Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | Montagem sob a foto de Átila Alberti/Tribuna do Paraná
| Foto: Montagem sob a foto de Átila Alberti/Tribuna do Paraná

À primeira vista, parece um negócio sem contraindicação. Tendo em vista que o pedágio para quem usa o sistema federal é bem mais barato do que as tarifas praticadas no Anel de Integração, administrado pelo governo do Paraná, houve quem achasse uma boa ideia o anúncio de que a União pretende retomar as rodovias federais – para fazer, do seu próprio jeito, a próxima concessão.

PREÇO “REAL”: confira quanto seria o pedágio sem impostos

Mas, olhando bem mais de perto, percebe-se que não é bem assim. Primeiro, o momento é muito diferente daquele em que foram realizadas as últimas concessões federais no Paraná, há 10 anos. Depois, apesar dos diversos problemas encontrados no modelo estadual, significaria a perda de poder e de autonomia. Assim, Brasília decidiria o que é melhor para os paranaenses e ficaria com os lucros, financeiros ou políticos.

As repórteres Katia Brembatti e Rosana Felix, ambas com experiência na cobertura do assunto, discutem quais seriam consequências caso a União decida manter a palavra e não renovar a delegação das rodovias federais em 2021, quando terminam os atuais contratos.

Se você ainda não assinou o podcast, procure pelo Pequeno Expediente no seu aplicativo favorito de smartphone. Toda semana você receberá um programa novo, falando sobre os principais fatos da política paranaense.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]