Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

delação

Pagamento de propina a Traiano teria sido definido na casa de Richa

Empreiteiro disse que pagou R$ 400 mil em dinheiro vivo ao presidente da Assembleia, com aval do então governador tucano, para financiar campanha dele a deputado

  • Da redação
Richa e Traiano: ex-governador teria avalizado caixa 2 a deputado tucano. | Arquivo/Gazeta do Povo
Richa e Traiano: ex-governador teria avalizado caixa 2 a deputado tucano. Arquivo/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O pagamento de propina ao presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, Ademar Traiano (PSDB), teria sido definido em uma reunião ocorrida em 2014, na casa do então governador Beto Richa (PSDB). É o que declarou o dono da Valor Construtora, Eduardo Lopes de Souza, em audiência na 9ª Vara Criminal de Curitiba, na semana passada. Ele é o principal delator da Operação Quadro Negro, que investiga o desvio de pelo menos R$ 20 milhões de recursos que deveriam ter sido empregados em obras de escolas estaduais.

O vídeo da audiência foi divulgado na noite desta segunda-feira (14), pela RPC TV. Lopes de Souza disse que o caixa 2 à campanha de reeleição de Traiano a deputado estadual teria sido acertado em uma reunião na casa do então governador, da qual participaram o parlamentar e o ex-diretor da Secretaria de Estado da Educação (Seed) Maurício Fanini, além do próprio Richa.

LEIA TAMBÉM: Quadro Negro financiaria caixa 2 de Richa, do filho e do irmão em 2018, diz delator

O delator relatou que, depois disso, fez quatro pagamentos de R$ 100 mil a Traiano, em dinheiro vivo. A primeira parcela da propina foi paga ainda durante a campanha de 2014, na sala do deputado na Assembleia. “Fui e entreguei R$ 100 mil lá dentro da [sala da] liderança do governo na Assembleia, na campanha. Em agosto, setembro... ali”, disse. À época, o parlamentar era o líder de Richa na Casa.

Lopes de Souza contou ter levado o dinheiro em uma mala, que continha R$ 300 mil e destacou a reação de Traiano ao ver os maços. “Quando eu abri a mala, ele olhou pra mim e falou assim: ‘Pô, você não pode me dar mais um pouco disso aí, não?’”. O delator disse, porém, que o restante do dinheiro estava “comprometido” com Fanini e que, por isso, deu apenas R$ 100 mil a Traiano.

O construtor detalhou ainda que as outras três entregas de propina ocorreram nos seguintes locais: uma também na sala da liderança do governo, outra na sala da presidência da Assembleia e outra na casa de Traiano.

LEIA TAMBÉM: Delator detalha envolvimento da cúpula política do Paraná em desvio de escolas

O delator afirmou também que Richa tinha ciência de que parte do dinheiro desviado ficava com o então diretor da Seed Maurício Fanini. “Ele comentou assim: o governador sabia que uma parte desse dinheiro ia ficar pra ele [Fanini]”, disse. “Inclusive, ele falou: ‘Esse apartamento quem me deu foi o governador”, completou o delator.

Fanini está preso desde setembro de 2017, por lavagem de dinheiro. Até então considerado amigo pessoal e bastante próximo de Richa, o ex-diretor da Seed agora negocia para também se tornar um delator do esquema da Quadro Negro.

Outro lado

À RPC TV, Ademar Traiano disse que assegura a lisura de suas ações e que a Justiça deve agir na plenitude de suas competências. Já Beto Richa afirmou que “são falsas as informações prestadas por um criminoso confesso que não tem fundamentos ou provas”; e que determinou investigações quando soube das irregularidades.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Política

PUBLICIDADE