redação
  • 29/10/2018 21:26
Obras nas escolas ficaram muito longe da conclusão. | Albari Rosa/Gazeta do Povo
Obras nas escolas ficaram muito longe da conclusão.| Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo

O Ministério Público do Paraná (MP-PR) pediu, nesta segunda-feira (29), a condenação de 14 réus na Operação Quadro Negro. Entre eles, estão o ex-diretor da Secretaria de Estado da Educação Maurício Fanini e o empresário Eduardo Lopes de Souza, dono da Valor Construtora. O pedido é para que eles sejam condenados por corrupção, lavagem de dinheiro, fraude a licitação e falsidade ideológica. Saiba o que dizem os acusados.

Nas alegações finais do processo, divulgadas pela RPC e pelo portal G1, o MP afirma que “não resta dúvida de que havia uma organização criminosa nas esferas do Poder paranaense, com o objetivo de desfalcar os cofres públicos, em especial, na área de educação”. O órgão destaca, porém, que os fatos narrados correspondem a “uma parte hierarquicamente inferior desta organização” – a maior parte dos réus são ex-funcionários da Secretaria da Educação e da Valor.

Com a apresentação das alegações finais do MP, será aberto um prazo para que as defesas dos réus também deem os últimos argumentos no processo. A partir daí, a Justiça poderá dar a sentença.

LEIA MAIS: Juiz decreta indisponibilidade de bens de Richa, Rossoni e Plauto na Quadro Negro

Os papéis no esquema

Em linhas gerais, o esquema da Quadro Negro, que desviou pelo menos R$ 30 milhões dos cofres públicos, consistia em medições falsas feitas em obras de escolas estaduais e na consequente liberação de valores à Valor por trabalhos que mal tinham saído do chão. O dinheiro desviado teria abastecido campanhas políticas em 2014, entre elas a do ex-governador Beto Richa (PSDB) – ele nega qualquer irregularidade.

Baseado nesse histórico, em 261 páginas o Ministério Público classifica Eduardo Lopes de Souza como “líder incontestável do núcleo empresarial” do esquema articulado graças ao “seu trâmite junto às instâncias governamentais e sua capacidade de atrair seus familiares para lhe auxiliar”. “Todos os demais membros da organização criminosa denunciada possuem, de uma forma ou de outra, em maior ou menor grau, algum vínculo com ele”, diz o MP.

Já em relação a Maurício Fanini, o órgão afirma que, “mediante remuneração de Eduardo Lopes de Souza, utilizou do cargo por ele ocupado para fazer com que os demais servidores públicos agissem em favor indevido da empresa Valor”. “Talvez sem esta intermediação o grupo não tivesse prosperado.”

No pedido de condenação feito à Justiça, o MP se amparou na delação do próprio Fanini e em mensagens trocadas entre os réus.

Outro lado

À RPC e ao G1, a defesa de Maurício Fanini afirmou que ele continuará colaborando com a Justiça e que pretende se manifestar apenas no processo.

A reportagem ainda tenta contato com os demais réus.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]
  • Tudo sobre:

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.